Últimas
XVI Domingo do Tempo Comum (Ano C)
As leituras deste domingo convidam-nos a refletir o tema da HOSPITA
A história de Nossa Senhora do Carmo
O Monte Carmelo fica na Terra Santa e seu nome quer dizer jard
Torne-se um dizimista
O dízimo é o reconhecimento de que tudo pertence a DEUS. Com o d
XV Domingo doTempo Comum (Ano C)
A liturgia deste domingo procura definir o caminho para encontrar a
Sobre a vida de São Bento
Por ocasião da dedicação do Mosteiro de Monte Cassino em 196
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qui Jul 25 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Jul 25 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Ago 01 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Ago 01 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Ago 08 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia

Vivamos cada dia da Semana Santa... Domingo de Ramos

O nome que os livros litúrgicos dão a este dia expressa o que a Igreja pretende celebrar ao inaugurar a “grande semana” dos cristãos: Domingo de Ramos da Paixão do Senhor. A entrada triunfante do Senhor em Jerusalém e sua Paixão redentora são os dois elementos do Mistério Pascal que devem ser ressaltados e evidenciados, tanto na forma celebrativa como na catequese que se dê ao Povo de Deus. É através de sua Morte, que culmina na Ressurreição, quando Cristo é instituído Redentor dos homens. Os livros litúrgicos falam-nos da gloriosa Paixão do Senhor.

"Bendito o rei que vem em nome do Senhor! Paz no céu e glória nas alturas". (Lc 19,37)

Jesus faz a sua entrada em Jerusalém, como Messias, montado num burrinho, segundo fora profetizado muitos séculos antes. O povo vem saudá-lo com ramos de oliveira que agitavam com grande alegria e gritavam: Hosana! Bendito aquele que vem em nome do Senhor!

Muitos estendiam suas vestes no chão para que o jumentinho as pisasse como se fossem um tapete. Aquela entrada triunfal de Jesus na cidade para celebrar a Páscoa, no entanto foi bastante efêmera para muitos. Os ramos verdes murcharam rapidamente.

O “Hosana” entusiástico transformou-se, cinco dias mais tarde, num grito furioso: Crucifica-o! Por que foi tão brusca a mudança? Por que tanta inconsistência?

Este episódio nos remete à nossa própria vida. Faz-nos refletir sobre a nossa coerência e perseverança na fé. Pede-nos o aprofundamento da nossa fidelidade, para que nossos propósitos não sejam luz que brilha momentaneamente e logo se apaga.

Dentro do nosso coração, há profundos contrastes: somos capazes do melhor e do pior. Se quisermos ter em nós a vida divina, para triunfar com Cristo temos de ser constantes e matar pela penitência o que nos afasta de Deus e nos impede de acompanhar o Senhor até a Cruz.


Vivamos cada dia da Semana Santa

 

: