Últimas
Domingo de Pentecostes
O tema deste domingo é, evidentemente, o Espírito Santo. Dom de D
As razões da fé
Também os apóstolos tiveram longo caminho de fé. Ouvindo as pa
Pentecostes
Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mes
Ascensão do Senhor da Páscoa - Ano B
A Solenidade da Ascensão de Jesus que hoje celebramos sugere que,
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qui Mai 24 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Mai 24 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Mai 31 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Mai 31 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Jun 07 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia

VI Domingo da Páscoa - Ano B

A liturgia do VI Domingo da Páscoa convida-nos a contemplar o amor de Deus, manifestado na pessoa, nos gestos e nas palavras de Jesus e dia a dia tornado presente na vida dos homens por ação dos discípulos de Jesus.
A segunda leitura apresenta uma das mais profundas e completas definições de Deus: “Deus é amor”. A vinda de Jesus ao encontro dos homens e a sua morte na cruz revelam a grandeza do amor de Deus pelos homens. Ser “filho de Deus” e “conhecer a Deus” é deixar-se envolver por este dinamismo de amor e amar os irmãos.
No Evangelho, Jesus define as coordenadas do “caminho” que os seus discípulos devem percorrer, ao longo da sua marcha pela história… Eles são os “amigos” a quem Jesus revelou o amor do Pai; a sua missão é testemunhar o amor de Deus no meio dos homens. Através desse testemunho, concretiza-se o projeto salvador de Deus e nasce o Homem Novo.
A primeira leitura afirma que essa salvação oferecida por Deus através de Jesus Cristo, e levada ao mundo pelos discípulos, se destina a todos os homens e mulheres, sem exceção. Para Deus, o que é decisivo não é a pertença a uma raça ou a um determinado grupo social, mas sim a disponibilidade para acolher a oferta que Ele faz.


 


Primeira Leitura
Salmo Responsorial
Segunda Leitura
Evangelho
Comentário


Primeira Leitura
O DOM DO ESPÍRITO SANTO TAMBÉM
FOI DERRAMADO SOBRE OS PAGÃOS.

Leitura do Atos dos Apóstolos (10,25-26.34-35.44-48)


25Quando Pedro estava para entrar em casa,
Cornélio saiu-lhe ao encontro,
caiu a seus pés e se prostrou.
26Mas Pedro levantou-o, dizendo:
'Levanta-te. Eu, também, sou apenas um homem'.
34Então, Pedro tomou a palavra e disse:
'De fato, estou compreendendo
que Deus não faz distinção entre as pessoas.
35Pelo contrário, ele aceita quem o teme
e pratica a justiça,
qualquer que seja a nação a que pertença.
44Pedro estava ainda falando,
quando o Espírito Santo desceu
sobre todos os que ouviam a palavra.
45Os fiéis de origem judaica, que tinham vindo com Pedro,
ficaram admirados de que o dom do Espírito Santo
fosse derramado também sobre os pagãos.
46Pois eles os ouviam falar e louvar a grandeza de Deus
em línguas estranhas.
Então Pedro falou:
47'Podemos, por acaso, negar a água do batismo
a estas pessoas que receberam, como nós,
o Espírito Santo?'
48E mandou que fossem batizados em nome de Jesus Cristo.
Eles pediram, então,
que Pedro ficasse alguns dias com eles.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da Primeira Leitura


1 – A primeira leitura deste Domingo deixa claro que a salvação oferecida por Deus através de Jesus Cristo é um dom destinado a todos os homens e mulheres. Para Deus, o que é decisivo não é a pertença a uma raça ou a um determinado grupo social, mas sim a disponibilidade para acolher a oferta que Ele faz. A salvação só não chega àqueles que se fecham no orgulho e na autossuficiência, recusando os dons de Deus. O Batismo foi, para todos nós, o momento do nosso “SIM” a Deus e à salvação que Ele oferece; mas é preciso que, em cada instante, renovemos esse primeiro “SIM” e que vivamos numa permanente disponibilidade para acolher Deus, as suas propostas, os seus dons.

2 - Para nós, a ideia de que Deus não exclui ninguém da salvação e não faz acepção de pessoas parece um dado perfeitamente lógico e evidente. No entanto, a lógica universalista de Deus deve convidar-nos a refletir acerca da forma como, na prática, acolhemos os irmãos que caminham ao nosso lado… O Deus que ama todos os homens, sem exceção, convida-nos a acolher todos os irmãos - mesmo os “diferentes”, mesmo os incómodos – com bondade, com compreensão, com amor; o Deus que derrama sobre todos a sua salvação convida-nos a não discriminar “bons” e “maus”, “santos” e “pecadores” (frequentemente, os nossos juízos acerca da “bondade” ou da “maldade” dos outros falham redondamente); o Deus que convida cada homem e cada mulher a integrar a comunidade da salvação diz-nos que temos de acolher e amar todos, independentemente da sua raça, da cor da sua pele, da sua origem, da sua preparação cultural, do seu lugar na escala social. Não apenas em teoria, mas sobretudo nos nossos gestos concretos, somos chamados a anunciar esse mundo de Deus, sem exclusão, sem marginalização, sem intolerância, sem preconceitos.

3 - Quando Pedro chega à casa de Cornélio, este veio-lhe ao encontro e prostrou-se a seus pés… Mas Pedro disse-lhe imediatamente: “levanta-te, que eu também sou um simples homem” (vers. 25-26). A atitude humilde de Pedro faz-nos pensar como são ridículas e desprovidas de sentido certas tentativas de afirmação pessoal diante dos irmãos, certas poses de superioridade, a busca de privilégios e de honras, as lutas pelos primeiros lugares… Aqueles a quem, numa comunidade, foi confiada a responsabilidade de presidir, de coordenar, de organizar, de animar, devem sentir-se “simples homens”, humildes instrumentos de Deus. A sua missão é testemunhar Jesus e não procurar privilégios ou a adoração dos irmãos.


voltar


Salmo Responsorial
O SENHOR FEZ CONHECER A SALVAÇÃO E
REVELOU SUA JUSTIÇA ÀS NAÇÕES

Sl 97,1.2-3ab.3cd-4 (R. cf. 2b)


O Senhor fez conhecer a salvação e
revelou sua justiça às nações.

 1Cantai ao Senhor Deus um canto novo,
porque ele fez prodígios!
Sua mão e o seu braço forte e santo
alcançaram-lhe a vitória.

O Senhor fez conhecer a salvação e
revelou sua justiça às nações.
2O Senhor fez conhecer a salvação,
e às nações, sua justiça;
3arecordou o seu amor sempre fiel
3bpela casa de Israel.
O Senhor fez conhecer a salvação e
revelou sua justiça às nações.
3cOs confins do universo contemplaram
3da salvação do nosso Deus.
4Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira,
alegrai-vos e exultai!
O Senhor fez conhecer a salvação e
revelou sua justiça às nações.


voltar


Segunda Leitura
DEUS É AMOR.
Leitura da Carta aos de São João (4,7-10)


Caríssimos:
7Amemo-nos uns aos outros,
porque o amor vem de Deus
e todo aquele que ama
nasceu de Deus e conhece Deus.
8Quem não ama, não chegou a conhecer a Deus,
pois Deus é amor.
9Foi assim que o amor de Deus se manifestou entre nós:
Deus enviou o seu Filho único ao mundo,
para que tenhamos vida por meio dele.
10Nisto consiste o amor:
não fomos nós que amamos a Deus,
mas foi ele que nos amou
e enviou o seu Filho
como vítima de reparação pelos nossos pecados.
Palavra do Senhor.       


Referencias para reflexão da Segunda Leitura


1 -  “DEUS É AMOR”. O autor da Primeira Carta de João não chegou a esta definição de Deus através de raciocínios académicos e abstratos, mas através da constatação do modo de atuar de Deus em relação aos homens. Sobretudo, ele “viu” o que aconteceu com Jesus e como Jesus mostrou, em gestos concretos, esse incrível amor de Deus pela humanidade. João convida-nos a contemplar Jesus e a tirar conclusões sobre o amor de Deus; convida-nos, também, a reparar nessas mil e uma pequenas coisas que trazem à nossa existência momentos únicos de alegria, de felicidade, de paz e a perceber nelas sinais concretos do amor de Deus, da sua presença ao nosso lado, da sua preocupação conosco. A certeza de que “DEUS É AMOR” e que Ele nos ama com um amor sem limites é o melhor caminho para derrubar as barreiras de indiferença, de egoísmo, de autossuficiência, de orgulho que tantas vezes nos impedem de viver em comunhão com Deus.

2 - O que é “NASCER DE DEUS” ou ser “filho de Deus”? É ter sido batizado e ter passado, por um ato institucional, a pertencer à Igreja?NASCER DE DEUS” é receber vida de Deus e deixar que a vida de Deus circule em nós e se transforme em gestos. Não somos “filhos de Deus” porque um dia fomos batizados; mas somos “filhos de Deus” porque um dia optámos por Deus, porque continuamos dia a dia a acolher essa vida que Ele nos oferece, porque vivemos em comunhão com Ele e porque damos testemunho desse Deus que é amor através dos nossos gestos.

3 - Se somos “filhos” desse Deus que é amor, “amemo-nos uns aos outros” com um amor igual ao de Deus - amor incondicional, gratuito, desinteressado. Um crente não pode passar a vida a olhar para o céu, ignorando as dores, as necessidades e as lutas dos irmãos que caminham pela vida ao seu lado… Também não pode fechar-se no seu egoísmo e comodismo e ignorar os dramas dos pobres, dos oprimidos, dos marginalizados… Não pode, tampouco, ser seletivo e amar só alguns, excluindo os outros… A vida de Deus que enche os corações dos crentes deve manifestar-se em gestos concretos de solidariedade, de serviço, de dom, em benefício de todos os irmãos.


voltar


Evangelho
NINGUÉM TEM MAIOR AMOR DO QUE
AQUELE QUE DÁ A VIDA PELOS AMIGOS
.
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo Segundo João (15,9-17)


Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:
9Como meu Pai me amou,
assim também eu vos amei.
Permanecei no meu amor.
10Se guardardes os meus mandamentos,
permanecereis no meu amor,
assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai
e permaneço no seu amor.
11Eu eu vos disse isto,
para que a minha alegria esteja em vós
e a vossa alegria seja plena.
12Este é o meu mandamento:
amai-vos uns aos outros,
assim como eu vos amei.
13Ninguém tem amor maior
do que aquele que dá sua vida pelos amigos.
14Vós sois meus amigos,
se fizerdes o que eu vos mando.
15Já não vos chamo servos,
pois o servo não sabe o que faz o seu senhor.
Eu vos chamo amigos,
porque vos dei a conhecer
tudo o que ouvi de meu Pai.
16Não fostes vós que me escolhestes,
mas fui eu que vos escolhi
e vos designei para irdes e para que produzais fruto
e o vosso fruto permaneça.
O que então pedirdes ao Pai em meu nome,
ele vo-lo concederá.
17Isto é o que vos ordeno:
amai-vos uns aos outros.
Palavra da Salvação.


Referencias para reflexão do Evangelho


1 - As palavras de Jesus aos discípulos na “ceia de despedida” deixam claro, antes de mais, que os discípulos não estão sozinhos e perdidos no mundo, mas que o próprio Jesus estará sempre com eles, oferecendo-lhes em cada instante a sua vida. Este é o primeiro grande ensinamento do nosso texto: a comunidade de Jesus continuará, ao longo da sua marcha pela história, a receber vida de Jesus e a ser acompanhada por Jesus. Nos momentos de crise, de desilusão, de frustração, de perseguição, não podemos esquecer que Jesus continua ao nosso lado, dando-nos coragem e esperança, lutando conosco para vencer as forças da opressão e da morte.

2 - Os discípulos são os “amigos” de Jesus. Jesus escolheu-os, chamou-os, partilhou com eles o conhecimento e o projeto do Pai, associou-os à sua missão; estabeleceu com eles uma relação de confiança, de proximidade, de intimidade, de comunhão. Este tipo de relação que Jesus quis estabelecer com os discípulos não exclui, no entanto, que Ele continue a ser o centro e a referência, à volta da qual se constrói a comunidade dos discípulos. Jesus é, de fato, o centro à volta do qual se articula a vida das nossas comunidades? Que lugar é que Ele ocupa na nossa vida? Como é que no dia a dia desenvolvemos e aprofundamos o nosso encontro e a nossa comunhão com Ele?

3 - Sobretudo, os “amigos” de Jesus devem amar como Ele amou. Jesus cumpriu os “mandamentos” do Pai – isto é, o projeto de Deus para salvar e libertar os homens – fazendo da sua vida um dom total de amor, sem limites nem condições; a cruz é a expressão máxima dessa vida vivida exclusivamente para os outros. É esse o caminho que Jesus propõe aos seus discípulos (“é este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros como Eu vos amei”). É aqui que reside a “identidade” dos discípulos de Jesus… Os cristãos são aqueles que testemunham diante do mundo, com palavras e com gestos, que o mundo novo que Deus quer oferecer aos homens, se constrói através do amor. O que é que condiciona a nossa vida, as nossas opções, as nossas tomadas de posição: o amor, ou o egoísmo? As nossas comunidades são, realmente, cartazes vivos que anunciam o amor, ou são espaços de conflito, de divisão, de luta pelos próprios interesses, de realização de projetos egoístas?


voltar


Comentário
O AMOR QUE SE ADIANTA AO NOSSO AMOR


O Evangelho de hoje vai ao centro da vida cristã. Fala-nos do mandamento, do único mandamento: “que se amem uns a outros como eu os amei”. Mas, pode ser o amor um mandamento, uma lei, uma ordem? Podem-nos ordenar que amemos? Na realidade, o amor é algo que brota de dentro da pessoa, mas não de uma ordem recebida de outro. No exército dão-se ordens e obedecem-se. No trabalho acontece o mesmo. Mas ninguém nos pode ordenar o que temos que sentir para os que nos rodeiam. Isso é algo diferente.

Jesus sabe que é algo diferente. Jesus experimentou o amor de Deus. E mais, experimentou que DEUS É AMOR. Sua presença em nosso mundo é sinal concreto, real, desse amor de Deus por cada um de nós. Esse amor é o que nos dá a vida. O amor de Deus é o que criou este mundo e que o mantém em sua existência, apesar de tratamos o mundo e nós tratamos uns aos outros tão mal. Aí está a razão pela que Jesus fala do “mandamento do amor”. Porque Deus amou-nos primeiro. Porque somos criaturas de seu amor. O amor, como diz a segunda leitura, não é algo que nasce de nós senão que nasce em Deus. Ele é a origem do amor, dessa corrente vital sem a qual não podemos viver.

Não há forma de pôr fronteiras a esse amor que vem de Deus. Para Deus não há judeus nem pagãos. Essa é a surpresa que tem os judeus na leitura dos Atos dos Apóstolos. Deus vai para além das normas, das tradições. Seu amor é mais forte que qualquer lei humana. Deus presenteia-se e dá-se a todos.   

As leituras de hoje falam-nos do mandamento do amor. Mas na realidade convidam-nos a fixar no amor com o qual Deus nos ama e nos cuida. Só dessa experiência brotará nosso próprio amor, nossa capacidade de amar e presentear vida aos que nos rodeiam. É algo parecido a tentar convencer a alguém de que não ir à Missa os domingos é pecado. É muito melhor convida-lo a vir a nossa comunidade, fazer com que ele desfrute da celebração da Eucaristia com os cantos, com a fraternidade, com o encontro com Jesus. É possível que volte. Mas se o ameaçamos com o pecado, é muito fácil que não volte. Com o amor acontece algo parecido. Ninguém vai amar sob a ameaça de ser multado se não o fizer. Mas é muito fácil que ame se experimentou ser amado e reconhecido pelos que lhe rodeiam. Hoje está em nossas mãos fazer conhecer aos que vivem conosco o amor com o qual Deus lhes ama. Não outra coisa significa na prática ser cristãos.


Para a reflexão


Deus me ama? Como? Por que? Que sinais concretos e práticos tenho desse amor de Deus? Será possível que o amor que recebo dos que me rodeiam seja o melhor sianal do amor de Deus? Como transmito esse amor de Deus aos que estão a meu ao redor?


voltar


FONTES DE REFERÊNCIA


Liturgia - A Palavra de Deus na Vida – CNBB 
Ciudad Redonda: Comunidad Católica
Família Dehoniana


 

 

: