Últimas
As atitudes fundamentais do Advento
Atitude de espera O mundo precisa de Deus. A humanidade está
Orações para a Segunda Semana do Advento
Domingo - Algumas vezes, Senhor, eu considero minha vida como uma v
Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora
Na Solenidade da Imaculada Conceição somos convidados a equaciona
O Espírito Santo: nosso guia no Advento
Durante o Advento não podemos esquecer da presença do Espírito S
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Sem eventos

Cristo é o Rei do universo e de cada um de nós


A festa de Cristo Rei é uma das festas mais importantes do calendário litúrgico, porque nela celebramos que Cristo é o Rei do universo. Seu Reino é o Reino da verdade e a vida, da santidade e da graça, da justiça, do amor e a paz.

A festa de Cristo Rei foi instaurada pelo Papa Pio XI em março de 1925, através da encíclica QUAS PRIMAS. O Papa quis motivar os católicos para reconhecer em público que o líder da Igreja é Cristo Rei.

Com a festa de Cristo Rei se conclui o Ano Litúrgico. Esta festa tem um sentido escatológico, pois celebramos Cristo como Rei de todo o universo.

Sabemos que o Reino de Cristo já começou, pois se faz presente na terra com a vinda ao mundo a mais de 2000 anos, porém Cristo não reinará definitivamente sobre todos os homens até que volte ao mundo com toda a sua glória ao final dos tempos, na Parusía.  Para conhecermos o que Cristo nos antecipou sobre esse grande dia, podemos ler o Evangelho de Mateus 25, 31-46.

Na festa de “Cristo Rei” celebramos que Cristo pode começar a reinar em nossos corações no momento em que nós lhe permitimos, e assim o Reino de Deus pode se fazer presente em nossa vida. Deste modo nós vamos instaurando desde agora o Reino de Cristo em nos mesmos e em nossos lares, emprego e no mundo.

Jesus nos fala das características de seu Reino através de várias parábolas no capítulo 13 de Mateus:

Na festa de “Cristo Rei” celebramos que Cristo pode começar a reinar em nossos corações no momento em que nós lhe permitimos, e assim o Reino de Deus pode se fazer presente em nossa vida. Deste modo nós vamos instaurando desde agora o Reino de Cristo em nos mesmos e em nossos lares, emprego e no mundo.

Jesus nos fala das características de seu Reino através de várias parábolas no capítulo 13 de Mateus:

 

“O reino dos céus é semelhante a um grão de mostarda que um homem tomou, e semeou no seu campo; o qual é realmente a menor de todas as sementes; mas, depois de ter crescido, é a maior das hortaliças, e faz-se árvore, de sorte que vêm as aves do céu, e se aninham nos seus ramos.”

 

“O reino dos céus é semelhante ao fermento que uma mulher tomou e misturou com três medidas de farinha, até ficar tudo levedado.”

 

“O reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido no campo, que um homem, ao descobrí-lo, esconde; então, movido de gozo, vai, vende tudo quanto tem, e compra aquele campo.”

 

“O reino dos céus é semelhante a um negociante que buscava boas pérolas; e encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo quanto tinha, e a comprou.”

Nestas parábolas, Jesus nos faz ver claramente que vale a pena procura-lo e encontra-lo, que viver o Reino de Deus vale mais que todos os tesouros da terra e que seu crescimento será discreto, sem que ninguém saiba como e quando, mas será efetivo.

A Igreja tem a responsabilidade de pregar e estender o reinado de Jesus Cristo entre os homens. Sua pregação e extensão devem ser o centro de nossa vida como membros da Igreja. Trata-se de conseguir que Jesus Cristo reine no coração dos homens, no seio dos lares, nas comunidades e nos povos. Com isto nós poderemos chegar a um mundo novo no qual reine o amor, a paz, a justiça e a salvação eterna de todos os homens.

Para conseguir que Jesus reine em nossa vida, em primeiro lugar devemos conhecer Cristo. A leitura e reflexão do Evangelho, a oração pessoal e os sacramentos são meios para conhecê-lo e também através dos que recebem a graça que vão abrindo nossos corações ao amor de Cristo. Trata-se de conhecer Cristo de uma maneira experimental e não somente teológica.

Quando nos aproximamos da Acerquémonos para o Sacramento, mesmo Deus, receber da abundância deles/delas. Nos deixe rezar com profundidade que escuta Cristo que fala conosco.

Para conseguir que Jesus reine em nossa vida devemos imitá-lo. Uma atitude de amor nos levará sem percebermos a pensar como Cristo, querer como Cristo e sentir como Cristo, vivendo uma vida de verdadeira caridade e autentica cristandade. Quando imitamos Cristo podemos experimentar que o Reino de Cristo já começou para nós.

Para conseguir que Jesus reine em nossa vida devemos nos aproximar do compromisso apostólico que consiste em levar nosso amor para a ação de estender o Reino de Cristo a todas as almas mediante obras concretas de apostolado. Nos não poderemos nos deter. Nosso amor começará a desdobrar-se.

Dedicar nossa vida à extensão do Reino de Cristo na terra é a melhor coisa que nós podemos fazer, porque Cristo nos recompensará com uma felicidade e uma paz profunda e imperturbável em todas as circunstâncias de nossa vida.  

Ao longo da história há testemunhos incontáveis de cristãos que deram sua vida por Cristo como o Rei de suas vidas. Os mártires da guerra cristã no México nos anos 20 que para defender sua fé, foram todos procurados e mortos enquanto gritando “Viva Cristo Rei!”, os Mártires Claretianos de Barbastro que morreram pela sua fé em Cristo...

A festa de Cristo Rei, ao finalizar o Ano Litúrgico é uma oportunidade de imitar estes mártires anunciando publicamente que Cristo é o Rei de nossas vidas, o Rei dos reis, o Principio e o Fim de todo o Universo.


 

: