Últimas
XVI Domingo do Tempo Comum (Ano C)
As leituras deste domingo convidam-nos a refletir o tema da HOSPITA
A história de Nossa Senhora do Carmo
O Monte Carmelo fica na Terra Santa e seu nome quer dizer jard
Torne-se um dizimista
O dízimo é o reconhecimento de que tudo pertence a DEUS. Com o d
XV Domingo doTempo Comum (Ano C)
A liturgia deste domingo procura definir o caminho para encontrar a
Sobre a vida de São Bento
Por ocasião da dedicação do Mosteiro de Monte Cassino em 196
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qui Jul 25 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Jul 25 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Ago 01 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Ago 01 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Ago 08 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia

Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo - (Ano C)

No centro da Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo está quer a celebração de Deus que alimenta o seu povo e que, no seu Filho, dá-lhe o alimento supremo e eterno, quer a grande Eucaristia dos crentes.

Para exprimir esta oração de louvor e de agradecimento, que dirigimos ao Senhor acolhendo o dom do seu amor, a Escritura emprega duas palavras: a bênção (primeira leitura) e a ação de graças (segunda leitura).

Estas duas dimensões de oração estão intimamente ligadas e devem habitar a nossa vida para além da missa, para testemunhar todo o amor com o qual Cristo ama os homens (Evangelho).

A Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo é a festa da Pessoa de Cristo. Ao levantarmos os olhos para o Pão e o Vinho consagrados, só podemos dizer: ”É mesmo Ele! Meu Senhor e meu Deus!


 


Primeira Leitura
Salmo Responsorial
Segunda Leitura
Evangelho
Comentário


Primeira Leitura
Leitura do Livro do Gênesis 14,18-20


Os cristãos reconheceram no gesto de Melquisedec o anúncio da Eucaristia e muitas vezes representaram este sacrifício nas pinturas e vitrais das igrejas, na proximidade do altar. Reconhecemos também neste episódio antigo um traço da pedagogia divina, que provocou continuamente o seu Povo a purificar as suas práticas sacrificiais, para prepará-lo para acolher a ação definitiva do seu Filho.


Naqueles dias:
18Melquisedec, rei de Salém, trouxe pão e vinho
e como sacerdote do Deus Altíssimo,
19abençoou Abrão, dizendo:
'Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo,
criador do céu e da terra!
20Bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou
teus inimigos em tuas mãos!'
E Abrão entregou-lhe o dízimo de tudo.

Palavra do Senhor.


voltar


Salmo Responsorial
Sl 109,1.2.3.4 (R. 4bc)


Tu és eternamente sacerdote
segundo a ordem do rei Melquisedec!

Palavra do Senhor ao meu Senhor:
'Assenta-te ao lado meu direito
até que eu ponha os inimigos teus
como escabelo por debaixo de teus pés!'

Tu és eternamente sacerdote
segundo a ordem do rei Melquisedec!

O Senhor estenderá desde Sião
vosso cetro de poder, pois Ele diz:
'Domina com vigor teus inimigos;

Tu és eternamente sacerdote
segundo a ordem do rei Melquisedec!

tu és príncipe desde o dia em que nasceste;
na glória e esplendor da santidade,
como o orvalho, antes da aurora, eu te gerei!'

Tu és eternamente sacerdote
segundo a ordem do rei Melquisedec!

Jurou o Senhor e manterá sua palavra:
'Tu és sacerdote eternamente,
segundo a ordem do rei Melquisedec!'

Tu és eternamente sacerdote
segundo a ordem do rei Melquisedec!


voltar


Segunda Leitura
Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios 11,23-26


O que os Apóstolos nos dizem da Eucaristia está nestas breves linhas de uma carta de São Paulo. Paulo dá-nos indicações importantes: refere-se, em primeiro lugar, à tradição que ele mesmo recebeu, e esta tradição vem do próprio Senhor, que deu a ordem de “refazer isso em memória dele”; indica, em seguida, que esta celebração recebida da tradição está integrada numa refeição, como a fração do pão na última Ceia e as refeições do Ressuscitado com os seus discípulos, em Emaús e em Jerusalém. Esta refeição coloca-nos em situação de esperança, sempre na espera do regresso do nosso Mestre Jesus Cristo, nosso Deus e Senhor.


Irmãos:
23O que eu recebi do Senhor foi isso que eu vos
transmiti: Na noite em que foi entregue,
o Senhor Jesus tomou o pão
24e, depois de dar graças, partiu-o e disse:
'Isto é o meu corpo que é dado por vós.
Fazei isto em minha memória'.
25Do mesmo modo, depois da ceia,
tomou também o cálice e disse:
'Este cálice é a nova aliança, em meu sangue.
Todas as vezes que dele beberdes,
fazei-o em memória de mim'.
26Todas as vezes, de fato, que comerdes deste pão
e beberdes deste cálice,
estareis proclamando a morte do Senhor,
até que ele venha.
Palavra do Senhor.


voltar


Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 9,11b-17


A refeição da fração do pão, que Jesus celebrou com os seus discípulos, é destinada ao conjunto do seu povo. O próprio Jesus significou isso alimentando a multidão que O seguia, como Deus o havia feito outrora no deserto.


Naquele tempo:
11bJesus acolheu as multidões,
falava-lhes sobre o Reino de Deus
e curava todos os que precisavam.
12A tarde vinha chegando.
Os doze apóstolos aproximaram-se de Jesus
e disseram: 'Despede a multidão,
para que possa ir aos povoados e campos vizinhos
procurar hospedagem e comida,
pois estamos num lugar deserto.'
13Mas Jesus disse: 'Dai-lhes vós mesmos de comer.'
Eles responderam:'Só temos cinco pães e dois peixes.
A não ser que fôssemos comprar comida
para toda essa gente.'
14Estavam ali mais ou menos cinco mil homens.
Mas Jesus disse aos discípulos:
'Mandai o povo sentar-se em grupos de cinqüenta.'
15Os discípulos assim fizeram, e todos se sentaram.
16Então Jesus tomou os cinco pães e os dois peixes,
elevou os olhos para o céu, abençoou-os, partiu-os
e os deu aos discípulos para distribuí-los à multidão.
17Todos comeram e ficaram satisfeitos.
E ainda foram recolhidos doze cestos
dos pedaços que sobraram.
Palavra da Salvação.


voltar


Comentário - Sião, louva o Salvador


"Todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, anunciais a morte do Senhor, até que Ele venha" (1 Cor 11, 26).

Com estas palavras, São Paulo recorda aos cristãos de Corinto que a "ceia do Senhor" não é apenas um encontro de convívio, mas também e, sobretudo o memorial do sacrifício redentor de Cristo. Quem nele participa explica o Apóstolo une-se ao mistério da morte do Senhor, aliás, faz-se "anunciador" da mesma.

Portanto, existe um relacionamento muito estreito entre o "fazer a Eucaristia" e "o anunciar Cristo". Entrar em comunhão com Ele, no memorial da Páscoa, significa ao mesmo tempo tornar-se missionário do evento que tal rito atualiza; num certo sentido, significa torná-lo contemporâneo de todas as épocas, até que o Senhor volte.

Caríssimos Irmãos e Irmãs, revivemos esta maravilhosa realidade na hodierna solenidade do Corpus Christi, em que a Igreja não apenas celebra a Eucaristia, mas também a leva de forma solene em procissão, anunciando publicamente que o Sacrifício de Cristo é para a salvação do mundo inteiro.

Reconhecido por este dom imenso, ela reúne-se em redor do Santíssimo Sacramento, porque ali estão a fonte e o ápice do próprio ser e agir. Ecclesia de Eucharistia vivit! A Igreja vive da Eucaristia e sabe que esta verdade não exprime apenas uma experiência quotidiana de fé, mas encerra de modo sintético o núcleo  do  mistério  que  ela  mesma  é (cf.  Carta  Encíclica  Ecclesia  de  Eucharistia, 1).

Desde que, com o Pentecostes, o Povo da Nova Aliança "iniciou a sua peregrinação para a pátria celeste, este sacramento divino foi ritmando os seus dias, enchendo-os de consoladora esperança".

"Dai-lhes vós mesmos de comer" (Lc 9, 13).

A página evangélica que acabamos de escutar oferece uma imagem eficaz do vínculo íntimo que existe entre a Eucaristia e esta missão universal da Igreja. Cristo, "pão vivo que desceu do Céu", é o único que pode saciar a fome do homem de todos os tempos e em todas as regiões da terra.

Porém, ele não quer fazê-lo sozinho, e assim, como na multiplicação dos pães, envolve também os discípulos: "Jesus tomou os cinco pães e os dois peixes, ergueu os olhos ao céu, pronunciou sobre eles a bênção, partiu-os deu-os aos discípulos para que os distribuíssem à multidão" (Lc 9, 16).

Este sinal milagroso é figura do maior mistério de amor que se renova cada dia na Santa Missa:  mediante os ministros ordenados, Cristo dá o seu Corpo e o seu Sangue pela vida da humanidade. E quantos se nutrem dignamente à sua Mesa, tornam-se instrumentos vivos da sua presença de amor, de misericórdia e de paz.

"Lauda, Sion, Salvatorem...
Sião, louva o Salvador
o teu guia, o teu pastor
com hinos e cânticos".

Com íntima emoção, ouvimos ressoar no coração este convite ao louvor e à alegria. Contemplando Maria, compreenderemos melhor a força transformadora que a Eucaristia possui. Colocando-nos à escuta dela, encontraremos no mistério eucarístico a coragem e o vigor para seguir Cristo Bom Pastor e para O servir nos irmãos.


voltar


 

: