Últimas
XXXII Domingo do Tempo Comum (Ano B)
A liturgia do XXXII Domingo do Tempo Comum fala-nos do verdadeiro c
O dízimo não é uma prática filantrópica
O dízimo não deve ser uma prática filantrópica, mais um gesto
Oração para início da Novena de Natal
Deus Benigno de infinita caridade que nos amastes tanto e que nos d
Novena de Natal - Reunidos em família preparando a vinda do Senhor.
A Novena de NATAL faz parte de um patrimônio da religiosidade popu
Os cidadãos são convidados a participar do jogo e não apenas ficar torcendo das arquibancadas
A democracia, segundo o bispo de Lages (SC) e presidente da Comiss
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qua Nov 14 @ 8:00PM -
Terço dos Homens
Qui Nov 15 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Nov 15 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Nov 22 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Nov 22 @ 8:00PM -
Grupo de Oração

XXVIII Domingo do Tempo Comum (Ano B)

A liturgia do XXVIII Domingo do Tempo Comum convida-nos a refletir sobre as escolhas que fazemos; recorda-nos que nem sempre o que reluz é ouro e que é preciso, por vezes, renunciar a certos valores perecíveis, a fim de adquirir os valores da vida verdadeira e eterna.
Na primeira leitura, um “sábio” de Israel apresenta-nos um “hino à sabedoria”. O texto convida-nos a adquirir a verdadeira “sabedoria” (que é um dom de Deus) e a prescindir dos valores efêmeros que não realizam o homem. O verdadeiro “sábio” é aquele que escolheu escutar as propostas de Deus, aceitar os seus desafios, seguir os caminhos que Ele indica.
O Evangelho apresenta-nos um homem que quer conhecer o caminho para alcançar a vida eterna. Jesus convida-o renunciar às suas riquezas e a escolher “caminho do Reino” – caminho de partilha, de solidariedade, de doação, de amor. É nesse caminho – garante Jesus aos seus discípulos – que o homem se realiza plenamente e que encontra a vida eterna.
A segunda leitura convida-nos a escutar e a acolher a Palavra de Deus proposta por Jesus. Ela é viva, eficaz, atuante. Uma vez acolhida no coração do homem, transforma-o, renova-o, ajuda-o a discernir o bem e o mal e a fazer as opções correta, indica-lhe o caminho certo para chegar à vida plena e definitiva.



Primeira Leitura
Salmo
Segunda Leitura
Evangelho
Comentário


Primeira Leitura
Leitura do Livro da Sabedoria
Sb 7,7-11


7Orei, e foi-me dada a prudência;
supliquei, e veio a mim o espírito da sabedoria.
8Preferi a Sabedoria aos cetros e tronos
e em comparação com ela, julguei sem valor a riqueza;
9a ela não igualei nenhuma pedra preciosa,
pois, a seu lado, todo o ouro do mundo
é um punhado de areia
e diante dela, a prata, será como a lama.
10Amei-a mais que a saúde e a beleza,
e quis possuí-la mais que a luz,
pois o esplendor que dela irradia não se apaga.
11Todos os bens me vieram com ela,
pois uma riqueza incalculável está em suas mãos.

Palavra do Senhor.


início


Salmo
Sl 89,12-13.14-15.16-17 (R.Cf. 14)


Saciai-nos, ó Senhor, com vosso amor,
e exultaremos de alegria!
Ensinai-nos a contar os nossos dias,
e dai ao nosso coração sabedoria!
Senhor, voltai-vos! Até quando tardareis?
Tende piedade e compaixão de vossos servos!
Saciai-nos, ó Senhor, com vosso amor,
e exultaremos de alegria!
Saciai-nos de manhã com vosso amor,
e exultaremos de alegria todo o dia!
Alegrai-nos pelos dias que sofremos,
pelos anos que passamos na desgraça!
Saciai-nos, ó Senhor, com vosso amor,
e exultaremos de alegria!
Manifestai a vossa obra a vossos servos,
e a seus filhos revelai a vossa glória!
Que a bondade do Senhor e nosso Deus
repouse sobre nós e nos conduza!
Tornai fecundo, ó Senhor, nosso trabalho.
Saciai-nos, ó Senhor, com vosso amor,
e exultaremos de alegria!


início


Segunda Leitura
Leitura da Carta aos Hebreus 

Hb 4,12-13


12A Palavra de Deus é viva, eficaz
e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes.
Penetra até dividir alma e espírito,
articulações e medulas.
Ela julga os pensamentos e as intenções do coração.

13E não há criatura que possa ocultar-se diante dela.
Tudo está nu e descoberto aos seus olhos,
e é a ela que devemos prestar contas.

Palavra do Senhor.


início


Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos
Mc 10,17-30


Naquele tempo:
17Quando Jesus saiu a caminhar, veio alguém correndo,
ajoelhou-se diante dele, e perguntou:
'Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna?'
18Jesus disse: 'Por que me chamas de bom?'
Só Deus é bom, e mais ninguém.
19Tu conheces os mandamentos:
não matarás; não cometerás adultério; não roubarás;
não levantarás falso testemunho;
não prejudicarás ninguém;
honra teu pai e tua mãe!'
20Ele respondeu: 'Mestre, tudo isso
tenho observado desde a minha juventude'.
21Jesus olhou para ele com amor, e disse:
'Só uma coisa te falta:
vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres,
e terás um tesouro no céu.
Depois vem e segue-me!'
22Mas quando ele ouviu isso, ficou abatido
e foi embora cheio de tristeza,
porque era muito rico.
23Jesus então olhou ao redor e disse aos discípulos:
'Como é difícil para os ricos entrar no Reino de Deus!'
24Os discípulos se admiravam com estas palavras,
mas ele disse de novo:
'Meus filhos, como é difícil entrar no Reino de Deus!
25É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha
do que um rico entrar no Reino de Deus!'
26Eles ficaram muito espantados ao ouvirem isso,
e perguntavam uns aos outros:
'Então, quem pode ser salvo?'
27Jesus olhou para eles e disse:
'Para os homens isso é impossível, mas não para Deus.
Para Deus tudo é possível'.
28Pedro então começou a dizer-lhe:
'Eis que nós deixamos tudo e te seguimos'.
29Respondeu Jesus:
'Em verdade vos digo,
quem tiver deixado casa, 
irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos,
campos, por causa de mim e do Evangelho,
30receberá cem vezes mais agora, durante esta vida
- casa, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos,
com perseguições -
e, no mundo futuro, a vida eterna.

Palavra da Salvação.


início


Comentário
O CAMINHO DA VERDADEIRA FELICIDADE


Basta ligar a televisão para ouvir que serei mais feliz se comprar um carro tal como sugerido, que será a solução de todos os meus problemas. Se fizéssemos caso do que nos dizem os meios de comunicação, a vida seria feliz e fácil para todos. Mas a realidade é diferente. Para muitas pessoas a vida é difícil, muito difícil. No trabalho e em casa. E, de vez em quando, chegam problemas acrescentados: uma doença, uma morte, um membro da família que se vai do lar... todos nos encantaria encontrar a resposta mágica que convertesse nossa vida em um refúgio de paz, sem nada de que nos preocupar, longe dos problemas.

A primeira leitura fala-nos de uma pessoa que se volta para Deus para pedir a sabedoria. Em vez de ligar a televisão ou o rádio, guarda silêncio, põe seu coração em Deus e suplica a sabedoria. Essa pessoa sabia o que se fazia. Sabia que a sabedoria é mais importante que o poder e a riqueza. Inclusive que a saúde e a beleza. Porque uma pessoa sábia sabe como ser feliz e viver em plenitude no meio dos acontecimentos da vida ordinária. O que para outros são graves problemas, para o sábio são ocasiões para amar mais, para melhorar suas relações, para se abrir a novas realidades, definitivamente, para viver melhor.

O Evangelho conta uma história que fala também da sabedoria. Um homem aproxima-se de Jesus. Está preocupado em alcançar a vida eterna. E pergunta a Jesus o que deve fazer. Já cumpre os mandamentos. Todos. Jesus, então, abre-lhe novos horizontes. Se quer para valer ser feliz, possuir a vida eterna, tem de deixar tudo, ficar sem nada e se centrar na única coisa que vale a pena: seguir a Jesus. É um grande desafio. Porque para alcançar a verdadeira sabedoria deve-se saber relativizar tudo o que se tem, tudo o que é demais. Não se encontra a vida nas coisas que se possuem nem quando cumprimos todos os mandamentos. A verdadeira sabedoria está em reconhecer que tudo é dom, um presente que Deus nos faz. E só quando nós voltamos a ele com as mãos vazias, somos capazes de acolher esse dom enorme que é a felicidade ou a vida eterna.

Os ricos acham difícil entrar por esse caminho. Eles estão muito preocupados com as coisas que têm. Eles passam o dia pensando em como ter mais e como defender o que já possuem. Os outros parecem ameaças. Eles os vêem como ladrões que querem tirar o que é deles. Somente se puderem libertar-se das coisas que possuem descobrirão no rosto do outro um irmão ou irmã, e perceberão que a felicidade está no encontro fraterno com os outros. Todos como irmãos e irmãs entre nós e como filhos e filhas de Deus..


início


 

 

: