Últimas
Corrupção: mal baseado na idolatria do dinheiro
"Temos que nos conscientizar que a corrupção começa com as peque
A Deus nada é impossível
Em pleno Advento, chamados a dar objetividade à esperança e a viv
Orações para a Segunda Semana do Advento
Domingo - Algumas vezes, Senhor, eu considero minha vida como uma v
II Domingo do Advento - Ciclo B
A liturgia do segundo domingo de Advento constitui um veemente apel
Aprenda a rezar
Como fazer para rezar? Trata-se de uma dúvida comum. Os próp
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qua Dez 13 @ 8:00PM -
Terço dos Homens
Qui Dez 14 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Dez 14 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Dez 21 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Dez 21 @ 8:00PM -
Grupo de Oração

O fascinante sentido espiritual por trás da palavra “paróquia”

Ela tem a ver com “morada próxima”, “peregrinos” e até com o “barco” que nos leva ao céu!

O que é uma paróquia?

Quase todo mundo usa esse termo, mas o que ele significa mesmo?

À medida que o cristianismo ia se estabelecendo firmemente mundo afora, crescia a necessidade de organizar as comunidades cristãs num sistema gerenciável. Essa tarefa ganhou corpo no século IV e foi sendo refinada ao longo das décadas, chegando a um ápice no século XVI com o Concílio de Trento.

Nesse concílio, os bispos foram instruídos a definirem claramente as paróquias e os sacerdotes que exerceriam nelas o seu ministério. Começaram então a ser estabelecidos os limites territoriais específicos de cada paróquia, com base na quantidade de almas presentes em cada região.

O pároco ficaria encarregado do cuidado espiritual e sacramental de todas as almas que vivessem dentro daquele território. Se houvesse necessidade, ele contaria com a assistência de mais sacerdotes sob a sua liderança.

O atual Código de Direito Canônico especifica que uma paróquia é “UMA COMUNIDADE DE FIÉIS CRISTÃOS CONSTITUÍDA DE FORMA ESTÁVEL” e estabelecida por um bispo. Como regra geral, a paróquia é territorial, ou seja, inclui todos os fiéis cristãos de um determinado território; no entanto, o direito canônico também prevê grupos de cristãos não vinculados por fronteiras territoriais. Isto, na prática, significa que pessoas que residem fora de uma determinada paróquia podem ainda assim pertencer a ela, não obstante a localização.

“Peregrinos morando ao lado”

A palavra paróquia vem do grego “paroikía”, que significa algo como “casa ao lado”, “morada próxima”, “morar perto”. Tem relação com o termo “paroikos”, que quer dizer “forasteiro”, “estrangeiro”, “peregrino em outra terra”, e que aparece nos Atos dos Apóstolos quando Estêvão fala da história dos judeus e os descreve como “estrangeiros numa terra que não era a sua (cf. Atos 7,6).

Um paroquiano é isso: um “peregrino” que viaja rumo à pátria celestial, e que, acolhido numa paróquia, ou seja, numa “morada próxima”, vai compartilhando essa viagem com seus irmãos e vizinhos!

Belíssima imagem para entendermos o conceito, não é?

Mas há mais imagens e metáforas que nos ajudam a descobrir a riqueza e a profundidade do conceito de paróquia.

As paróquias são como barcos

A imagem da barca é muito associada à Igreja, tradicionalmente representada como a “Barca de Pedro”. Desta mesma perspectiva, as paróquias são como barcos que levam grupos específicos de almas rumo ao céu. Não parece coincidência, aliás, que a parte mais ampla das igrejas tradicionais se chame “nave” (do latim “navis”, ou seja… navio, barco)!

Todo pároco, assim, é o “capitão” de um barco de almas a serem levadas até o porto seguro do céu! Isso não é uma tarefa simples, e é por isso que o padre precisa muito do envolvimento dos paroquianos na condução do barco – além, é claro, do sopro contínuo do Espírito Santo.

Analogias para pôr em prática

Da próxima vez que você for à sua paróquia, lembre-se dessas analogias com a “morada próxima”, com a “peregrinação”, com o “barco”. Essas imagens ajudarão você a entender melhor a tarefa gigantesca do pároco, especialmente quando ele é responsável por 3 ou 4 “barcos” ao mesmo tempo, e, por conseguinte, a compreender melhor a importância da sua própria participação e colaboração ativa como membro dessa tripulação.

NUMA PARÓQUIA, AFINAL, SOMOS TODOS PEREGRINOS A BORDO DA MESMA CASA-BARCO, RUMANDO AO CÉU!

: