SÁBADO SANTO (ANO C)

A PALAVRA

Jesus jaz na tumba e os apóstolos acreditam que tudo terminou. Todo o dia de sábado seu corpo descansa no sepulcro. Porém, sua mãe, Maria, se lembra do que disse seu filho: AO TERCEIRO DIA RESSUSCITAREI. Os Apóstolos vão chegando a seu lado, e Ela lhes consola.

O Sábado Santo é um dia de luto imenso, de silêncio e de espera vigilante da RESSURREIÇÃO. A Igreja em particular recorda a dor, a valentia e a esperança da Virgem Maria.

Ela representa a angústia de uma Mãe que tem entre seus braços seu Filho morto, porém não se pode esquecer neste momento, Ela é a única que conserva em seu coração as palavras do ancião Simeão, que bem profetizou que Cristo seria sinal de contradição e uma espada lhe transpassaria a alma, também indicou que Jesus seria sinal de RESSURREIÇÃO.

O que os discípulos tinham esquecido, Maria conservava no coração: a profecia da ressurreição ao terceiro dia. E Maria esperou até o terceiro dia.

Leituras

Deus viu tudo quanto havia feito e eis que tudo era muito bom.

1No princípio Deus criou o céu e a terra.
2A terra estava deserta e vazia,
as trevas cobriam a face do abismo
e o Espírito de Deus pairava sobre as águas.
3Deus disse: ‘Faça-se a luz!’ E a luz se fez.
4Deus viu que a luz era boa e separou a luz das trevas.
5E à luz Deus chamou ‘dia’ e às trevas, ‘noite’.
Houve uma tarde e uma manhã: primeiro dia.
6Deus disse: ‘Faça-se um firmamento entre as águas, separando umas das outras’.
7E Deus fez o firmamento,
e separou as águas que estavam embaixo,
das que estavam em cima do firmamento. E assim se fez.
8Ao firmamento Deus chamou ‘céu’.
Houve uma tarde e uma manhã: segundo dia.
9Deus disse:
‘Juntem-se as águas que estão debaixo do céu
num só lugar e apareça o solo enxuto!’
E assim se fez.
10Ao solo enxuto Deus chamou ‘terra’
e ao ajuntamento das águas, ‘mar’.
E Deus viu que era bom.
11Deus disse: ‘A terra faça brotar vegetação
e plantas que dêem semente, e árvores frutíferas que
dêem fruto segundo a sua espécie, que tenham nele a sua semente sobre a terra’. E assim se fez.
12E a terra produziu vegetação e plantas que trazem semente segundo a sua espécie,
e árvores que dão fruto tendo nele a semente
da sua espécie. E Deus viu que era bom.
13Houve uma tarde e uma manhã: terceiro dia.
14Deus disse:
‘Façam-se luzeiros no firmamento do céu,
para separar o dia da noite.
Que sirvam de sinais para marcar as épocas
os dias e os anos,
15e que resplandeçam no firmamento do céu
e iluminem a terra’. E assim se fez.
16Deus fez os dois grandes luzeiros:
o luzeiro maior para presidir ao dia,e o luzeiro menor para presidir à noite, e as estrelas.
17Deus colocou-os no firmamento do céu
para alumiar a terra,
18para presidir ao dia e à noite e separar
a luz das trevas. E Deus viu que era bom.
19E houve uma tarde e uma manhã: quarto dia.
20Deus disse:
‘Fervilhem as águas de seres animados de vida
e voem pássaros sobre a terra,
debaixo do firmamento do céu’.
21Deus criou os grandes monstros marinhos e todos os seres vivos que nadam, em multidão, nas águas,
segundo as suas espécies, e todas as aves,
segundo as suas espécies. E Deus viu que era bom.
22E Deus os abençoou, dizendo:
‘Sede fecundos e multiplicai-vos e enchei as águas do
mar, e que as aves se multipliquem sobre a terra’.
23Houve uma tarde e uma manhã: quinto dia.
24Deus disse: ‘Produza a terra seres vivos
segundo as suas espécies, animais domésticos, répteis
e animais selvagens, segundo as suas espécies’.
E assim se fez.
25Deus fez os animais selvagens, segundo as suas espécies, os animais domésticos segundo as suas espécies
e todos os répteis do solo segundo as suas espécies.
E Deus viu que era bom.
26Deus disse: ‘Façamos o homem à nossa imagem
e segundo à nossa semelhança,
para que domine sobre os peixes do mar,
sobre as aves do céu,
e sobre todos os répteis que rastejam sobre a terra’.
27E Deus criou o homem à sua imagem,
à imagem de Deus ele o criou: homem e mulher os criou.
28E Deus os abençoou e lhes disse:
‘Sede fecundos e multiplicai-vos,
enchei a terra e submetei-a!
Dominai sobre os peixes do mar,
sobre os pássaros do céu
e sobre todos os animais que se movem sobre a terra’.
29E Deus disse:
‘Eis que vos entrego todas as plantas que dão semente
sobre a terra, e todas as árvores que produzem fruto com sua semente, para vos servirem de alimento.
30E a todos os animais da terra,
e a todas as aves do céu, e a tudo o que rasteja sobre
a terra e que é animado de vida, eu dou todos os
vegetais para alimento’. E assim se fez.
31E Deus viu tudo quanto havia feito,
e eis que tudo era muito bom.
Houve uma tarde e uma manhã: sexto dia.
2,1E assim foram concluídos o céu e a terra
com todo o seu exército.
2No sétimo dia, Deus considerou acabada
toda a obra que tinha feito; e no sétimo dia descansou
de toda a obra que fizera.
Palavra do Senhor.

R. Enviai o vosso Espírito Senhor, e da terra toda a face renovai.


1Bendize, ó minha alma, ao Senhor!*
Ó meu Deus e meu Senhor, como sois grande!
2De majestade e esplendor vos revestis*
e de luz vos envolveis como num manto. R.

5Aterra vós firmastes em suas bases,*
ficará firme pelos séculos sem fim;
6os mares a cobriam como um manto,*
e as águas envolviam as montanhas. R.

10Fazeis brotar em meio aos vales as nascentes*
que passam serpeando entre as montanhas;
12às suas margens vêm morar os passarinhos,*
entre os ramos eles erguem o seu canto. R.

13De vossa casa as montanhas irrigais,*
com vossos frutos saciais a terra inteira;
14fazeis crescer os verdes pastos para o gado*
e as plantas que são úteis para o homem. R.

24Quão numerosas, ó Senhor, são vossas obras,*
e que sabedoria em todas elas!
Encheu-se a terra com as vossas criaturas!*
35cBendize, ó minha alma, ao Senhor! R.

O sacrifício de nosso pai Abraão.

Naqueles dias:
1Deus pôs Abraão à prova.
Chamando-o, disse: ‘Abraão!
‘E ele respondeu: ‘Aqui estou’.
2E Deus disse:
‘Toma teu filho único, Isaac, a quem tanto amas,
dirije-te à terra de Moriá, e oferece-o ali em
holocausto sobre um monte que eu te indicar’.
9aChegados ao lugar indicado por Deus,
Abraão ergueu um altar, colocou a lenha em cima,
amarrou o filho e o pôs sobre a lenha em cima do altar.
10Depois, estendeu a mão,
empunhando a faca para sacrificar o filho.
11E eis que o anjo do Senhor gritou do céu,
dizendo: ‘Abraão! Abraão!’
Ele respondeu: ‘Aqui estou!’.
12E o anjo lhe disse: ‘Não estendas a mão
contra teu filho e não lhe faças nenhum mal!
Agora sei que temes a Deus,
pois não me recusaste teu filho único’.
13Abraão, erguendo os olhos, viu um carneiro
preso num espinheiro pelos chifres; foi buscá-lo
e ofereceu-o em holocausto no lugar do seu filho.
15O anjo do Senhor chamou Abraão,
pela segunda vez, do céu,
16e lhe disse:
‘Juro por mim mesmo – oráculo do Senhor -,
uma vez que agiste deste modo
e não me recusaste teu filho único,
17eu te abençoarei
e tornarei tão numerosa tua descendência
como as estrelas do céu
e como as areias da praia do mar.
Teus descendentes conquistarão as
cidades dos inimigos.
18Por tua descendência serão abençoadas
todas as nações da terra, porque me obedeceste’.
Palavra do Senhor

R. Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!


5Ó Senhor, sois minha herança e minha taça,*
meu destino está seguro em vossas mãos!
8Tenho sempre o Senhor ante meus olhos,*
pois se o tenho a meu lado não vacilo.R.

9Eis por que meu coração está em festa,
minha alma rejubila de alegria,*
e até meu corpo no repouso está tranqüilo;
10pois não haveis de me deixar entregue à morte,*
nem vosso amigo conhecer a corrupção.R.

11Vós me ensinais vosso caminho para a vida;
junto a vós, felicidade sem limites,*
delícia eterna e alegria ao vosso lado!.R.

Os filhos de Israel entraram pelo meio do mar a pé enxuto.

Naqueles dias:
15O Senhor disse a Moisés:
‘Por que clamas a mim por socorro?
Dize aos filhos de Israel que se ponham em marcha.
16Quanto a ti, ergue a vara,
estende o braço sobre o mar e divide-o,
para que os filhos de Israel caminhem
em seco pelo meio do mar.
17De minha parte, endurecerei o coração dos egípcios,
para que sigam atrás deles,
e eu seja glorificado às custas do Faraó,
e de todo o seu exército,
dos seus carros e cavaleiros.
18E os egípcios saberão que eu sou o Senhor,
quando eu for glorificado às custas do Faraó,
dos seus carros e cavaleiros’.
19Então, o anjo do Senhor, que caminhava
à frente do acampamento dos filhos de Israel,
mudou de posição e foi para trás deles;
e com ele, ao mesmo tempo, a coluna de nuvem,
que estava na frente, colocou-se atrás,
20inserindo-se entre o acampamento dos egípcios
e o acampamento dos filhos de Israel.
Para aqueles a nuvem era tenebrosa,
para estes, iluminava a noite.
Assim, durante a noite inteira,
uns não puderam aproximar-se dos outros.
21Moisés estendeu a mão sobre o mar,
e durante toda a noite o Senhor fez soprar sobre o mar
um vento leste muito forte; e as águas se dividiram.
22Então, os filhos de Israel entraram
pelo meio do mar a pé enxuto,
enquanto as águas formavam como que uma muralha
à direita e à esquerda.
23Os egípcios puseram-se a perseguí-los,
e todos os cavalos do Faraó,
carros e cavaleiros os seguiram mar adentro.
24Ora, de madrugada,
o Senhor lançou um olhar, desde a coluna de fogo e da
nuvem, sobre as tropas egípcias e as pôs em pânico.
25Bloqueou as rodas dos seus carros,
de modo que só a muito custo podiam avançar.
Disseram, então, os egípcios: ‘Fujamos de Israel!
Pois o Senhor combate a favor deles, contra nós’.
26O Senhor disse a Moisés: ‘Estende a mão sobre o mar,
para que as águas se voltem contra os egípcios,
seus carros e cavaleiros’.
27Moisés estendeu a mão sobre o mar
e, ao romper da manhã, o mar voltou ao seu leito
normal, enquanto os egípcios, em fuga,
corriam ao encontro das águas,
e o Senhor os mergulhou no meio das ondas.
28As águas voltaram e cobriram carros,
cavaleiros e todo o exército do Faraó,
que tinha entrado no mar em perseguição de Israel.
Não escapou um só.
29Os filhos de Israel, ao contrário,
tinham passado a pé enxuto pelo meio do mar,
cujas águas lhes formavam uma muralha
à direita e à esquerda.
30Naquele dia,
o Senhor livrou Israel da mão dos egípcios,
e Israel viu os egípcios mortos nas praias do mar,
31e a mão poderosa do Senhor agir contra eles.
O povo temeu o Senhor, e teve fé no Senhor
e em Moisés, seu servo.
15,1Então, Moisés e os filhos de Israel
cantaram ao Senhor este cântico.
Palavra do Senhor.

R. Cantemos ao Senhor que fez brilhar a sua glória!

1Ao Senhor quero cantar, pois fez brilhar a sua glória:*
precipitou no Mar Vermelho o Cavalo e o cavaleiro!
2O Senhor é minha força, é a razão do meu cantar,+
pois foi ele neste dia para mim libertação!*
Ele é meu Deus e o louvarei, Deus de meu pai e o honrarei.R.

3O Senhor é um Deus guerreiro;*
o seu nome é ‘Onipotente’.
4Os soldados e os carros do Faraó jogou no mar;*
afogou no mar Vermelho a elite das tropas.R.

5E as ondas os cobriram,*
como pedra eles afundaram.
6Vossa direita, ó Senhor, é terrível em poder.*
Vossa direita, ó Senhor, aniquila o inimigo!R.

17Vosso povo levareis e o plantareis em vosso Monte,*
no lugar que preparastes para a vossa habitação,
no Santuário construído pelas vossas próprias mãos.*
18O Senhor há de reinar eternamente, pelos séculos!R.

Com misericórdia eterna, eu o teu Senhor, me compadeci de ti.

5Teu esposo é aquele que te criou,
seu nome é Senhor dos exércitos;
teu redentor, o Santo de Israel,
chama-se Deus de toda a terra.
6O Senhor te chamou,
como a mulher abandonada e de alma aflita;
como a esposa repudiada na mocidade,
falou o teu Deus.
7Por um breve instante eu te abandonei,
mas com imensa compaixão volto a acolher-te.
8Num momento de indignação,
por um pouco ocultei de ti minha face,
mas com misericórdia eterna compadeci-me de ti,
diz teu salvador, o Senhor.
9Como fiz nos dias de Noé,
a quem jurei nunca mais inundar a terra,
assim juro que não me irritarei contra ti
nem te farei ameaças.
10Podem os montes recuar e as colinas abalar-se,
mas minha misericórdia não se apartará de ti,
nada fará mudar a aliança de minha paz,
diz o teu misericordioso Senhor.
11Pobrezinha, batida por vendavais, sem nenhum consolo,
eis que assentarei tuas pedras sobre rubis,
e tuas bases sobre safiras;
12revestirei de jaspe tuas fortificações,
e teus portões, de pedras preciosas,
e todos os teus muros, de pedra escolhida.
13Todos os teus filhos serão discípulos do Senhor,
teus filhos possuirão muita paz;
14terás a justiça por fundamento.
Longe da opressão, nada terás a temer;
serás livre do terror,
porque ele não se aproximará de ti.
Palavra do Senhor

R. Eu vos exalto, ó Senhor, porque vós me livrastes!


2Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes,*
e não deixastes rir de mim meus inimigos!
4Vós tirastes minha alma dos abismos*
e me salvastes, quando estava já morrendo!R.

5Cantai salmos ao Senhor, povo fiel,*
dai-lhe graças e invocai seu santo nome!
6Pois sua ira dura apenas um momento,*
mas sua bondade permanece a vida inteira;
se à tarde vem o pranto visitar-nos,*
de manhã vem saudar-nos a alegria.R.

11Escutai-me, Senhor Deus, tende piedade!*
Sede, Senhor, o meu abrigo protetor!
12Transformastes o meu pranto em uma festa,*
13bSenhor meu Deus, eternamente hei de louvar-vos!R.

Vinde a mim, ouvi e tereis vida; farei convosco um pacto eterno.

Assim diz o Senhor:
1Â vós todos que estais com sede, vinde às águas;
vós que não tendes dinheiro, apressai-vos,
vinde e comei, vinde comprar sem dinheiro,
tomar vinho e leite, sem nenhuma paga.
2Por que gastar dinheiro com outra coisa que não o pão,
desperdiçar o salário senão com satisfação completa?
Ouvi-me com atenção, e alimentai-vos bem,
para deleite e revigoramento do vosso corpo.
3Inclinai vosso ouvido e vinde a mim,
ouvi e tereis vida; farei convosco um pacto eterno,
manterei fielmente as graças concedidas a Davi.
4Eis que fiz dele uma testemunha para os povos,
chefe e mestre para as nações.
5Eis que chamarás uma nação que não conhecias,
e acorrerão a ti povos que não te conheciam,
por causa do Senhor, teu Deus,
e do Santo de Israel, que te glorificou.
6Buscai o Senhor, enquanto pode ser achado;
invocai-o, enquanto ele está perto.
7Abandone o ímpio seu caminho,
e o homem injusto, suas maquinações;
volte para o Senhor, que terá piedade dele,
volte para nosso Deus, que é generoso no perdão.
8Meus pensamentos não são como os vossos pensamentos
e vossos caminhos
não são como os meus caminhos, diz o Senhor.
9Estão meus caminhos tão acima dos vossos caminhos
e meus pensamentos acima dos vossos pensamentos,
quanto está o céu acima da terra.
10Assim como a chuva e a neve descem do céu
e para lá não voltam mais,
mas vêm irrigar e fecundar a terra,
e fazê-la germinar
e dar semente, para o plantio e para a alimentação,
11assim a palavra que sair de minha boca:
não voltará para mim vazia;
antes, realizará tudo que for de minha vontade
e produzirá os efeitos que pretendi, ao enviá-la.
Palavra do Senhor

R. Com alegria bebereis do manancial da salvação.

2Eis o Deus, meu Salvador, eu confio e nada temo;*
o Senhor é minha força, meu louvor e salvação.
3Com alegria bebereis do manancial da salvação.R.

4be direis naquele dia: ‘Dai louvores ao Senhor,
4cinvocai seu santo nome, anunciai suas maravilhas,*
4dentre os povos proclamai que seu nome é o mais sublime. R.

5Louvai cantando ao nosso Deus, que fez prodígios e portentos,*
publicai em toda a terra suas grandes maravilhas!
6Exultai cantando alegres, habitantes de Sião,*
porque é grande em vosso meio o Deus Santo de Israel!’ R.

Marcha para o esplendor do Senhor.
9Ouve, Israel, os preceitos da vida;
presta atenção, para aprenderes a sabedoria.
10Que se passa, Israel?
Como é que te encontras em terra inimiga?
11Envelheceste num país estrangeiro,
te contaminaste com os mortos,
foste contado entre os que descem à mansão dos mortos.
12Abandonaste a fonte da sabedoria!
13Se tivesses continuado no caminho de Deus,
viverias em paz para sempre.
14Aprende onde está a sabedoria,
onde está a fortaleza e onde está a inteligência,
e aprenderás também onde está a longevidade e a vida,
onde está o brilho dos olhos e a paz.
15Quem descobriu onde está a sabedoria?
Quem penetrou em seus tesouros?
32Aquele que tudo sabe, conhece-a,
descobriu-a com sua inteligência;
aquele que criou a terra para sempre
e a encheu de animais e quadrúpedes;
33aquele que manda a luz, e ela vai,
chama-a de volta, e ela obedece tremendo.
34As estrelas cintilam em seus postos de guarda
e alegram-se;
35ele chamou-as, e elas respondem: ‘Aqui estamos’;
e alumiam com alegria o que as fez.
36Este é o nosso Deus,
e nenhum outro pode comparar-se com ele.
37Ele revelou todo o caminho da sabedoria
a Jacó, seu servo, e a Israel, seu bem-amado.
38Depois, ela foi vista sobre a terra
e habitou entre os homens.
4,1A sabedoria é o livro dos mandamentos de Deus,
é a lei, que permanece para sempre.
Todos os que a seguem, têm a vida,
e os que a abandonam, têm a morte.
2Volta-te, Jacó, e abraça-a;
marcha para o esplendor, à sua luz.
3Não dês a outro a tua glória
nem cedas a uma nação estranha teus privilégios.
4Ó Israel, felizes somos nós,
porque nos é dado conhecer o que agrada a Deus.
Palavra do Senhor.

R. Senhor, tens palavras de vida eterna.

8Alei do Senhor Deus é perfeita,*
conforto para a alma!
O testemunho do Senhor é fiel,*
sabedoria dos humildes.R.

9Os preceitos do Senhor são precisos,*
alegria ao coração.
O mandamento do Senhor é brilhante,*
para os olhos é uma luz.R.

10É puro o temor do Senhor,*
imutável para sempre.
Os julgamentos do Senhor são corretos*
e justos igualmente.R.

11Mais desejáveis do que o ouro são eles,*
do que o ouro refinado.
Suas palavras são mais doces que o mel,*
que o mel que sai dos favos.R.

Derramarei sobre vós uma água pura
e dar-vos-ei um coração novo.

16A palavra do Senhor foi-me dirigida nestes termos:
17a‘Filho do homem,
os da casa de Israel estavam morando em sua terra.
Mancharam-na com sua conduta e suas más ações.
18Então derramei sobre eles a minha ira,
por causa do sangue que derramaram no país
e dos ídolos com os quais o mancharam.
19Eu dispersei-os entre as nações,
e eles foram espalhados pelos países.
Julguei-os de acordo com sua conduta e suas más ações.
20Quando eles chegaram às nações para onde foram,
profanaram o meu santo nome; pois deles se comentava:
‘Esse é o povo do Senhor;
mas tiveram de sair do seu país!`
21Então eu tive pena do meu santo nome
que a casa de Israel estava profanando
entre as nações para onde foi.
22Por isso, dize à casa de Israel:
Assim fala o Senhor Deus: Não é por causa de vós
que eu vou agir, casa de Israel,
mas por causa do meu santo nome,
que profanastes entre as nações para onde fostes.
23Vou mostrar a santidade do meu grande nome,
que profanastes no meio das nações.
As nações saberão que eu sou o Senhor.
– oráculo do Senhor Deus –
quando eu manifestar minha santidade
à vista delas por meio de vós.
24Eu vos tirarei do meio das nações,
vos reunirei de todos os países,
e vos conduzirei para a vossa terra.
25Derramarei sobre vós uma água pura,
e sereis purificados.
Eu vos purificarei de todas as impurezas
e de todos os ídolos.
26Eu vos darei um coração novo
e porei um espírito novo dentro de vós.
Arrancarei do vosso corpo o coração de pedra
e vos darei um coração de carne;
27porei o meu espírito dentro de vós
e farei com que sigais a minha lei
e cuideis de observar os meus mandamentos.
28Habitareis no país que dei a vossos pais.
Sereis o meu povo e eu serei o vosso Deus.
Palavra do Senhor.

R. A minh’alma tem sede de Deus.

41,3A minh’alma tem sede de Deus,*
e deseja o Deus vivo.
Quando terei a alegria de ver*
a face de Deus?R.

5Peregrino e feliz caminhando*
para a casa de Deus,
entre gritos, louvor e alegria*
da multidão jubilosa.R.

42.3Enviai vossa luz, vossa verdade:*
elas serão o meu guia;
que me levem ao vosso Monte santo,*
até a vossa morada!R.

4Então irei aos altares do Senhor,*
Deus da minha alegria.
Vosso louvor cantarei, ao som da harpa,*
meu Senhor e meu Deus!R.

Cristo ressuscitado dos mortos não morre mais.

Irmãos:
3Será que ignorais que todos nós,
batizados em Jesus Cristo,
é na sua morte que fomos batizados?
4Pelo batismo na sua morte, fomos sepultados com ele,
para que, como Cristo ressuscitou dos mortos
pela glória do Pai,
assim também nós levemos uma vida nova.
5Pois, se fomos de certo modo identificados a Jesus
Cristo por uma morte semelhante à sua,
seremos semelhantes a ele também pela ressurreição.
6Sabemos que o nosso velho homem
foi crucificado com Cristo,
para que seja destruído o corpo de pecado,
de maneira a não mais servirmos ao pecado.
7Com efeito, aquele que morreu está livre do pecado.
8Se, pois, morremos com Cristo,
cremos que também viveremos com ele.
9Sabemos que Cristo ressuscitado dos mortos
não morre mais;
a morte já não tem poder sobre ele.
10Pois aquele que morreu,
morreu para o pecado uma vez por todas;
mas aquele que vive, é para Deus que vive.
11Assim, vós também considerai-vos mortos para o pecado
e vivos para Deus, em Jesus Cristo.
Palavra do Senhor.

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia

1Dai graças ao Senhor, porque ele é bom!*
‘Eterna é a sua misericórdia!’
2Acasa de Israel agora o diga:*
‘Eterna é a sua misericórdia!’R.

16abA mão direita do Senhor fez maravilhas,
a mão direita do Senhor me levantou,*
a mão direita do Senhor fez maravilhas!’
17Não morrerei, mas ao contrário, viverei*
para cantar as grandes obras do Senhor!R.

22‘A pedra que os pedreiros rejeitaram,*
tornou-se agora a pedra angular.
23Pelo Senhor é que foi feito tudo isso:*
Que maravilhas ele fez a nossos olhos!R.

Por que estais procurando entre os mortos
àquele que está vivo?

1No primeiro dia da semana, bem de madrugada,
as mulheres foram ao túmulo de Jesus,
levando os perfumes que haviam preparado.
2Elas encontraram a pedra do túmulo removida.
3Mas ao entrar, não encontraram o corpo do Senhor Jesus
4e ficaram sem saber o que estava acontecendo.
Nisso, dois homens com roupas brilhantes
pararam perto delas.
5Tomadas de medo, elas olhavam para o chão,
mas os dois homens disseram:
‘Por que estais procurando entre os mortos
aquele que está vivo?
6Ele não está aqui. Ressuscitou!
Lembrai-vos do que ele vos falou,
quando ainda estava na Galiléia:
7‘O Filho do Homem deve ser entregue
nas mãos dos pecadores, ser crucificado
e ressuscitar ao terceiro dia’.’
8Então as mulheres se lembraram das palavras de Jesus.
9Voltaram do túmulo
e anunciaram tudo isso aos Onze e a todos os outros.
10Eram Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago.
Também as outras mulheres que estavam com elas
contaram essas coisas aos apóstolos.
11Mas eles acharam que tudo isso era desvairio,
e não acreditaram.
12Pedro, no entanto, levantou-se e correu ao túmulo.
Olhou para dentro e viu apenas os lençóis.
Então voltou para casa,
admirado com o que havia acontecido.
Palavra da Salvação.

Reflexão

CAMINHO DA SALVAÇÃO

As mulheres vão ao túmulo levando os aromas, mas temem que a viagem seja inútil, porque uma grande pedra bloqueia a entrada do sepulcro. O caminho daquelas mulheres é também o nosso caminho; lembra o caminho da salvação, que voltamos a percorrer nesta noite. Nele, parece que tudo se vai estilhaçar contra uma pedra: a beleza da criação contra o drama do pecado; a libertação da escravatura contra a infidelidade à Aliança; as promessas dos profetas contra a triste indiferença do povo. O mesmo se passa na história da Igreja e na história de cada um de nós: parece que os passos dados nunca levem à meta. E assim pode insinuar-se a ideia de que a frustração da esperança seja a obscura lei da vida.

Hoje, porém, descobrimos que o nosso caminho não é feito em vão, que não esbarra contra uma pedra tumular. Uma frase incita as mulheres e muda a história: « Por que buscais entre os mortos aquele que está vivo?» (Lc 24, 5); porque pensais que tudo seja inútil, que ninguém possa remover as vossas pedras? Porque cedeis à resignação ou ao fracasso? A Páscoa, irmãos e irmãs, é a festa da remoção das pedras. Deus remove as pedras mais duras, contra as quais vão embater esperanças e expetativas: a morte, o pecado, o medo, o mundanismo. A história humana não acaba frente a uma pedra sepulcral, já que hoje mesmo descobre a «pedra viva» (cf. 1 Ped 2, 4): Jesus ressuscitado. Como Igreja, estamos fundados sobre Ele e, mesmo quando desfalecemos, mesmo quando somos tentados a julgar tudo a partir dos nossos fracassos, Ele vem fazer novas todas as coisas, inverter as nossas desilusões. Nesta noite, cada um é chamado a encontrar, no Vivente, Aquele que remove do coração as pedras mais pesadas. Perguntemo-nos, antes de tudo: Qual é a minha pedra a ser removida, como se chama esta pedra?

Muitas vezes, a esperança é obstruída pela pedra da falta de confiança. Quando se dá espaço à ideia de que tudo corre mal e que sempre vai de mal a pior, resignados, chegamos a crer que a morte seja mais forte que a vida e tornamo-nos cínicos e sarcásticos, portadores dum desânimo doentio. Pedra sobre pedra, construímos dentro de nós um monumento à insatisfação, o sepulcro da esperança. Lamentando-nos da vida, tornamos a vida dependente das lamentações e espiritualmente doente. Insinua-se, assim, uma espécie de psicologia do sepulcro: tudo termina ali, sem esperança de sair vivo. Mas, eis que surge a pergunta desafiadora da Páscoa: Porque buscais o Vivente entre os mortos? O Senhor não habita na resignação. Ressuscitou, não está lá; não O procures, onde nunca O encontrarás: não é Deus dos mortos, mas dos vivos (cf. Mt 22, 32). Não sepultes a esperança!

Há uma segunda pedra que, muitas vezes, fecha o coração: a pedra do pecado. O pecado seduz, promete coisas fáceis e prontas, bem-estar e sucesso, mas, depois, dentro deixa solidão e morte. O pecado é procurar a vida entre os mortos, o sentido da vida nas coisas que passam. Porque buscais o Vivente entre os mortos? Porque não te decides a deixar aquele pecado que, como pedra à entrada do coração, impede à luz divina de entrar? Porque, aos lampejos cintilantes do dinheiro, da carreira, do orgulho e do prazer, não antepões Jesus, a luz verdadeira (cf. Jo 1, 9)? Porque não dizes às vaidades mundanas que não é para elas que vives, mas para o Senhor da vida?

Voltemos às mulheres que vão ao sepulcro de Jesus… À vista da pedra removida, sentem-se perplexas; ao ver os anjos, ficam – diz o Evangelho – «amedrontadas» e «voltam o rosto para o chão» (Lc 24, 5). Não têm a coragem de levantar o olhar. E quantas vezes nos acontece o mesmo! Preferimos ficar encolhidos nos nossos limites, escondidos nos nossos medos. É estranho! Mas, por que o fazemos? Muitas vezes porque, no fechamento e na tristeza, somos nós os protagonistas, porque é mais fácil ficarmos sozinhos nas celas escuras do coração do que abrir-nos ao Senhor. E, todavia, só Ele levanta. Uma poetisa escreveu: «Só conhecemos a nossa altura, quando somos chamados a levantar-nos» (E. Dickinson, Nunca sabemos quão alto estamos nós). O Senhor chama-nos para nos levantarmos, ressuscitarmos à sua Palavra, olharmos para o alto e crermos que estamos feitos para o Céu, não para a terra; para as alturas da vida, não para as torpezas da morte: Porque buscais o Vivente entre os mortos?

Deus pede-nos para olharmos a vida como a contempla Ele, que em cada um de nós sempre vê um núcleo incancelável de beleza. No pecado, vê filhos carecidos de ser levantados; na morte, irmãos carecidos de ressuscitar; na desolação, corações carecidos de consolação. Por isso, não temas! O Senhor ama esta tua vida, mesmo quando tens medo de olhá-la de frente e tomar a sério. Na Páscoa, mostra-te quanto a ama. Ama-a a ponto de a atravessar toda, experimentar a angústia, o abandono, a morte e a mansão dos mortos para de lá sair vitorioso e dizer-te: «Não estás sozinho, confia em Mim!» Jesus é especialista em transformar as nossas mortes em vida, os nossos lamentos em dança (cf. Sal 30, 12). Com Ele, podemos realizar também nós a Páscoa, isto é, a passagem: passagem do fechamento à comunhão, da desolação ao conforto, do medo à confiança. Não fiquemos olhando para o chão amedrontados, fixemos Jesus ressuscitado: o seu olhar infunde-nos esperança, porque nos diz que somos sempre amados e que, não obstante tudo o que possamos combinar, o amor d’Ele não muda. Esta é a certeza não negociável da vida: O SEU AMOR NÃO MUDA. Perguntemo-nos: Na vida, para onde olho? Contemplo ambientes sepulcrais ou procuro o Vivente?

Porque buscais o Vivente entre os mortos? As mulheres escutam a advertência dos anjos, que acrescentam: «Lembrai-vos de como vos falou, quando ainda estava na Galileia» (Lc 24, 6). Aquelas mulheres tinham esquecido a esperança, porque não recordavam as palavras de Jesus, a chamada que lhes fez na Galileia. Perdida a memória viva de Jesus, ficam a olhar o sepulcro. A fé precisa de voltar à Galileia, reavivar o primeiro amor com Jesus, a sua chamada: precisa de O recordar, ou seja – literalmente –, de voltar com o coração para Ele. Voltar a um amor vivo para com o Senhor é essencial; caso contrário, tem-se uma fé de museu, não a fé pascal. Mas Jesus não é um personagem do passado, é uma Pessoa vivente hoje; não Se conhece nos livros de história, encontra-Se na vida. Hoje, repassemos na memória o momento em que Jesus nos chamou, quando venceu as nossas trevas, resistências, pecados, como nos tocou o coração com a sua Palavra.

IRMÃOS E IRMÃS, VOLTEMOS À GALILEIA.

Recordando Jesus, as mulheres deixam o sepulcro. A Páscoa ensina-nos que o crente se detém pouco no cemitério, porque é chamado a caminhar ao encontro do Vivente. Perguntemo-nos: na minha vida, para onde caminho? Sucede às vezes que o nosso pensamento se dirija continua e exclusivamente para os nossos problemas, que nunca faltam, e vamos ter com o Senhor apenas para nos ajudar. Mas, deste modo, são as nossas necessidades que nos orientam, não Jesus. E continuamos a buscar o Vivente entre os mortos. E quantas vezes, mesmo depois de ter encontrado o Senhor, voltamos entre os mortos, repassando intimamente saudades, remorsos, feridas e insatisfações, sem deixar que o Ressuscitado nos transforme! Queridos irmãos e irmãs, na vida demos o lugar central ao Vivente. Peçamos a graça de não nos deixarmos levar pela corrente, pelo mar dos problemas; a graça de não nos estilhaçarmos contra as pedras do pecado e os rochedos da desconfiança e do medo. Procuremo-Lo a Ele, deixemo-nos ser procurados por Ele, procuremo-Lo em tudo e antes de tudo. E com Ele, ressuscitaremos.

Texto: HOMILIA DO PAPA FRANCISCO
Fonte: VATICANO