Últimas
Orações para a Segunda Semana do Advento
Domingo - Algumas vezes, Senhor, eu considero minha vida como uma v
II Domingo do Advento (Ano C)
Podemos situar o tema do II domingo do Advento à volta da missão
08 de dezembro - Imaculada Conceição
O dogma da Imaculada Conceição, proclamado a 8.12.1854 por Pio
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qua Dez 12 @ 8:00PM -
Terço dos Homens
Qui Dez 13 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Dez 13 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Dez 20 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Dez 20 @ 8:00PM -
Grupo de Oração

I Domingo de Advento (Ano C)

Neste I Domingo do Tempo do Advento, a Palavra de Deus apresenta-nos uma primeira abordagem à “vinda” do Senhor.
Na primeira leitura, pela boca do profeta Jeremias, o Deus da aliança anuncia que é fiel às suas promessas e vai enviar ao seu Povo um “rebento” da família de Davi. A sua missão será concretizar esse mundo sonhado de justiça e de paz: fecundidade, bem-estar, vida em abundância, serão os frutos da ação do Messias.
O Evangelho apresenta-nos Jesus, o Messias filho de Davi, para anunciar a todos os que se sentem prisioneiros: “alegrai-vos, a vossa libertação está próxima. O mundo velho ao qual estais presos vai cair e, em seu lugar, vai nascer um mundo novo, onde conhecereis a liberdade e a vida em plenitude. Estai atentos, a fim de acolherdes o Filho do Homem que vos traz o projeto desse mundo novo”. É preciso, no entanto, reconhecê-lo, saber identificar os seus apelos e ter a coragem de construir, com Ele, a justiça e a paz.
A segunda leitura convida-nos a não nos instalarmos na mediocridade e no comodismo, mas esperar numa atitude ativa para vinda do Senhor. É fundamental, nessa atitude, a vivência do amor: é ele o centro do nosso testemunho pessoal, comunitário, eclesial.


 


Primeira Leitura
Salmo Responsorial
Segunda Leitura
Evangelho
Comentário
Fontes de Referência


Primeira Leitura
O SENHOR É A NOSSA JUSTIÇA.
Leitura do Livro de Jeremias (33,14-16)


14'Eis que virão dias, diz o Senhor,
em que farei cumprir a promessa de bens futuros
para a casa de Israel e para a casa de Judá.
15Naqueles dias, naquele tempo,
farei brotar de Davi a semente da justiça,
que fará valer a lei e a justiça na terra.
16Naqueles dias, Judá será salvo
e Jerusalém terá uma população confiante;
este é o nome que servirá para designá-la:
'O Senhor é a nossa Justiça'.'
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da Primeira Leitura


A atualização desta mensagem profética pode fazer-se de acordo com as seguintes coordenadas:
01 - O ambiente em que estamos mergulhados potencializa, tantas vezes, o medo, a frustração, o negativismo, a insegurança, o pessimismo… É possível acreditar no Deus da “justiça”, fiel à “aliança”, comprometido com os homens e continuar a olhar para o mundo nessa perspectiva negativa, como se Deus tivesse abandonado os homens e já não presidisse à nossa história?

02 - No Novo Testamento, esta “justiça” é comunicada pelo “Messias” a todos os membros do povo eleito (cf. Rom 1,17; 1 Cor 1,30; 2 Cor 5,21; Flp 3,9). Sentimo-nos, verdadeiramente, membros do povo messiânico, construtores desse mundo de justiça, de paz, de felicidade para todos? Qual é a atitude que define o nosso empenho: o compromisso sério com a justiça e a paz, ou o comodismo de quem prefere demitir-se das suas responsabilidades e passar ao lado da vida?


início


Salmo Responsorial
SENHOR MEU DEUS, A VÓS ELEVO A MINHA ALMA!
Sl 24,4bc-5ab.8-9.1014 (R.1b)


Senhor meu Deus, a vós elevo a minha alma!
Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos,
e fazei-me conhecer a vossa estrada!
Vossa verdade me oriente e me conduza,
porque sois o Deus da minha salvação!
Senhor meu Deus, a vós elevo a minha alma!
O Senhor é piedade e retidão,
e reconduz ao bom caminho os pecadores.
Ele dirige os humildes na justiça,
e aos pobres ele ensina o seu caminho.
Senhor meu Deus, a vós elevo a minha alma!
Verdade e amor são os caminhos do Senhor
para quem guarda sua Aliança e seus preceitos.
O Senhor se torna íntimo aos que o temem
e lhes dá a conhecer sua Aliança.
Senhor meu Deus, a vós elevo a minha alma!


início


Segunda Leitura
APRENDESTES DE NÓS COMO DEVEIS
VIVER PARA AGRADAR A DEUS. 

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses (1Ts 3,12-4,2)


Irmãos:
3,12O Senhor vos conceda que o amor entre vós e para com
todos aumente e transborde sempre mais,
a exemplo do amor que temos por vós.
13Que assim ele confirme os vossos corações
numa santidade sem defeito aos olhos de Deus, nosso
Pai, no dia da vinda de nosso Senhor Jesus,
com todos os seus santos.
4,1Enfim, meus irmãos, eis o que vos pedimos
e exortamos no Senhor Jesus:
Aprendestes de nós como deveis viver para agradar a
Deus, e já estais vivendo assim.
Fazei progressos ainda maiores!
2Conheceis, de fato, as instruções
que temos dado em nome do Senhor Jesus.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da Segunda Leitura


A confrontação deste texto com a vida pode ter em conta os seguintes elementos:

01 - A caminhada cristã nunca é um processo acabado, mas uma construção permanente, que recomeça em cada novo instante da vida. O cristão não é aquele que é perfeito; mas é aquele que, em cada dia, sente que há um caminho novo a fazer e não se conforma com o que já fez, nem se instala na mediocridade. É nesta atitude que somos chamados a viver este tempo de espera do Messias.

02 - Uma dimensão fundamental da nossa experiência cristã é a caridade: só aprofundando cada vez mais podemos sentir-nos identificados com Aquele que partilhou a vida com todos nós, até à morte na cruz; só praticando, podemos fazer uma verdadeira experiência de Igreja e construir uma comunidade de irmãos; só a vivendo, podemos ser, para os homens que partilham conosco esta vasta casa que é o mundo, o rosto do Deus que ama.


início


Evangelho
ENTÃO ELES VERÃO O FILHO DO HOMEM,
VINDO NUMA NUVEM COM GRANDE PODER E GLÓRIA. 
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas (21,25-28,34-36)


Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos:
25Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas.
Na terra, as nações ficarão angustiadas,
com pavor do barulho do mar e das ondas.
26Os homens vão desmaiar de medo,
só em pensar no que vai acontecer ao mundo,
porque as forças do céu serão abaladas.
27Então eles verão o Filho do Homem,
vindo numa nuvem com grande poder e glória.
28Quando estas coisas começarem a acontecer,
levantai-vos e erguei a cabeça,
porque a vossa libertação está próxima.
34Tomai cuidado para que vossos corações
não fiquem insensíveis por causa da gula,
da embriaguez e das preocupações da vida,
e esse dia não caia de repente sobre vós;
35pois esse dia cairá como uma armadilha
sobre todos os habitantes de toda a terra.
36Portanto, ficai atentos e orai a todo momento,
a fim de terdes força
para escapar de tudo o que deve acontecer
e para ficardes em pé diante do Filho do Homem.
Palavra da Salvação.


Referencias para reflexão do Evangelho


A reflexão acerca do Evangelho de hoje pode tocar, entre outros, os seguintes pontos:
01 - A realidade da história humana está marcada pelas nossas limitações, pelo nosso egoísmo, pelo destruição do planeta, pela escravidão, pela guerra e pelo ódio, pela prepotência dos senhores do mundo… Quantos milhões de homens conhecem, dia a
dia, um quadro de miséria e de sofrimento que os torna escravos, roubando-lhes a vida e a dignidade… A Palavra de Deus que hoje nos é servida abre a porta à esperança e grita a todos os que vivem na escravidão: “alegrai-vos, pois a vossa libertação está próxima. Com a vinda próxima de Jesus, o projeto de salvação/libertação de Deus vai tornar-se uma realidade viva; o mundo velho vai converter-se numa nova realidade, de vida e de felicidade para todos”.

02 - No entanto, a salvação que transformará as nossas existências não é uma realidade que deva ser esperada de braços cruzados. É preciso “ESTAR ATENTO” a essa salvação que nos é oferecida como dom, e aceitá-la. Jesus vem; mas é necessário reconhecê-lo nos sinais da história, no rosto dos irmãos, nos apelos dos que sofrem e que buscam a libertação. É preciso, também, ter a vontade e a liberdade de acolher o dom de Jesus, deixar que Ele nos transforme o coração e Se faça vida nos nossos gestos e palavras.

03 - É preciso, ainda, ter presente, que este mundo novo, que está permanentemente a fazer-se e depende do nosso testemunho, nunca será uma realidade plena nesta terra, mas sim uma realidade escatológica, cuja plenitude só acontecerá depois de Cristo, o Senhor, haver destruído definitivamente o mal que nos torna escravos.


início


Comentário
DA ESPERA À ESPERANÇA 


Começa o Advento. É tempo de preparação para o Natal, quando celebraremos o nascimento de Jesus. Todos nós gostaríamos de transformar os nossos corações em um coração livre das preocupações e problemas, em um verdadeiro coração de criança. As quatro semanas de Advento são algo mais que um tempo de preparação para essa celebração. A espera do aniversário do nascimento de Jesus, situa-nos na mesma tensão em que viveu o mundo e a criação inteira ante o nascimento do Messias. Já passaram dois mil anos e é como se um calafrio percorresse o mundo. O Salvador esta prestes a chegar. Gostaríamos que da salvação prometida em Jesus se tivesse manifestado já em sua plenitude. E esta é precisamente a tensão em que vamos viver estas quatro semanas. A espera da celebração do nascimento se mistura com a esperança de que o Senhor Jesus venha definitivamente a nossos corações e ao nosso mundo.

As leituras que a liturgia nos oferece nestes domingos, especialmente as duas primeiras, visam encorajar essa esperança. Porque sabemos que vivemos no sim da fé, mas não em sua plena manifestação. Porque sabemos que cremos, mas que não somos capazes de realizar de maneira total essa fé que temos. Porque cremos que Jesus, quando ressuscitou, nos libertou da morte, mas ainda temos que passar por momentos amargos. E há muita dor e sofrimento neste mundo. Por tudo isso, desejamos fortemente que a palavra de Jesus seja cumprida, que seu reino venha a nós. "VENHA, SENHOR JESUS!", habite em nossos corações. Isso é viver em esperança.

A primeira leitura deste domingo e o Evangelho nos colocou nessa posição. O Senhor vem e com ele traz justiça. A paz será uma realidade para todos (primeira leitura). O eco dos anúncios apocalípticos que ouvimos alguns domingos atrás ainda ressoam no Evangelho, mas há uma nova mensagem que fecha o ciclo e dá sentido ao que foi dito naquelas mensagens: "QUANDO ESTAS COISAS COMEÇAREM A ACONTECER, LEVANTAI-VOS E ERGUEI A CABEÇA, PORQUE A VOSSA LIBERTAÇÃO ESTÁ PRÓXIMA.". Desta forma, a esperança superará o medo.

Porém, devemos ir à segunda leitura para encontrar a chave que nos diz como deve ser vivido este tempo de esperança. Paulo nos pede que transbordemos de amor mútuo. Essa será a forma como, quando chegar Jesus, nos encontrará santos e irrepreensíveis. Uma vez mais é o amor a caraterística que tem de encher a vida do cristão. Sua esperança tem de se manifestar em uma especial capacidade de amar aos que vivem próximos. Porque o quem espera a um Deus que é amor e reconciliação vive já sob a lei do amor e da reconciliação. Se não é assim, sua esperança não é autêntica.


Para a reflexão


Sinto como meus as dores e sofrimentos de meus irmãos e irmãs neste mundo? Como poderia me preparar para a celebração do nascimento de Jesus? Que sinais de esperança poderíamos oferecer em nossa comunidade ou paroquia?


início


 FONTES DE REFERÊNCIA


Ciudadredonda – Missionários Claretianos - Fernando Torres, cmf 
Liturgia Diária - CNBB  
Dehonianos


 

 

: