Últimas
Assunção de Nossa Senhora (Solenidade)
Bendita és tu, Maria! Hoje, Jesus ressuscitado acolhe a sua mãe n
Não Matarás
Há alguns dias, o Papa Francisco presenteou a Igreja e toda a huma
XIX Domingo do Tempo Comum (Ano B)
A liturgia do XIX Domingo do Tempo Comum mostra, uma vez mais, a pr
Esses homens a quem chamamos de pais
Um franciscano menciona algumas das fundamentais características d
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qui Ago 16 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Ago 16 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Ago 23 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Ago 23 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Ago 30 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia

Mandamentos do trânsito


A Igreja Católica divulgou recentemente os “Dez Mandamentos do Motorista”. O trânsito mata mais que as guerras e doenças. O setor de ortopedia dos hospitais está sempre superlotado e a cadeira de rodas é o destino para as vítimas do trânsito. Os dez mandamentos do motorista vieram em boa hora.

1. Não matar. É o mandamento de Deus. A vida das pessoas é única, original, irrepetível. A cultura da vida faz parte da educação para o trânsito. O consumismo nos transforma em homicidas nas estradas e ruas.

2. A rua é lugar de comunhão e não uma arma mortal. A rua, as estradas são de todos, são um bem social, comum, comunitário. Por isso, não podemos ser egoístas, prepotentes, donos das ruas e estradas, mas devemos fazer delas um meio, um lugar de comunhão.

3. Cortesia, correção e prudência. Estas são as três virtudes do motorista. Elas são desdobramentos do amor fraterno. A cortesia supera a grosseria, a correção protege o bem comum e a prudência leva ao bom senso, ao reto agir e a ter cuidado.

4. O motorista deve ter caridade, ser sensível com o próximo. É como o bom samaritano, tem zelo pelos outros e socorre as vítimas. O motorista é como um anjo da vida, guarda e cuida da vida pessoal e dos outros. Caminhemos na estrada de Jesus. Ele é o caminho.

5. Ter automóvel não é status, poder, dominação, superioridade. Quem pensa assim está no estágio da infantilidade e das aparências. O carro é para servir, nunca deve ser ocasião para o pecado. É lamentável fazer do automóvel um meio de orgulho e vaidade. A lei do mais forte é a lei da selva.

6. Convencer aos que não têm condições de dirigir, a não fazê-lo. Pessoas alcoolizadas, drogadas, sonolentas, sem habilitação, em alto estado emocional ou que não observam as leis do trânsito, não devem dirigir.

7. Ajudar as famílias dos acidentados. Um acidente de trânsito prejudica muitas pessoas, famílias inteiras e à comunidade. O pecado do trânsito é um pecado social, comunitário, que fere muitas pessoas. É dever ético ajudar as famílias dos acidentados. Há muitas maneiras de ajudar.

8. Os culpados dos acidentes e as vítimas precisam passar pela experiência do perdão. A raiva, a mágoa, o ressentimento são tão negativos quanto os males físicos. Sem o perdão é difícil esquecer os males sofridos, obter a cura física e emocional, inclusive a cura dos traumas.

9. Na rua seja protegida a parte mais vulnerável. São as crianças, os idosos, os doentes, os pedestres. A educação para o trânsito tem orientações para os pedestres e para a comunidade. Portanto, é um conjunto de responsabilidades: o motorista, o pedestre, o carro, a estrada.

10. Ser responsável para com o próximo. Ter carro, correr, vencer, lucrar são realidades da vida moderna, que convidam para o consumismo e interesses pessoais. Esquecemos facilmente dos outros, do próximo, dos irmãos. Martin Luther King dizia: “Ou vivemos como irmãos, ou morreremos como loucos”. Sejamos responsáveis e pacientes no trânsito para não sermos pacientes nos hospitais.


: