Últimas
Círculo Bíblico - segundo encontro
No dia 14 de outubro aconteceu sempre em clima de oração e discer
E se tratássemos a Bíblia como tratamos o nosso celular?
O que aconteceria se nós tratássemos a Bíblia como tra
O dízimo em vista da evangelização
O Documento “O dízimo na comunidade de fé: orientações e prop
XXIV Domingo do Tempo Comum (Ano B)
A liturgia do XXIV Domingo do Tempo Comum diz-nos que o caminho da
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qui Set 20 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Set 20 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Set 27 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Set 27 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Out 04 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia

III Domingo da Páscoa - Ano B

A liturgia deste III Domingo da Páscoa convida-nos a descobrir esse Cristo vivo que acompanha os homens pelos caminhos do mundo, que com a sua Palavra anima os corações magoados e desolados, que se revela sempre que a comunidade dos discípulos se reúne para “PARTIR O PÃO”; apela, ainda, a que os discípulos sejam as testemunhas da ressurreição diante dos homens.
É no Evangelho, sobretudo, que esta mensagem aparece de forma nítida. O texto que nos é proposto põe Cristo, vivo e ressuscitado, caminhando ao lado dos discípulos, explicando as Escrituras, enchendo o coração dos discípulos de esperança e sentando com eles à mesa para “partir o pão”. É aí que os discípulos O reconhecem.
A primeira leitura mostra (através da história de Jesus) como o amor que se faz dom a Deus e aos irmãos, brota sempre ressurreição e vida nova; e convida a comunidade de Jesus a testemunhar essa realidade diante dos homens.
A segunda leitura convida a contemplar com olhos o projeto salvador de Deus, o amor de Deus pelos homens (expresso na cruz de Jesus e na sua ressurreição). Constatando a grandeza do amor de Deus, aceitamos o seu apelo a uma vida nova.


 


Primeira Leitura 
Salmo Responsorial
Segunda Leitura 
Evangelho
Comentário

Primeira Leitura
VÓS MATASTES O AUTOR DA VIDA, MAS 
DEUS O RESSUSCITOU DOS MORTOS
.
Leitura do Atos dos Apóstolos (3,13-15.17-19)


Naqueles dias,
Pedro se dirigiu ao povo, dizendo:
13O Deus de Abraão, de Isaac, de Jacó,
o Deus de nossos antepassados
glorificou o seu servo Jesus.
Vós o entregastes e o rejeitastes diante de Pilatos,
que estava decidido a soltá-lo.
14Vós rejeitastes o Santo e o Justo,
e pedistes a libertação para um assassino.
15Vós matastes o autor da vida,
mas Deus o ressuscitou dos mortos,
e disso nós somos testemunhas.
17E agora, meus irmãos,
eu sei que vós agistes por ignorância,
assim como vossos chefes.
18Deus, porém, cumpriu desse modo
o que havia anunciado pela boca de todos os profetas:
que o seu Cristo haveria de sofrer.
19Arrependei-vos, portanto, e convertei-vos,
para que vossos pecados sejam perdoados.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da Primeira Leitura


1 -  A primeira leitura insiste em uma mensagem que, nestes dias, aparece com grande insistência: Deus ressuscitou Jesus e não permitiu que a morte O derrotasse… A ressurreição de Cristo prova que uma vida gasta a serviço do plano do Pai, na entrega aos homens, não conduz ao fracasso, mas à ressurreição, à exaltação, à vida plena. É conveniente lembrarmos isto, sempre que nos sentirmos desiludidos, decepcionados, fracassados, derrotados, criticados, por gastarmos a vida numa dinâmica de serviço, de entrega, de amor. Uma vida que se faz dom nunca é um fracasso; uma vida vivida de forma egoísta e autossuficiente, à margem de Deus e dos outros, é que é fracassada, pois não conduz à vida em plenitude.

2 - Uma outra ideia, que está bem associada ao texto, é a do testemunho… Pedro é o porta-voz de uma comunidade que conheceu e apreendeu a proposta de salvação que Cristo veio oferecer e que se sente, agora, investida da missão de dar testemunho dela diante dos homens. A Igreja, da qual fazemos parte, é hoje testemunha da proposta de salvação que Cristo fez; ela deve dizer a todos os homens o que aconteceu com Cristo e como Ele mostrou que a vida plena resulta do amor e do dom da vida. Sentimo-nos investidos dessa missão? Os homens desiludidos e desorientados encontram em nós uma proposta de vida definitiva e de realização plena? Somos nós que contaminamos o mundo e lhe oferecemos uma alternativa à desilusão, ou é o mundo que nos convence a viver de acordo com valores diferentes dos de Jesus?


voltar


Salmo Responsorial
SOBRE NÓS FAZEI BRILHAR O ESPLENDOR DE VOSSA FACE!
Sl 4,2.4.7.9 (R. 7a)


Sobre nós fazei brilhar o esplendor de vossa face!

 2Quando eu chamo, respondei-me
ó meu Deus, minha justiça! 
Vós que soubestes aliviar-me nos momentos de aflição,
atendei-me por piedade e escutai minha oração!

Sobre nós fazei brilhar o esplendor de vossa face!

4Compreendei que nosso Deus
faz maravilhas por seu servo, 
e que o Senhor me ouvirá
quando lhe faço a minha prece!

Sobre nós fazei brilhar o esplendor de vossa face!

7Muitos há que se perguntam:
'Quem nos dá felicidade?'
Sobre nós fazei brilhar
o esplendor de vossa face!

Sobre nós fazei brilhar o esplendor de vossa face!

9Eu tranquilo vou deitar-me
e na paz logo adormeço,
pois só vós, ó Senhor Deus,
dais segurança à minha vida!

Sobre nós fazei brilhar o esplendor de vossa face!


voltar


Segunda Leitura
ELE É A VÍTIMA DE EXPIAÇÃO PELOS NOSSOS PECADOS,
ETAMBÉM PELOS PECADOS DO MUNDO INTEIRO.
Leitura da Carta aos de São João (2,1-5a)


1Meus filhinhos,
escrevo isto para que não pequeis.
No entanto, se alguém pecar,
temos junto do Pai um Defensor:
Jesus Cristo, o Justo.
2Ele é a vítima de expiação pelos nossos pecados,
e não só pelos nossos,
mas também pelos pecados do mundo inteiro.
3Para saber que o conhecemos,
vejamos se guardamos os seus mandamentos.
4Quem diz: 'Eu conheço a Deus',
mas não guarda os seus mandamentos,
é mentiroso, e a verdade não está nele.
5aNaquele, porém, que guarda a sua palavra,
o amor de Deus é plenamente realizado.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da Segunda Leitura


1 - O texto da segunda leitura convida-nos, antes de mais nada, a contemplar o imenso amor de Deus pelos homens. Esse amor traduziu-se no envio do próprio Filho (Jesus Cristo), com uma proposta de salvação. Da fidelidade do Filho ao projeto do Pai resultou o seu confronto com o egoísmo e o pecado e a morte na cruz. Não há maior expressão de amor do que entregar a vida em favor de alguém; e é dessa forma que Deus nos ama. Temos consciência disso?

2 - Da contemplação do amor de Deus tem de resultar uma resposta nossa. Segundo o autor da Primeira Carta de Pedro, essa resposta deve traduzir-se numa conduta nova de obediência a Deus, de entrega incondicional nas mãos de Deus, de adesão completa aos seus planos, valores e projetos. O amor de Deus inspira-me e motiva-me para viver – com coerência e fidelidade – os seus valores?

3 - O mundo em que vivemos valoriza mais o egoísmo e a autossuficiência do que o amor e a doação… Os homens do nosso tempo vivem, de forma geral, voltados para si mesmos, para os seus pequenos interesses pessoais e para a realização imediata dos seus sonhos, desejos e prioridades. Nós, os crentes, no entanto, somos convidados a viver e a anunciar a lógica de Deus, que é a lógica do amor e da entrega da vida até às últimas consequências.Qual é a lógica que domina a minha vida e que eu transmito nas minhas palavras e nos meus gestos: a lógica do amor, da entrega, da doação até às últimas consequências, ou a lógica do egoísmo, do orgulho, do amor-próprio?


voltar


Evangelho
ASSIM ESTÁ ESCRITO: O MESSIAS SOFRERÁ E
RESSUSCITARÁ DOS MORTOS NO TERCEIRO DIA.
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo Segundo
Lucas (24,35-48)


Naquele tempo:
35Os dois discípulos contaram 
o que tinha acontecido no caminho,
e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão.
36Ainda estavam falando,
quando o próprio Jesus apareceu no meio deles
e lhes disse:
'A paz esteja convosco!'
37Eles ficaram assustados e cheios de medo,
pensando que estavam vendo um fantasma.
38Mas Jesus disse: 'Por que estais preocupados,
e porque tendes dúvidas no coração?
39Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo!
Tocai em mim e vede!
Um fantasma não tem carne, nem ossos,
como estais vendo que eu tenho'.
40E dizendo isso, Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés.
41Mas eles ainda não podiam acreditar,
porque estavam muito alegres e surpresos.
Então Jesus disse:
'Tendes aqui alguma coisa para comer?'
42Deram-lhe um pedaço de peixe assado.
43Ele o tomou e comeu diante deles.
44Depois disse-lhes:
'São estas as coisas que vos falei
quando ainda estava convosco:
era preciso que se cumprisse tudo
o que está escrito sobre mim
na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos'.
45Então Jesus abriu a inteligência dos discípulos
para entenderem as Escrituras,
46e lhes disse: 'Assim está escrito:
O Cristo sofrerá 
e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia
47e no seu nome, serão anunciados
a conversão e o perdão dos pecados
a todas as nações, começando por Jerusalém.
48Vós sereis testemunhas de tudo isso'.
Palavra da Salvação.


Referencias para reflexão do Evangelho


1 - Na nossa caminhada pela vida, fazemos, frequentemente, a experiência do desencanto, do desalento, do desânimo. As crises, os fracassos, o desmoronamento daquilo que julgávamos seguro e em que apostámos tudo, a falência dos nossos sonhos deixam-nos frustrados, perdidos, sem perspectivas. Então, parece que nada faz sentido e que Deus desapareceu do nosso horizonte… No entanto, a catequese que Lucas nos propõe hoje garante-nos que Jesus, vivo e ressuscitado, caminha ao nosso lado. Ele é esse companheiro de viagem que encontra formas de vir ao nosso encontro, mesmo se nem sempre somos capazes de O reconhecer, e de encher o nosso coração de esperança.

2 - Como é que Ele nos fala? Como é que Ele faz renascer em nós a esperança? Como é que Ele nos passa esse suplemento de entusiasmo que nos permite continuar? Lucas responde: é ATRAVÉS DA PALAVRA DE DEUS, escutada, meditada, partilhada, acolhida no coração, que Jesus nos indica caminhos, nos aponta perspectivas novas, nos dá a coragem de continuar, depois de cada fracasso, construir uma cidade ainda mais bonita. Qual lugar a Palavra de Deus desempenha na minha vida? Tenho consciência de que Jesus me fala e me aponta caminhos de esperança através da sua Palavra?

3 - Quando é que os olhos do nosso coração se abrem para descobrir Jesus, vivo e atuante? Lucas responde: é na PARTILHA DO PÃO EUCARÍSTICO. Sempre que nos sentamos à mesa com a comunidade e partilhamos o pão que Jesus nos oferece, damos conta de que o Ressuscitado continua vivo, caminhando ao nosso lado, alimentando-nos ao longo da caminhada, ensinando-nos que a felicidade está no dom, na partilha, no amor. Sempre que nos juntamos com os irmãos à volta da mesa de Deus, celebrando na alegria e na festa o amor, a partilha e o serviço, encontramos o Ressuscitado preenchendo a nossa vida de sentido, de plenitude, de vida autêntica.

4 - E quando O encontramos? Que fazer com Ele? Lucas responde: TEMOS DE LEVÁ-LO PARA OS CAMINHOS DO MUNDO, TEMOS DE PARTILHÁ-LO COM OS NOSSOS IRMÃOS, temos de dizer a todos que Ele está vivo e que oferece aos homens (através dos nossos gestos de amor, de partilha, de serviço) a vida nova e definitiva.


voltar


Comentário
PÁSCOA, TEMPO DE PERDÃO


Há uma ideia que percorre as três leituras deste domingo, a do perdão dos pecados. É um perdão que vai para além de todos os limites e que nos abre a novas possibilidades de vida, a uma nova esperança. Para os que converteram sua vida em um desastre, Deus abre novos caminhos. Não está tudo perdido porque o Deus que ressuscitou a Jesus dentre os mortos é o Deus do perdão misericordioso, não o da vingança.       

 A leitura dos Atos dos Apóstolos recolhe um dos primeiros discursos de Pedro aos judeus. Fala a uns surpreendidos israelitas que foram testemunhas de uma cura milagrosa. E diz-lhes que isso não é nada, que o mais importante é a ressurreição de Jesus, ao qual eles tinham matado, que foi Deus quem o fez. Esse foi um verdadeiro milagre. E o melhor é que em seu nome todos nós podemos nos arrepender e nossos pecados se apagarão. Na segunda leitura, João fala-nos de como todos nós temos um advogado ante o Pai que pede sempre pelo perdão de nossos pecados. Esse advogado é Jesus. Ele morreu não só pelo perdão de nossos pecados mais, pelos do mundo inteiro.        

E no Evangelho a mensagem do perdão mistura-se com outra mensagem que também nos chega muito no íntimo do coração: a mensagem da paz. Jesus ressuscitado aparece para seus discípulos, e o que faz primeiro é lhes desejar paz. Não é um fantasma o que aparece. É o verdadeiro Jesus. Quando o reconhecem, enche de alegria os discípulos. Ficaram atónitos. Não sabiam o que dizer. O tinham visto morto na cruz e agora o vêem vivo a seu lado. Jesus explica-lhes que tudo aconteceu tal e como o tinham anunciado os profetas. O Messias devia padecer e ressuscitar. E em seu nome se pregará a conversão e o perdão dos pecados a todos os povos.

A mensagem do perdão está presente, nas três leituras. E o Evangelho coroa a mensagem com a PAZ. O perdão traz a paz aos corações das pessoas e à sociedade. Talvez Jesus nos esteja dizendo que não há outra forma de alcançar a paz, a verdadeira paz, senão através do perdão. Talvez esteja-nos insinuando que a vingança nunca foi caminho para alcançar a paz senão uma maior violência, porque a vingança só é capaz de criar mais violência e morte. Isso vale para as pessoas e para as nações. Jesus rompe essa espiral de violência. Quando matamos o autor da vida, Deus o ressuscitou dentre os mortos e nos abriu o caminho que leva à verdadeira paz. É o CAMINHO DO PERDÃO. O perdão que recebemos generosamente de Deus e o que, também generosamente, tal e como o recebemos de Deus, outorgamos a nossos irmãos e irmãs.


Para a reflexão


Nós já experimentamos em nossa vida como a violência só gera violência? Conhecemos algum exemplo em contrário? Como o perdão pode, a qualquer momento, romper a espiral da violência? Quem temos que perdoar hoje? De quem precisamos receber o perdão?


voltar


FONTES DE REFERÊNCIA


Liturgia - A Palavra de Deus na Vida – CNBB  
Ciudad Redonda: Comunidad Católica
Família Dehoniana


 

: