Últimas
Este é o Cordeiro de Deus...
Na Quinta-feira Santa, Jesus Cristo nos deixou instituído o "sacra
Solenidade da Santíssima Trindade (Ano  C)
A Solenidade que hoje celebramos não é um convite a decifrar a mi
13 de junho - Santo Antonio
Santo Antônio de Lisboa e de Pádua, confunde-se com o milagre.
Domingo de Pentecostes (Ano C)
O tema deste domingo é, evidentemente, o ESPÍRITO SANTO. Dom de D
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qui Jun 20 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Jun 20 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Jun 27 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Jun 27 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Jul 04 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia

Solenidade da Epifania do Senhor (Ano C)

A liturgia deste domingo leva-nos à manifestação de Jesus como “a Luz” que atrai todos os povos da terra. Essa “Luz” encarou na nossa história, a fim de iluminar os caminhos dos homens com uma proposta de salvação/libertação.

A primeira leitura anuncia a chegada da Luz Salvadora de Jahwéh, que alegrará Jerusalém e que atrairá à cidade de Deus povos de todo o mundo.

No Evangelho, vemos a concretização dessa promessa: ao encontro de Jesus vêm os“Magos”, atentos aos sinais da chegada do Messias, que O aceitam como “salvação de Deus” e O adoram. A salvação, rejeitada pelos habitantes de Jerusalém, torna-se agora uma oferta universal.

A segunda leitura apresenta o projeto salvador de Deus como uma realidade que vai atingir toda a humanidade, juntando judeus e pagãos numa mesma comunidade de irmãos – a comunidade de Jesus.


 


Primeira Leitura 
Salmo Resposorial 
Segunda Leitura 
Evangelho 
Reflexão 
Referencias


Primeira Leitura
LEVANTA-TE, ACENDE AS LUZES, JERUSALÉM,
PORQUE CHEGOU A TUA LUZ. 
Leitura Livro do Profeta Isaías (60,1-6)

1Levanta-te, acende as luzes, Jerusalém, porque chegou
a tua luz, apareceu sobre ti a glória do Senhor.
2Eis que está a terra envolvida em trevas,
e nuvens escuras cobrem os povos;
mas sobre ti apareceu o Senhor,
e sua glória já se manifesta sobre ti.
3Os povos caminham à tua luz
e os reis ao clarão de tua aurora.
4Levanta os olhos ao redor e vê:
todos se reuniram e vieram a ti;
teus filhos vêm chegando de longe
com tuas filhas, carregadas nos braços.
5Ao vê-los, ficarás radiante,
com o coração vibrando e batendo forte,
pois com eles virão as riquezas de além-mar
e mostrarão o poderio de suas nações;
6será uma inundação de camelos
e dromedários de Madiã e Efa a te cobrir;
virão todos os de Sabá, trazendo ouro e incenso
e proclamando a glória do Senhor.
Palavra do Senhor


Referências para reflexão da Primeira Leitura


A reflexão pode ser realizada de acordo com as seguintes sugestões:

01 - Outra vez se manifesta na caminhada do Povo de Deus a presença salvadora e libertadora de Deus, que não abandona o seu Povo. Esta “FIDELIDADE” de Deus aos seus compromissos aquece-nos o coração e dá-nos a garantia de um Deus que não desiste, nunca, de nos proporcionar a salvação, a vida plena.

02 - É preciso, sem dúvida, ligar a chegada da “LUZ” salvadora de Deus a Jerusalém com o nascimento de Jesus. O projeto de libertação que Jesus vem apresentar aos homens será a LUZ que vence as trevas e que dará um novo rosto ao mundo. Mais uma vez é preciso perguntar: essa luz libertadora chega, de fato, aos homens através do nosso testemunho?

 03 - Na catequese cristã dos primeiros tempos, esta Jerusalém nova, que já “não necessita de sol nem de lua para iluminá-la, porque é iluminada pela glória de Deus, é a Igreja – a comunidade dos que aderiram a Jesus e acolheram a luz salvadora que Ele veio trazer (cf. Apocalipse 21,10-14.23-25). Será que nas nossas comunidades brilha a luz libertadora de Jesus? As nossas desavenças e conflitos, a nossa falta de amor, os ciúmes e rivalidades, não contribuirão para empanar o brilho dessa luz de Deus que devíamos refletir?04 - Será que na nossa Igreja há espaço para todos aqueles que buscam a luz libertadora de Deus? As diferenças, próprias da diversidade de culturas, são vistas como uma riqueza que importa preservar, ou como uma ameaça à uniformidade?


início


Salmo Responsorial
AS NAÇÕES DE TODA A TERRA,
HÃO DE ADORAR-VOS Ó SENHOR!.
Sl 71, 1-2.7-8.10-11.12-13 (R. Cf.11)


As nações de toda a terra, hão de adorar-vos ó Senhor!

]Dai ao Rei vossos poderes, Senhor Deus,
vossa justiça ao descendente da realeza!
Com justiça ele governe o vosso povo,
com equidade ele julgue os vossos pobres.

As nações de toda a terra, hão de adorar-vos ó Senhor!

Nos seus dias a justiça florirá
e grande paz, até que a lua perca o brilho!
De mar a mar estenderá o seu domínio,
e desde o rio até os confins de toda a terra!        

As nações de toda a terra, hão de adorar-vos ó Senhor!     

Os reis de Társis e das ilhas hão de vir
e oferecer-lhes seus presentes e seus dons;
e também os reis de Seba e de Sabá
hão de trazer-lhe oferendas e tributos.
Os reis de toda a terra hão de adorá-lo,
e todas as nações hão de servi-lo.]

As nações de toda a terra, hão de adorar-vos ó Senhor!

]Libertará o indigente que suplica,
e o pobre ao qual ninguém quer ajudar.
Terá pena do indigente e do infeliz,
e a vida dos humildes salvará.

As nações de toda a terra, hão de adorar-vos ó Senhor!


Início


Segunda Leitura

POR UMA REVELAÇÃO, FOI-ME DADO
A CONHECER O MISTÉRIO DE CRISTO.

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios (3,2-3a.5-6)


Irmãos:

2Se ao menos soubésseis da graça que Deus me concedeu
para realizar o seu plano a vosso respeito,
3ae como, por revelação, tive conhecimento do mistério.
5Este mistério, Deus não o fez conhecer
aos homens das gerações passadas
mas acaba de o revelar agora, pelo Espírito,
aos seus santos apóstolos e profetas:
6os pagãos são admitidos à mesma herança,
são membros do corpo,
são associados à mesma promessa em Jesus Cristo,
por meio do Evangelho.
Palavra do Senhor


Referencias para reflexão da Segunda Leitura


A reflexão sobre o texto da segunda leitura pode tocar os seguintes pontos:

01 - A presença salvadora de Deus no meio do seu Povo, já enunciada na primeira leitura, tem aqui novos desenvolvimentos. A primeira novidade é que Cristo é a revelação e a realização plena desse projeto. A segunda novidade é que esse projeto não se destina apenas “a Jerusalém” (ao mundo judaico), mas é para todos os povos, sem exceção.

02 - A Igreja é o “CORPO DE CRISTO”, isto é, a comunidade daqueles que acolheram “o mistério”. Nela, judeus e pagãos – beneficiários todos do projeto salvador de Deus – têm lugar, em igualdade de circunstâncias. Temos, verdadeiramente, consciência de que é nesta comunidade de crentes que se revela hoje ao mundo o projeto salvador de Deus? E as nossas comunidades são verdadeiras comunidades fraternas, onde todos se amam sem distinção de raça, cor ou estatuto social? As diferenças legítimas são um complemento da nossa riqueza comum, ou razões para manifestarmos indiferença e afastamento face aos irmãos?

03 -  Esta igualdade fundamental de todos os homens implica sentirmo-nos responsáveis por todos aqueles que partilham conosco o mundo. Sentimo-nos responsáveis pela sorte dos nossos irmãos, mesmo por aqueles que estão separados de nós pela geografia, pela diversidade de culturas e de raças?


Início


Evangelho     
ONDE ESTÁ O REI DOS JUDEUS, QUE ACABA DE NASCER?
Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus (2,1-12)


1Tendo nascido Jesus na cidade de Belém, na Judéia,

no tempo do rei Herodes,
eis que alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém,
2perguntando:
'Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer?
Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo.'
3Ao saber disso, o rei Herodes ficou perturbado
assim como toda a cidade de Jerusalém.
4Reunindo todos os sumos sacerdotes e os mestres da Lei,
perguntava-lhes onde o Messias deveria nascer.
5Eles responderam: 'Em Belém, na Judéia,
pois assim foi escrito pelo profeta:
6E tu, Belém, terra de Judá, de modo algum
és a menor entre as principais cidades de Judá,
porque de ti sairá um chefe
que vai ser o pastor de Israel, o meu povo.'
7Então Herodes chamou em segredo os magos
e procurou saber deles cuidadosamente
quando a estrela tinha aparecido.
8Depois os enviou a Belém, dizendo: 'Ide e procurai
obter informações exatas sobre o menino.
E, quando o encontrardes, avisai-me,
para que também eu vá adorá-lo.'
9Depois que ouviram o rei, eles partiram.
E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante
deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino.
10Ao verem de novo a estrela,
os magos sentiram uma alegria muito grande.
11Quando entraram na casa,
viram o menino com Maria, sua mãe.
Ajoelharam-se diante dele, e o adoraram.
Depois abriram seus cofres
e lhe ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra.
12Avisados em sonho para não voltarem a Herodes,
retornaram para a sua terra, seguindo outro caminho.
Palavra da Salvação


Referencias para reflexão do Evangelho


Elementos para a reflexão e a atualização da Palavra:

01 -Em primeiro lugar, meditemos nas atitudes das várias personagens que Mateus nos apresenta em confronto com Jesus: os “Magos”, Herodes, os príncipes dos sacerdotes e os escribas do povo…Diante de Jesus, eles assumem atitudes diversas que vão desde a adoração (os “Magos”) até à rejeição total (Herodes), passando pela indiferença (os sacerdotes e os escribas: nenhum deles se preocupou em ir ao encontro desse Messias que eles conheciam bem das Escrituras). Identificamo-nos com algum destes grupos? Não é fácil “conhecer as Escrituras”, como profissionais da religião e, depois, deixar que as propostas e os valores de Jesus nos passem ao lado?

02 -Os “Magos” são apresentados como os “homens dos sinais”, que sabem ver na “estrela” o sinal da chegada da libertação. Somos pessoas atentas aos “sinais” - isto é, somos capazes de ler os acontecimentos da nossa vida e da história do mundo à luz de Deus? Procuramos perceber nos “sinais” a vontade de Deus?

03 -Impressiona também, no relato de Mateus, a “desinstalação” dos “Magos”: viram a “estreia”, deixaram tudo, arriscaram tudo e vieram procurar Jesus. Somos capazes da mesma atitude de desinstalação, ou estamos demasiado agarrados ao nosso sofá, ao nosso colchão, à nossa televisão, à nossa internet? Somos capazes de deixar tudo para responder aos apelos que Jesus faz através dos irmãos?

04 -Os “Magos” representam os homens de todo o mundo que vão ao encontro de Cristo e que se prostram diante d’Ele. É a imagem da Igreja, essa família de irmãos, constituída por gente de muitas cores e raças, que aderem a Jesus e que O reconhecem como “O SENHOR”.


Início


Reflexão
ENTRE O TRIUNFO E A TRAIÇÃO


EPIFANIA” significa manifestação. Refere-se à manifestação de uma glória que estava oculta. Hoje é a festa da Epifanía porque celebramos a manifestação do Salvador a toda a humanidade. A festa de hoje é a culminação do Natal. A criança nascida em um estábulo e colocada em uma manjedoura, em um presépio é reconhecida como o Salvador, o Messias esperado, em primeiro lugar pelos pastores. Foram os primeiros que se aproximaram para adora-lo. Os pastores representam ao povo de Israel. Eles “glorificaram e louvaram a Deus” por ter visto à criança. Hoje são os magos de Oriente os que se aproximam para visitar a criança. Provêm de terras longínquas. fizeram uma longa viagem guiados por uma estrela. Querem adorar ao rei dos judeus que, dizem, acaba de nascer.

A tradição pôs nomes a estes magos: Melchior, Gaspar eBaltasar. Além disso, fez-lhes pertencer às três raças principais da terra: branco, amarelo e negro. Transformou-os de magos em reis. E assim a tradição interpretou perfeitamente, e adornou a intenção do evangelista. De uma forma tão plástica e tão clara, nos diz que os magos eram os representantes de todos os povos e raças da terra que chegaram a Belém para adorar não só ao rei dos judeus senão ao que reconheciam como rei e senhor de toda a humanidade. Os presentes que lhe levaram: ouro, incenso e mirra, são amostras desse reconhecimento. São presentes próprios de um rei, que em nenhum caso se faziam a outra pessoa.

Porém nesta grande cerimônia de reconhecimento do salvador por todos os povos da terra há um dado importante a se ter em conta. O Salvador de todos os povos, o que é adorado como rei, é apenas uma criança que está em um estábulo deitado em uma manjedoura em um presépio. Não é um rei ao estilo dos demais reis. É muito diferente. Deverá estar atento, quando crescer, como vai ser seu reinado.

Além disso, também um dado importante, neste momento de epifania, de manifestação ante todos os povos do salvador, já está presente a traição. Herodes teme que o novo rei lhe vá tirar seu poder. Apesar de ser uma criança indefesa, Herodes sente-se ameaçado. Já está aqui presente o gérmen da traição que levará a Jesus à cruz.

Também nós reconhecemos em Jesus o salvador de nossas vidas, o que nos devolve a esperança. Com os magos adoramos e confessamos  como nosso Salvador.


 Para a reflexão


Hoje é dia de alegria, de celebrar em família nossa fé em Jesus. Seria bom que em algum momento do dia nos reuníssemos em família e fizéssemos uma breve adoração ao Jesus recém-nascido. 


 

Início

 

FONTES DE REFERÊNCIA


Missionários Claretianos - Fernando Torres, cmf
Liturgia Diária – CNBB
Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos)

: