VOCÊ JÁ DESCOBRIU A SUA MISSÃO?

Artigos

Com o tema “A vida é missão”, a Igreja, neste mês missionário, nos chama a tomar consciência do quanto é importante o ser, mais do que o fazer. O sacramento do Batismo imprime caráter no batizado a ponto de seu ser, estar intrinsecamente ligado à sua vida. Neste sentido, eu não faço missão, eu sou missionário por excelência. Desta afirmação, podemos refletir que Deus nos fez para uma missão. Ninguém está na vida “à toa”, perdido, ou sem sentido. Cada pessoa precisa descobrir para o que Deus o criou. Acredito que as pessoas se tornam mais realizadas e felizes quando descobrem a sua missão no mundo e a sua essência está em sintonia com o seu fazer. Faz a partir do que é, e é a partir do que faz.

O Lema do Mês Missionário 2020 foi tirado do texto de Isaias 6,8, “EIS ME AQUI, ENVIA-ME”. Este enviar não é para fazer, mas para ser no mundo o sinal de amor de Deus. Todos devemos nos sentir enviados em missão.

O Concílio Vaticano II afirma que, como Igreja, temos uma missão e existe verdadeira igualdade entre os fiéis, quanto à dignidade e ação comum, na edificação do Corpo de Cristo, e todos participam da missão da Igreja no mundo e são chamados ao apostolado (cf. Lumen Gentium 31-32). Todos os fiéis participam da tríplice missão de Cristo sacerdote, profeta e rei.

Há uma igualdade fundamental que é compatível com a desigualdade funcional. Ou seja, todos participam plenamente da vida e do ministério de Cristo, mas cada um com sua função, seus dons e carismas próprios. Há funções específicas do bispo, do padre e dos leigos, como membros de um só corpo, que é a Igreja.

A Igreja é essencialmente missionária. Graças a tantos missionários do passado que a fé foi transmitida para nós como um presente de Deus. Não podemos deixar que esse processo de transmissão da fé pare em nós: cada cristão deve ser evangelizador do povo de Deus.

Às vezes, pensamos que vivemos num país, num estado ou cidade católicos e que todas as pessoas já são evangelizadas. A realidade nos mostra o contrário. Muita gente, inclusive pessoas que participam das missas em nossas comunidades, ainda não assumiram o Evangelho como parte fundante de sua vida. Muitos não conhecem a beleza de nossa Igreja e por isso acabam até mudando de religião. Outros ainda não foram tocados pela mensagem cristã e só serão, graças ao testemunho e a pregação de nossos leigos comprometidos. Sem falar de tantas pessoas que não aprenderam a rezar e gostariam muito de que alguém os ensinasse.

Toda pessoa humana tem necessidade de Deus e da mensagem cristã. Muitos procuram em lugares errados. Todo batizado deve pregar o Evangelho em todo tempo e lugar. A mensagem cristã traz sempre esperança e alegria às pessoas. Vale a pena evangelizar, vale a pena ser evangelizado. O Evangelho nos orienta para a justiça e solidariedade. Cria laços da amizade e do amor, nos ensina a perdoar e nos ajuda a crescer como pessoa humana e de fé. Por isso, a Palavra de Deus é sempre boa notícia.

Ser missionário é tornar-se discípulo e apóstolo. Discípulo pela oração e escuta da Palavra de Deus e a partir daí transbordar essa Palavra, no seu coração, pelo anúncio a todas as pessoas, recordando-as que são filhas de um Deus, que as ama com amor eterno. Ser missionário é anunciar a Igreja como um grande meio, que nos leva a conhecer melhor o projeto de Deus, convidando todos a viver o amor em comunidade, tornando a vida mais fraterna e solidária. Ser missionário é viver e anunciar a fé a todas as pessoas que encontrarmos.

O missionário não fala por si mesmo, ele é enviado a falar em nome de Deus, por isso é importante o testemunho de vida, o compromisso com as causas do Evangelho.

SERVI AO SENHOR COM ALEGRIA
Texto: Dom Manoel Ferreira dos Santos Junior – Bispo de Registro