Últimas
Santo Livro
Uma das canções do Pe. Zezinho leva o título de “Santo Livro
Torne-se um Dizimista
O dízimo é o reconhecimento de que tudo pertence a DEUS. Com o d
XXIV Domingo do Tempo Comum (Ano C)
A liturgia do XXIV Domingo do Tempo Comum centra a nossa reflexão
A Bíblia, a tradição e o magistério
“Ignorar as Escrituras é ignorar Cristo” (S. Jerônimo). O mê
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qui Out 10 @12:00AM
Aniversário do Padre Caleffi

XXIII Domingo do Tempo Comum (Ano C)

A liturgia deste domingo convida-nos a tomar consciência de quanto é exigente o caminho do “REINO”. Optar pelo “REINO” não é escolher um caminho de facilidade, mas sim aceitar percorrer um caminho de renúncia e de dom da vida.

É, sobretudo, o Evangelho que traça as coordenadas do “CAMINHO DO DISCÍPULO”: é um caminho em que o “REINO” deve ter a primazia sobre as pessoas que amamos, sobre os nossos bens, sobre os nossos próprios interesses e esquemas pessoais. Quem tomar contato com esta proposta tem de pensar seriamente se a quer acolher, se tem forças para a acolher… Jesus não admite meios-termos: ou se aceita o “REINO” e se embarca nessa aventura a tempo inteiro e “a fundo perdido”, ou não vale a pena começar algo que não vai levar a lado nenhum.

A primeira leitura lembra a todos aqueles que não conseguem decidir-se pelo “REINO” que só em Deus é possível encontrar a verdadeira felicidade e o sentido da vida. Há, portanto, aí, um encorajamento implícito a aderir ao “REINO”: embora exigente, é um caminho que leva à felicidade plena.

A segunda leitura recorda que o amor é o valor fundamental, para todos os que aceitam a dinâmica do “REINO”; só ele permite descobrir a igualdade de todos os homens, filhos do mesmo Pai e irmãos em Cristo. Aceitar viver na lógica do “REINO” é reconhecer em cada homem um irmão e agir em consequência.


 


Primeira Leitura
Salmo Responsorial
Segunda Leitura
Evangelho
Comentário
Referencias


Primeira Leitura
QUEM PODE CONHECER OS DESÍGNIOS DO SENHOR?
Leitura do Livro da Sabedoria (9,13-18)


13Qual é o homem que pode conhecer os desígnios de Deus?
Ou quem pode imaginar o desígnio do Senhor?
14Na verdade, os pensamentos dos mortais são tímidos
e nossas reflexões incertas:
15porque o corpo corruptível torna pesada a alma
e, tenda de argila, oprime a mente que pensa.
16Mal podemos conhecer o que há na terra,
e com muito custo compreendemos
o que está ao alcance de nossas mãos;
quem, portanto, investigará o que há nos céus?
17Acaso alguém teria conhecido o teu desígnio,
sem que lhe desses Sabedoria
e do alto lhe enviasses teu santo espírito?
18Só assim se tornaram retos
os caminhos dos que estão na terra,
e os homens aprenderam o que te agrada,
e pela Sabedoria foram salvos'.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da primeira leitura


01 -  Face ao contínuo cruzamento de perspectivas, de desafios, de teorias, ficamos confusos e sem saber, tantas vezes, como escolher. Por outro lado, as nossas escolhas acabam, tantas vezes, por ser condicionadas pela “mídia”, pelo politicamente correto, pela ideologia dominante, pela moda, pelos valores que as telenovelas impõem, pelas idéias das pessoas que nos rodeiam, pela filosofia da empresa que nos paga ao fim do mês… Será que esses caminhos que nos são mais ou menos impostos nos conduzem no sentido da vida plena, da realização total, da felicidade?

02 - Para os crentes, o critério que serve para julgar a validade ou a não validade dessas propostas é o Evangelho – embora, muitas vezes, ele se apresente em absoluta contradição com os valores que a sociedade propõe e impõe. O que é que vale mais, quando tenho de decidir: os valores do Evangelho, ou as propostas dessa máquina trituradora, impositiva, limitadora das escolhas individuais que é a opinião pública?


voltar


Salmo Responsorial
VÓS FOSTES, Ó SENHOR, UM REFÚGIO PARA NÓS.
Sl 89,3-4.5-6.12-13.14 17 (R.1)


3Vós fazeis voltar ao pó todo mortal,*
quando dizeis: 'Voltai ao pó, filhos de Adão!'
4Pois mil anos para vós são como ontem,*
qual vigília de uma noite que passou. 

VÓS FOSTES, Ó SENHOR, UM REFÚGIO PARA NÓS.

5Eles passam como o sono da manhã,*
6são iguais à erva verde pelos campos:
De manhã ela floresce vicejante,*
mas à tarde é cortada e logo seca.

 VÓS FOSTES, Ó SENHOR, UM REFÚGIO PARA NÓS.

12Ensinai-nos a contar os nossos dias,*
e dai ao nosso coração sabedoria!
13Senhor, voltai-vos! Até quando tardareis? 
Tende piedade e compaixão de vossos servos! 

VÓS FOSTES, Ó SENHOR, UM REFÚGIO PARA NÓS.

14Saciai-nos de manhã com vosso amor,*
e exultaremos de alegria todo o dia!
17Que a bondade do Senhor e nosso Deus
repouse sobre nós e nos conduza!*
Tornai fecundo, ó Senhor, nosso trabalho. 

VÓS FOSTES, Ó SENHOR, UM REFÚGIO PARA NÓS.


voltar


Segunda Leitura
RECEBE-O, NÃO MAIS COMO ESCRAVO
MAS COMO UM IRMÃO QUERIDO.

Leitura da Carta de São Paulo a Filêmon (9b-10.12-17)


Caríssimo:
9bEu, Paulo, velho como estou
e agora também prisioneiro de Cristo Jesus,
10faço-te um pedido em favor do meu filho
que fiz nascer para Cristo na prisão, Onésimo.
12Eu o estou mandando de volta para ti.
Ele é como se fosse o meu próprio coração.
13Gostaria de tê-lo comigo,
a fim de que fosse teu representante para cuidar de mim
nesta prisão, que eu devo ao evangelho.
14Mas, eu não quis fazer nada sem o teu parecer,
para que a tua bondade não seja forçada,
mas espontânea.
15Se ele te foi retirado por algum tempo,
talvez seja para que o tenhas de volta para sempre,
16já não como escravo,
mas, muito mais do que isso, como um irmão querido,
muitíssimo querido para mim
quanto mais ele o fôr para ti,
tanto como pessoa humana quanto como irmão no Senhor.
17Assim, se estás em comunhão de fé comigo,
recebe-o como se fosse a mim mesmo.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da segunda leitura


01 - O AMOR – elemento que está no centro da experiência cristã – exige ao cristão o reconhecimento efetivo da igualdade de todas as pessoas, apesar das diferenças de cor da pele, de estatuto social, de sexo, de opções políticas. O meu comportamento para com aqueles que comigo se cruzam é sempre consequente com esta exigência? A cor da pele alguma vez me levou a discriminar alguém? O fato de uma pessoa ser pobre ou rica já alguma vez me levou a tratá-la com mais ou menos consideração? O fato de uma pessoa ser homem ou mulher já alguma vez me levou a dar-lhe mais ou menos importância ou dignidade?

02 - O AMOR – elemento que está no centro da experiência cristã – exige que as nossas comunidades sejam espaços de comunhão, de fraternidade, de acolhimento, sejam quais forem os defeitos dos irmãos. As nossas comunidades têm facilidade em acolher? Como são tratados os “diferentes” ou, então, aqueles que se afastaram ou que cometeram alguma falta? Os acolhemos com amor, ou os marcamos para toda a vida com o estigma da suspeita e da desconfiança?


voltar


Evangelho
QUALQUER UM DE VÓS, SE NÃO RENUNCIAR A TUDO
O QUE TEM, NÃO PODE SER MEU DISCÍPULO!
Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas (14,25-33)


Naquele tempo:
25Grandes multidões acompanhavam Jesus.
Voltando-se, ele lhes disse:
26'Se alguém vem a mim, mas não se desapega
de seu pai e sua mãe, sua mulher e seus filhos,
seus irmãos e suas irmãs e até da sua própria vida,
não pode ser meu discípulo.
27Quem não carrega sua cruz e não caminha atrás de mim,
não pode ser meu discípulo.
28Com efeito: qual de vós, querendo construir uma torre,
não se senta primeiro e calcula os gastos,
para ver se tem o suficiente para terminar?
Caso contrário,
29ele vai lançar o alicerce e não será capaz de acabar.
E todos os que virem isso começarão a caçoar, dizendo:
30'Este homem começou a construir
e não foi capaz de acabar!'
31Ou ainda:
Qual o rei que ao sair para guerrear com outro,
não se senta primeiro e examina bem
se com dez mil homens poderá enfrentar o outro
que marcha contra ele com vinte mil?
32Se ele vê que não pode,
enquanto o outro rei ainda está longe,
envia mensageiros para negociar as condições de paz.
33Do mesmo modo, portanto, qualquer um de vós,
se não renunciar a tudo o que tem,
não pode ser meu discípulo!'
Palavra da Salvação.


Referencias para reflexão do Evangelho


01 - Jesus não é um demagogo que faz promessas fáceis e cuja preocupação é juntar adeptos ou atrair multidões a qualquer preço. Ele é o Deus que veio ao nosso encontro com uma proposta de salvação, de vida plena; no entanto, essa proposta implica uma adesão séria, exigente, radical, sem “paninhos quentes”. O caminho que Jesus propõe não é um caminho de “massas”, mas um caminho de “discípulos”: implica uma adesão incondicional ao “REINO”, à sua dinâmica, à sua lógica; e isso não é para todos, mas apenas para os discípulos que fazem séria e conscientemente essa opção. O projeto de Jesus é, para mim, uma opção radical, que eu abracei com convicção e a tempo inteiro ou um projeto em que eu vou estando, sem grande esforço ou compromisso, por inércia, por comodismo, por tradição?

02 - Dentro do quadro de exigências que Jesus apresenta aos discípulos, sobressai a exigência de preferir Jesus à própria família. Isso não significa, evidentemente, que devamos rejeitar os laços que nos unem àqueles que amamos… No entanto, significa que os laços aditivos, por mais sagrados que sejam, não devem afastar-nos dos valores do “REINO”. As pessoas têm mais importância para mim do que o “REINO”? Já me aconteceu renunciar aos valores do “REINO” por causa de alguém?

03 - Outra exigência que Jesus faz aos discípulos é a renúncia à própria vida e o tomar a cruz do amor, do serviço, do dom da vida. O que é mais importante para mim: os meus interesses, os meus valores egoístas, ou o serviço dos irmãos e o dom da vida?

04 - Uma terceira exigência de Jesus pede aos candidatos a discípulos a renúncia aos bens. Os bens, a procura da riqueza é, para mim, uma prioridade fundamental? O que é mais importante: a partilha, a solidariedade, a fraternidade, o amor aos outros, ou o ter mais, o juntar mais?


voltar


Comentário
PERDER TUDO... PARA GANHAR A ESPERANÇA


Quando Alexandre Magno deixou Grécia e partiu para conquista da Ásia doou a seus amigos todo seu patrimônio pessoal; não o do estado. Um de seus amigos, Perdicca, lhe perguntou se tinha conservado algo para si mesmo. Alexandre respondeu-lhe: "SIM, A ESPERANÇA". Então Perdicca renunciou a sua parte e disse-lhe: "A nós, que iremos lutar contigo, a teu lado, nos deixa compartilhar a ESPERANÇA”.

Visão de futuro

Neste caso, Alexandre Magno nos serve como ícone vivente de Jesus. Jesus veio até nós. Despojou-se de tudo. Entregou sua vida, seu corpo, sua alma. Não reservou nada para si mesmo. Unicamente a esperança, o tesouro do REINO que ia chegar e que Ele inauguraria.

Ante o futuro que nos é dado, como vale tão pouco nossas idéias, nossos sistemas, a vida que nos construímos? Só a ESPERANÇA! Essa é a força que nos dirige para o futuro, que nos indica que algo importante está incubando. Que é isso que devemos perseguir, assumindo qualquer risco.

As grandes pessoas tiveram sempre uma visão do futuro e não se deixaram se amedrontar pelas dificuldades. Souberam investir tudo para ganhar o futuro. Ser cristão é isso: APOSTAR NA ESPERANÇA, COMPARTILHAR A ESPERANÇA DE JESUS, ALIAR-SE COM O FUTURO E NÃO CULTIVAR AS FRUSTRAÇÕES DO PASSADO.

A mais surpreendente aliança

"Deixará o homem a seu pai e a sua mãe e unir-se-á a sua mulher e serão uma só carne", dizia o Deus no Gênesis. Jesus atreve-se agora a dizer às pessoas que o seguem: que seu discípulo/discípula deverá deixar a seu pai e a sua mãe, a sua mulher e a seus filhos, a seus irmãos e irmãs, a sua própria vida e se unir a Ele e formará com Ele um só ser. Paulo reconheceu isto dizendo: "NÃO SOU EU QUEM VIVE, SENÃO CRISTO É QUEM VIVE EM MIM”.

O paralelismo entre estes dois textos dá-nos a chave do entendimento. Quem casa-se não tem de menosprezar por isso o seu pai e a sua mãe. Da mesma forma quem segue Jesus não tem de menosprezar o seu pai, a mãe, a sua mulher... Jesus diz unicamente que seu discípulo ou discípula fica para sempre vinculado a Ele em ALIANÇA ETERNA.

Essa Aliança de fé e amor deve ser mantida dia após dia, para sempre. A Aliança de amor com Jesus não “esfria” o coração. Não o priva de seus afetos. Mais, o acende. JESUS VEIO TRAZER FOGO. Quem quer entrar na vida tem de honrar pai e mãe, tem de amar a seus irmãos. Na Aliança com Jesus um descobre em si uma fonte de amor surpreendente que salta até a vida eterna e se derrama sobre todos os seres queridos. A Aliança com Jesus não nos faz afastados, nos faz mais próximos.

A Aliança com Jesus é tão apaixonante que não admite “sombras”, acende todo o ser. É como encontrar um tesouro ante o qual tudo o que se tinha como riqueza, perde o sentido.

Quem se encontra com Jesus, com o verdadeiro Jesus, modifica totalmente sua vida e altera totalmente a sua escala de valores. Renuncia a “seus” bens, porque encontrou o Bem que torna tudo bom.

O caminho para obter Sabedoria

A sabedoria de quem deixa tudo para ganhar tudo. A sabedoria aconselha, no entanto, ser humildes de espírito: Quem pode conhecer os desígnios de Deus? Quem pode acertar com o que Deus quer? Toda reflexão humana sobre o divino é titubeante, insegura.

Deixar tudo para seguir Jesus, implica deixar nosso mundo ideológico, às vezes tão petulante, que dá a impressão de saber tudo. A verdadeira sabedoria convida-nos a ser humildes, a sentir a surpresa do mistério insondável de Deus. E pedir ao céu a sabedoria que ensina tudo, mas que só é concedida aos humildes e simples. Quem renúncia ao conhecimento arrogante, será conquistado pela sabedoria de Deus. O seguidor de Jesus converte-se então em seguidor da Sabedoria.

Quem segue Jesus não perde seu mundo emocional

Não estamos acostumados a receber confidencias dos que nos governam. Quase sempre nos guiam com a verdade: com idéias, com argumentos; muito poucas vezes ou quase nunca põem sobre a mesa seu coração, seus sentimentos.

Os Pais da Igreja, ao menos alguns deles, puseram em seus escritos muita emoção. Hoje temos um exemplo evidente: a carta do apóstolo Paulo a Filêmon.

Alguém talvez pudesse pensar que esta carta não teria que ter sido integrada ao grupo dos livros canônicos do novo testamento. E, no entanto, é um texto revelado, inspirado! O Espírito demonstra-nos através dele que a linguagem da emoção manifesta o Mistério de Deus. Fixemo-nos nas palavras e expressões que Paulo emprega: "APELO A TEU AMOR", "ELE É COMO SE FOSSE O MEU PRÓPRIO CORAÇÃO, "COMO UM IRMÃO QUERIDO".

Paulo era um homem que amava apaixonadamente. Não tinha receio em manifestar seus sentimentos, suas emoções, sua paixão. É assim como se dirige à Igreja de Deus: com o coração, com o amor apaixonado, superando o império da lei.


voltar


FONTES DE REFERÊNCIA


Jose Cristo Rey Garcia Paredes - Missionários Claretianos (Ciudad Redonda)
Liturgia Diária – CNBB
Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos)

 

: