Últimas
III Domingo do Tempo Comum (Ano A)
A liturgia deste domingo apresenta-nos o projeto de salvação e de
II Domingo do Tempo Comum (Ano A)
A liturgia deste domingo coloca a questão da VOCAÇÃO; e convida-
O sinal da Santa Cruz
A cruz é, por excelência, sinal de identificação do cristão. J
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Sex Fev 21 @12:00AM
Aniversário do Padre Claudio

Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora

Na Solenidade da Imaculada Conceição somos convidados a equacionar o tipo de resposta que damos aos desafios de Deus. Ao propor-nos o exemplo de Maria de Nazaré, a liturgia convida-nos a acolher, com um coração aberto e disponível, os planos de Deus para nós e para o mundo.
A segunda leitura garante-nos que Deus tem um projeto de vida plena, verdadeira e total para cada homem e para cada mulher, um projeto que desde sempre esteve na mente do próprio Deus. Esse projeto, apresentado aos homens através de Jesus Cristo, exige de cada um de nós uma resposta decidida, total e sem subterfúgios.
A primeira leitura mostra, recorrendo à história mítica de Adão e Eva, o que acontece quando rejeitamos as propostas de Deus e preferimos caminhos de egoísmo, de orgulho e de autossuficiência… Viver à margem de Deus leva, inevitavelmente, a trilhar caminhos de sofrimento, de destruição, de infelicidade e de morte.
O Evangelho apresenta a resposta de Maria ao plano de Deus. Ao contrário de Adão e Eva, Maria rejeitou o orgulho, o egoísmo e a autossuficiência e preferiu conformar a sua vida, de forma total e radical, com os planos de Deus. Do seu “SIM” total, que resultou em salvação e vida plena para ela e para o mundo.


 


Primeira Leitura
Salmo Responsorial
Segunda Leitura
Evangelho
Comentário
Referencias


Primeira Leitura
POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER,
ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA.
Leitura do Gênesis (3,9-15.20)


Depois que Adão comeu do fruto da árvore,

9o Senhor Deus o chamou, dizendo:
"Onde estás?"
10E ele respondeu:
"Ouvi tua voz no jardim,
e fiquei com medo porque estava nu;
e me escondi".
11Disse-lhe o Senhor Deus:
"E quem te disse que estavas nu?
Então comeste da árvore,
de cujo fruto te proibi comer?"
12Adão disse:
"A mulher que tu me deste por companheira,
foi ela que me deu do fruto da árvore, e eu comi".
13Disse o Senhor Deus à mulher:
"Por que fizeste isso?"
E a mulher respondeu:
"A serpente enganou-me e eu comi".
14Então o Senhor Deus disse à serpente:
"Porque fizeste isso, serás maldita
entre todos os animais domésticos
e todos os animais selvagens!
Rastejarás sobre o ventre
e comerás pó todos os dias da tua vida!
15Porei inimizade entre ti e a mulher,
entre a tua descendência e a dela.
Esta te ferirá a cabeça
e tu lhe ferirás o calcanhar".
20E Adão chamou à sua mulher "Eva",
porque ela é a mãe de todos os viventes.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da primeira leitura


01 - Um dos mistérios que mais questiona os nossos contemporâneos é o mistério do mal… Esse mal que vemos todos os dias, que tornar sombria e deprimente essa “casa” que é o mundo, vem de Deus, ou vem do homem? A Palavra de Deus responde: O MAL NUNCA VEM DE DEUS… Deus criou-nos para a vida e para a felicidade e deu-nos todas as condições para imprimirmos à nossa existência uma dinâmica de vida, de felicidade, de realização plena.

02 - O mal resulta das nossas escolhas erradas, do nosso orgulho, do nosso egoísmo e autossuficiência. Quando o homem escolhe viver orgulhosamente só, ignorando as propostas de Deus e prescindindo do amor, constrói cidades de egoísmo, de injustiça, de prepotência, de sofrimento, de pecado… Quais os caminhos que eu escolho? As propostas de Deus fazem sentido e são, para mim, indicações seguras para a felicidade, ou prefiro ser eu próprio a fazer as minhas escolhas, à margem das propostas de Deus?

03 – A primeira leitura deixa também claro que prescindir de Deus e caminhar longe dele leva o homem ao confronto e à hostilidade com os outros homens e mulheres. Nasce, então, a injustiça, a exploração, a violência. Os outros homens e mulheres deixam de serem irmãos para passarem a serem ameaças ao próprio bem-estar, à própria segurança, aos próprios interesses. Como é que eu me situo face aos meus irmãos? Como é que eu me relaciono com aqueles que são diferentes, que invadem o meu espaço e interesses e que me questionam e interpelam?


VOLTAR


Salmo Responsorial
CANTAI AO SENHOR DEUS UM CANTO NOVO,
PORQUE ELE FEZ PRODÍGIOS!

Sl 97(98),1.2-3ab.3cd-4 (R. 1a)


1Cantai ao Senhor Deus um canto novo, *
porque ele fez prodígios!
Sua mão e o seu braço forte e santo *
alcançaram-lhe a vitória. 
O CANTAI AO SENHOR DEUS UM CANTO NOVO,
PORQUE ELE FEZ PRODÍGIOS!

2O Senhor fez conhecer a salvação, *
e às nações, sua justiça;
3arecordou o seu amor sempre fiel *
3bpela casa de Israel.

CANTAI AO SENHOR DEUS UM CANTO NOVO,
PORQUE ELE FEZ PRODÍGIOS!

3cOs confins do universo contemplaram *
3da salvação do nosso Deus.
4Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, *
alegrai-vos e exultai! 

CANTAI AO SENHOR DEUS UM CANTO NOVO,
PORQUE ELE FEZ PRODÍGIOS!


VOLTAR


Segunda Leitura
EM CRISTO, ELE NOS ESCOLHEU,
ANTES DA FUNDAÇÃO DO MUNDO.
Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios (1,3-6.11-12)


3Bendito seja Deus,

Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.
Ele nos abençoou com toda a bênção do seu Espírito
em virtude de nossa união com Cristo, no céu.
4Em Cristo, ele nos escolheu,
antes da fundação do mundo,
para que sejamos santos e irrepreensíveis
sob o seu olhar, no amor.
5Ele nos predestinou para sermos seus filhos adotivos
por intermédio de Jesus Cristo,
conforme a decisão da sua vontade,
6para o louvor da sua glória
e da graça com que ele nos cumulou no seu Bem-amado.
11Nele também nós recebemos a nossa parte.
Segundo o projeto daquele
que conduz tudo conforme a decisão de sua vontade,
nós fomos predestinados
12a sermos, para o louvor de sua glória,
os que de antemão colocaram a sua esperança em Cristo.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da segunda leitura


01 – A segunda leitura afirma, de forma clara, que Deus tem um projeto de vida plena para os homens, um projeto que desde sempre esteve na mente de Deus. É muito importante termos isto em conta: não somos um acidente de percurso na evolução inexorável do cosmos, mas somos atores principais de uma história de amor que o nosso Deus sempre sonhou e que Ele quis escrever e viver conosco… No meio das nossas desilusões e dos nossos sofrimentos, da nossa finitude e do nosso pecado, dos nossos medos e dos nossos dramas, não esqueçamos que somos filhos amados de Deus, a quem Ele oferece continuamente a vida definitiva, a verdadeira felicidade.

02 - Deus “ELEGEU-NOS… PARA SERMOS SANTOS E IRREPREENSÍVEIS”. Já vimos que “ser santo” significa ser consagrado para o serviço de Deus. O que é que isto implica em termos concretos? Entre outras coisas, implica tentar descobrir o plano de Deus, o projeto que Ele tem para cada um de nós e concretizá-lo dia a dia com verdade, fidelidade e radicalidade. No meio das solicitações do mundo e das exigências da nossa vida profissional, social e familiar, temos tempo para Deus, para dialogar com Ele e para tentar perceber os seus projetos e propostas? E temos disponibilidade e vontade de concretizar as suas propostas, mesmo quando elas não são conciliáveis com os nossos interesses pessoais?

02 – A centralidade de Cristo nesta história de amor que Deus quis viver conosco… Jesus veio ao nosso encontro, cumprindo com radicalidade a vontade do Pai e oferecendo-se até a morte para nos ensinar a viver no amor. Como é que assumimos e vivemos essa proposta de amor que Jesus nos apresentou? Aprendemos com Ele a amar sem exceção e com radicalidade?


VOLTAR


Evangelho
EIS QUE CONCEBERÁS E DARÁS À LUZ UM FILHO.
Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas (1,26-38)


Naquele tempo:
26O anjo Gabriel foi enviado por Deus
a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré,
27a uma virgem, prometida em casamento
a um homem chamado José.
Ele era descendente de Davi
e o nome da virgem era Maria
28O anjo entrou onde ela estava e disse:
'Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!'
29Maria ficou perturbada com estas palavras e começou a
pensar qual seria o significado da saudação.
30O anjo, então, disse-lhe:
'Não tenhas medo, Maria,
porque encontraste graça diante de Deus.
31Eis que conceberás e darás à luz um filho,
a quem porás o nome de Jesus.
32Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo,
e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi.
33Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó,
e o seu reino não terá fim'.
34Maria perguntou ao anjo:
'Como acontecerá isso,
se eu não conheço homem algum?'
35O anjo respondeu:
'O Espírito virá sobre ti,
e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra.
Por isso, o menino que vai nascer
será chamado Santo, Filho de Deus.
36Também Isabel, tua parenta,
concebeu um filho na velhice.
Este já é o sexto mês
daquela que era considerada estéril,
37porque para Deus nada é impossível'.
38Maria, então, disse:
'Eis aqui a serva do Senhor;
faça-se em mim segundo a tua palavra!'
E o anjo retirou-se.
Palavra da Salvação.


Referencias para reflexão do Evangelho


01 - A liturgia deste dia afirma, de forma clara e insofismável, que Deus ama os homens e tem um projeto de vida plena para lhes oferecer. Como é que esse Deus cheio de amor pelos seus filhos intervém na história humana e concretiza, dia a dia, essa oferta de salvação? A história de Maria de Nazaré, bem como a de tantos outros “chamados”, responde, de forma clara, a esta questão: é através de homens e mulheres atentos aos projetos de Deus e de coração disponível para o serviço aos irmãos que Deus atua no mundo, que Ele manifesta aos homens o seu amor, que Ele convida cada pessoa a percorrer os caminhos da felicidade e da realização plena. Já pensamos que é através dos nossos gestos de amor, de partilha e de serviço que Deus se torna presente no mundo e transforma o mundo?

02 - Outra questão é a dos instrumentos de que Deus se serve para realizar os seus planos… Maria era uma jovem mulher de uma aldeia obscura dessa “Galileia dos pagãos” de onde não podia “vir nada de bom”. Não consta que tivesse uma significativa preparação intelectual, extraordinários conhecimentos teológicos, ou amigos poderosos nos círculos de poder e de influência da Palestina de então… Apesar disso, foi escolhida por Deus para desempenhar um papel primordial na etapa mais significativa na história da salvação. A história vocacional de Maria deixa claro que, na perspectiva de Deus, não são o poder, a riqueza, a importância ou a visibilidade social que determinam a capacidade para levar a cabo uma missão. Deus age através de homens e mulheres, independentemente das suas qualidades humanas. O que é decisivo é a disponibilidade e o amor com que se acolhem e testemunham as propostas de Deus.

03 - Diante dos apelos de Deus ao compromisso, qual deve ser a resposta do homem? É aí que somos colocados diante do exemplo de Maria… Confrontada com os planos de Deus, Maria responde com um “SIM” total e incondicional. Naturalmente, ela tinha o seu programa de vida e os seus projetos pessoais; mas, diante do apelo de Deus, esses projetos pessoais passaram naturalmente e sem dramas a um plano secundário. Na atitude de Maria não há qualquer sinal de egoísmo, de comodismo, de orgulho, mas há uma entrega total nas mãos de Deus e um acolhimento radical dos caminhos de Deus. O testemunho de Maria é um testemunho questionante, que nos interpela fortemente… Que atitude assumimos diante dos projetos de Deus: acolhemo-los sem reservas, com amor e disponibilidade, numa atitude de entrega total a Deus, ou assumimos uma atitude egoísta de defesa intransigente dos nossos projetos pessoais e dos nossos interesses egoístas?

04 - É possível alguém entregar-se tão cegamente a Deus, sem reservas, sem medir os prós e os contras? Como é que se chega a esta confiança incondicional em Deus e nos seus projetos? Naturalmente, não se chega a esta confiança cega em Deus e nos seus planos sem uma vida de diálogo, de comunhão, de intimidade com Deus. Maria de Nazaré foi, certamente, uma mulher para quem Deus ocupava o primeiro lugar e era a prioridade fundamental. Maria de Nazaré foi, certamente, uma pessoa de oração e de fé, que fez a experiência do encontro com Deus e aprendeu a confiar totalmente n’Ele. No meio da agitação de todos os dias, encontro tempo e disponibilidade para ouvir Deus, para viver em comunhão com Ele, para tentar perceber os seus sinais nas indicações que Ele me dá dia a dia?


VOLTAR


Comentário
DE EVA A MARIA


A primeira leitura e o Evangelho desta festa fazem uma correlação de Maria com Adão e Eva, nossos primeiros pais, o símbolo primeiro da humanidade. Neles se vê como somos capazes de evitar a responsabilidade. Queremos ser livres, mas não queremos prestar contas do que fazemos. É como se preferíssemos viver toda a vida como crianças ou adolescentes imaturos. Quando no relato do Gênese Deus pergunta a Adão e Eva o que aconteceu, a resposta dos dois é muito parecida. Os dois jogam a culpa um no outro. “NÃO SABIAM O QUE FAZIAM”, “foi a mulher que me deu por companheira” (e assim, muito finamente, Adão culpa o próprio Deus pelo acontecido), “foi a serpente”. Trata-se de se livrar da culpa. E com a culpa vai-se a responsabilidade também. E, de passagem, a liberdade. Porque a liberdade é nada sem responsabilidade.

A atitude de Maria no Evangelho de Lucas é muito diferente. Ante a saudação do anjo, Maria sente-se perturbada. Mas isso não a leva a dizer que possivelmente o anjo estava buscando outra pessoa e que ela não era a escolhida. Maria escuta, assume o desafio que a presença do anjo apresenta e responde (responder tem muito que ver com “RESPONSABILIDADE” e, por tanto, com “LIBERDADE”) afirmativamente à sua proposta. No momento do “SIM” não está plenamente consciente das consequências que comportará no futuro sua resposta, mas o resto do Evangelho nos mostra uma mulher que sabe estar nos momentos mais fundamentais da vida de seu filho, que escuta sua palavra e a guarda no coração, que lhe acompanha até no momento da cruz e que, mais tarde, aparece, como uma mais, no meio da comunidade cristã. Todo um exemplo de maturidade, de responsabilidade, e, por tanto, de liberdade.

Maria, ao responder positivamente ao anúncio do anjo, rompe uma tendência que ainda está presente no coração de muitos de nós: A DE JOGAR A CULPA NO OUTRO, A DE NÃO QUERER ASSUMIR A RESPONSABILIDADE QUE ESTÁ INSEPARAVELMENTE UNIDA AO IMENSO DOM QUE É A LIBERDADE. Ao renunciar à responsabilidade, renunciamos também à liberdade. E ficamos reduzidos a perpétuas crianças.

Maria representa a nova humanidade, feita de homens e mulheres livres e responsáveis, conscientes de que Deus pôs este mundo em nossas mãos e que temos que cuidar dele e o melhorar, compartilhar com nossos irmãos e irmãs. Maria é, assim, FONTE DE ESPERANÇA. É possível uma humanidade nova, é possível um mundo diferente, se acolhemos como ela o fez, o anúncio do Reino em nossos corações, se assumirmos nossa liberdade com responsabilidade e maturidade.

Como vivo minha liberdade? Significa que posso fazer o que me dá vontade sem que me importe com as consequências? Ou assumo de forma responsável as consequências de minhas decisões?


VOLTAR


FONTES DE REFERÊNCIA


Fernando Torres - Missionários Claretianos (Ciudad Redonda)
Liturgia Diária – CNBB
Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos)


 

: