Últimas
As atitudes fundamentais do Advento
Atitude de espera O mundo precisa de Deus. A humanidade está
Orações para a Segunda Semana do Advento
Domingo - Algumas vezes, Senhor, eu considero minha vida como uma v
Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora
Na Solenidade da Imaculada Conceição somos convidados a equaciona
O Espírito Santo: nosso guia no Advento
Durante o Advento não podemos esquecer da presença do Espírito S
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Sem eventos

A Palavra

Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora

Na Solenidade da Imaculada Conceição somos convidados a equacionar o tipo de resposta que damos aos desafios de Deus. Ao propor-nos o exemplo de Maria de Nazaré, a liturgia convida-nos a acolher, com um coração aberto e disponível, os planos de Deus para nós e para o mundo.
A segunda leitura garante-nos que Deus tem um projeto de vida plena, verdadeira e total para cada homem e para cada mulher, um projeto que desde sempre esteve na mente do próprio Deus. Esse projeto, apresentado aos homens através de Jesus Cristo, exige de cada um de nós uma resposta decidida, total e sem subterfúgios.
A primeira leitura mostra, recorrendo à história mítica de Adão e Eva, o que acontece quando rejeitamos as propostas de Deus e preferimos caminhos de egoísmo, de orgulho e de autossuficiência… Viver à margem de Deus leva, inevitavelmente, a trilhar caminhos de sofrimento, de destruição, de infelicidade e de morte.
O Evangelho apresenta a resposta de Maria ao plano de Deus. Ao contrário de Adão e Eva, Maria rejeitou o orgulho, o egoísmo e a autossuficiência e preferiu conformar a sua vida, de forma total e radical, com os planos de Deus. Do seu “SIM” total, que resultou em salvação e vida plena para ela e para o mundo.


 


Primeira Leitura
Salmo Responsorial
Segunda Leitura
Evangelho
Comentário
Referencias


Primeira Leitura
POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER,
ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA.
Leitura do Gênesis (3,9-15.20)


Depois que Adão comeu do fruto da árvore,

9o Senhor Deus o chamou, dizendo:
"Onde estás?"
10E ele respondeu:
"Ouvi tua voz no jardim,
e fiquei com medo porque estava nu;
e me escondi".
11Disse-lhe o Senhor Deus:
"E quem te disse que estavas nu?
Então comeste da árvore,
de cujo fruto te proibi comer?"
12Adão disse:
"A mulher que tu me deste por companheira,
foi ela que me deu do fruto da árvore, e eu comi".
13Disse o Senhor Deus à mulher:
"Por que fizeste isso?"
E a mulher respondeu:
"A serpente enganou-me e eu comi".
14Então o Senhor Deus disse à serpente:
"Porque fizeste isso, serás maldita
entre todos os animais domésticos
e todos os animais selvagens!
Rastejarás sobre o ventre
e comerás pó todos os dias da tua vida!
15Porei inimizade entre ti e a mulher,
entre a tua descendência e a dela.
Esta te ferirá a cabeça
e tu lhe ferirás o calcanhar".
20E Adão chamou à sua mulher "Eva",
porque ela é a mãe de todos os viventes.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da primeira leitura


01 - Um dos mistérios que mais questiona os nossos contemporâneos é o mistério do mal… Esse mal que vemos todos os dias, que tornar sombria e deprimente essa “casa” que é o mundo, vem de Deus, ou vem do homem? A Palavra de Deus responde: O MAL NUNCA VEM DE DEUS… Deus criou-nos para a vida e para a felicidade e deu-nos todas as condições para imprimirmos à nossa existência uma dinâmica de vida, de felicidade, de realização plena.

02 - O mal resulta das nossas escolhas erradas, do nosso orgulho, do nosso egoísmo e autossuficiência. Quando o homem escolhe viver orgulhosamente só, ignorando as propostas de Deus e prescindindo do amor, constrói cidades de egoísmo, de injustiça, de prepotência, de sofrimento, de pecado… Quais os caminhos que eu escolho? As propostas de Deus fazem sentido e são, para mim, indicações seguras para a felicidade, ou prefiro ser eu próprio a fazer as minhas escolhas, à margem das propostas de Deus?

03 – A primeira leitura deixa também claro que prescindir de Deus e caminhar longe dele leva o homem ao confronto e à hostilidade com os outros homens e mulheres. Nasce, então, a injustiça, a exploração, a violência. Os outros homens e mulheres deixam de serem irmãos para passarem a serem ameaças ao próprio bem-estar, à própria segurança, aos próprios interesses. Como é que eu me situo face aos meus irmãos? Como é que eu me relaciono com aqueles que são diferentes, que invadem o meu espaço e interesses e que me questionam e interpelam?


VOLTAR


Salmo Responsorial
CANTAI AO SENHOR DEUS UM CANTO NOVO,
PORQUE ELE FEZ PRODÍGIOS!

Sl 97(98),1.2-3ab.3cd-4 (R. 1a)


1Cantai ao Senhor Deus um canto novo, *
porque ele fez prodígios!
Sua mão e o seu braço forte e santo *
alcançaram-lhe a vitória. 
O CANTAI AO SENHOR DEUS UM CANTO NOVO,
PORQUE ELE FEZ PRODÍGIOS!

2O Senhor fez conhecer a salvação, *
e às nações, sua justiça;
3arecordou o seu amor sempre fiel *
3bpela casa de Israel.

CANTAI AO SENHOR DEUS UM CANTO NOVO,
PORQUE ELE FEZ PRODÍGIOS!

3cOs confins do universo contemplaram *
3da salvação do nosso Deus.
4Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, *
alegrai-vos e exultai! 

CANTAI AO SENHOR DEUS UM CANTO NOVO,
PORQUE ELE FEZ PRODÍGIOS!


VOLTAR


Segunda Leitura
EM CRISTO, ELE NOS ESCOLHEU,
ANTES DA FUNDAÇÃO DO MUNDO.
Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios (1,3-6.11-12)


3Bendito seja Deus,

Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.
Ele nos abençoou com toda a bênção do seu Espírito
em virtude de nossa união com Cristo, no céu.
4Em Cristo, ele nos escolheu,
antes da fundação do mundo,
para que sejamos santos e irrepreensíveis
sob o seu olhar, no amor.
5Ele nos predestinou para sermos seus filhos adotivos
por intermédio de Jesus Cristo,
conforme a decisão da sua vontade,
6para o louvor da sua glória
e da graça com que ele nos cumulou no seu Bem-amado.
11Nele também nós recebemos a nossa parte.
Segundo o projeto daquele
que conduz tudo conforme a decisão de sua vontade,
nós fomos predestinados
12a sermos, para o louvor de sua glória,
os que de antemão colocaram a sua esperança em Cristo.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da segunda leitura


01 – A segunda leitura afirma, de forma clara, que Deus tem um projeto de vida plena para os homens, um projeto que desde sempre esteve na mente de Deus. É muito importante termos isto em conta: não somos um acidente de percurso na evolução inexorável do cosmos, mas somos atores principais de uma história de amor que o nosso Deus sempre sonhou e que Ele quis escrever e viver conosco… No meio das nossas desilusões e dos nossos sofrimentos, da nossa finitude e do nosso pecado, dos nossos medos e dos nossos dramas, não esqueçamos que somos filhos amados de Deus, a quem Ele oferece continuamente a vida definitiva, a verdadeira felicidade.

02 - Deus “ELEGEU-NOS… PARA SERMOS SANTOS E IRREPREENSÍVEIS”. Já vimos que “ser santo” significa ser consagrado para o serviço de Deus. O que é que isto implica em termos concretos? Entre outras coisas, implica tentar descobrir o plano de Deus, o projeto que Ele tem para cada um de nós e concretizá-lo dia a dia com verdade, fidelidade e radicalidade. No meio das solicitações do mundo e das exigências da nossa vida profissional, social e familiar, temos tempo para Deus, para dialogar com Ele e para tentar perceber os seus projetos e propostas? E temos disponibilidade e vontade de concretizar as suas propostas, mesmo quando elas não são conciliáveis com os nossos interesses pessoais?

02 – A centralidade de Cristo nesta história de amor que Deus quis viver conosco… Jesus veio ao nosso encontro, cumprindo com radicalidade a vontade do Pai e oferecendo-se até a morte para nos ensinar a viver no amor. Como é que assumimos e vivemos essa proposta de amor que Jesus nos apresentou? Aprendemos com Ele a amar sem exceção e com radicalidade?


VOLTAR


Evangelho
EIS QUE CONCEBERÁS E DARÁS À LUZ UM FILHO.
Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas (1,26-38)


Naquele tempo:
26O anjo Gabriel foi enviado por Deus
a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré,
27a uma virgem, prometida em casamento
a um homem chamado José.
Ele era descendente de Davi
e o nome da virgem era Maria
28O anjo entrou onde ela estava e disse:
'Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!'
29Maria ficou perturbada com estas palavras e começou a
pensar qual seria o significado da saudação.
30O anjo, então, disse-lhe:
'Não tenhas medo, Maria,
porque encontraste graça diante de Deus.
31Eis que conceberás e darás à luz um filho,
a quem porás o nome de Jesus.
32Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo,
e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi.
33Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó,
e o seu reino não terá fim'.
34Maria perguntou ao anjo:
'Como acontecerá isso,
se eu não conheço homem algum?'
35O anjo respondeu:
'O Espírito virá sobre ti,
e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra.
Por isso, o menino que vai nascer
será chamado Santo, Filho de Deus.
36Também Isabel, tua parenta,
concebeu um filho na velhice.
Este já é o sexto mês
daquela que era considerada estéril,
37porque para Deus nada é impossível'.
38Maria, então, disse:
'Eis aqui a serva do Senhor;
faça-se em mim segundo a tua palavra!'
E o anjo retirou-se.
Palavra da Salvação.


Referencias para reflexão do Evangelho


01 - A liturgia deste dia afirma, de forma clara e insofismável, que Deus ama os homens e tem um projeto de vida plena para lhes oferecer. Como é que esse Deus cheio de amor pelos seus filhos intervém na história humana e concretiza, dia a dia, essa oferta de salvação? A história de Maria de Nazaré, bem como a de tantos outros “chamados”, responde, de forma clara, a esta questão: é através de homens e mulheres atentos aos projetos de Deus e de coração disponível para o serviço aos irmãos que Deus atua no mundo, que Ele manifesta aos homens o seu amor, que Ele convida cada pessoa a percorrer os caminhos da felicidade e da realização plena. Já pensamos que é através dos nossos gestos de amor, de partilha e de serviço que Deus se torna presente no mundo e transforma o mundo?

02 - Outra questão é a dos instrumentos de que Deus se serve para realizar os seus planos… Maria era uma jovem mulher de uma aldeia obscura dessa “Galileia dos pagãos” de onde não podia “vir nada de bom”. Não consta que tivesse uma significativa preparação intelectual, extraordinários conhecimentos teológicos, ou amigos poderosos nos círculos de poder e de influência da Palestina de então… Apesar disso, foi escolhida por Deus para desempenhar um papel primordial na etapa mais significativa na história da salvação. A história vocacional de Maria deixa claro que, na perspectiva de Deus, não são o poder, a riqueza, a importância ou a visibilidade social que determinam a capacidade para levar a cabo uma missão. Deus age através de homens e mulheres, independentemente das suas qualidades humanas. O que é decisivo é a disponibilidade e o amor com que se acolhem e testemunham as propostas de Deus.

03 - Diante dos apelos de Deus ao compromisso, qual deve ser a resposta do homem? É aí que somos colocados diante do exemplo de Maria… Confrontada com os planos de Deus, Maria responde com um “SIM” total e incondicional. Naturalmente, ela tinha o seu programa de vida e os seus projetos pessoais; mas, diante do apelo de Deus, esses projetos pessoais passaram naturalmente e sem dramas a um plano secundário. Na atitude de Maria não há qualquer sinal de egoísmo, de comodismo, de orgulho, mas há uma entrega total nas mãos de Deus e um acolhimento radical dos caminhos de Deus. O testemunho de Maria é um testemunho questionante, que nos interpela fortemente… Que atitude assumimos diante dos projetos de Deus: acolhemo-los sem reservas, com amor e disponibilidade, numa atitude de entrega total a Deus, ou assumimos uma atitude egoísta de defesa intransigente dos nossos projetos pessoais e dos nossos interesses egoístas?

04 - É possível alguém entregar-se tão cegamente a Deus, sem reservas, sem medir os prós e os contras? Como é que se chega a esta confiança incondicional em Deus e nos seus projetos? Naturalmente, não se chega a esta confiança cega em Deus e nos seus planos sem uma vida de diálogo, de comunhão, de intimidade com Deus. Maria de Nazaré foi, certamente, uma mulher para quem Deus ocupava o primeiro lugar e era a prioridade fundamental. Maria de Nazaré foi, certamente, uma pessoa de oração e de fé, que fez a experiência do encontro com Deus e aprendeu a confiar totalmente n’Ele. No meio da agitação de todos os dias, encontro tempo e disponibilidade para ouvir Deus, para viver em comunhão com Ele, para tentar perceber os seus sinais nas indicações que Ele me dá dia a dia?


VOLTAR


Comentário
DE EVA A MARIA


A primeira leitura e o Evangelho desta festa fazem uma correlação de Maria com Adão e Eva, nossos primeiros pais, o símbolo primeiro da humanidade. Neles se vê como somos capazes de evitar a responsabilidade. Queremos ser livres, mas não queremos prestar contas do que fazemos. É como se preferíssemos viver toda a vida como crianças ou adolescentes imaturos. Quando no relato do Gênese Deus pergunta a Adão e Eva o que aconteceu, a resposta dos dois é muito parecida. Os dois jogam a culpa um no outro. “NÃO SABIAM O QUE FAZIAM”, “foi a mulher que me deu por companheira” (e assim, muito finamente, Adão culpa o próprio Deus pelo acontecido), “foi a serpente”. Trata-se de se livrar da culpa. E com a culpa vai-se a responsabilidade também. E, de passagem, a liberdade. Porque a liberdade é nada sem responsabilidade.

A atitude de Maria no Evangelho de Lucas é muito diferente. Ante a saudação do anjo, Maria sente-se perturbada. Mas isso não a leva a dizer que possivelmente o anjo estava buscando outra pessoa e que ela não era a escolhida. Maria escuta, assume o desafio que a presença do anjo apresenta e responde (responder tem muito que ver com “RESPONSABILIDADE” e, por tanto, com “LIBERDADE”) afirmativamente à sua proposta. No momento do “SIM” não está plenamente consciente das consequências que comportará no futuro sua resposta, mas o resto do Evangelho nos mostra uma mulher que sabe estar nos momentos mais fundamentais da vida de seu filho, que escuta sua palavra e a guarda no coração, que lhe acompanha até no momento da cruz e que, mais tarde, aparece, como uma mais, no meio da comunidade cristã. Todo um exemplo de maturidade, de responsabilidade, e, por tanto, de liberdade.

Maria, ao responder positivamente ao anúncio do anjo, rompe uma tendência que ainda está presente no coração de muitos de nós: A DE JOGAR A CULPA NO OUTRO, A DE NÃO QUERER ASSUMIR A RESPONSABILIDADE QUE ESTÁ INSEPARAVELMENTE UNIDA AO IMENSO DOM QUE É A LIBERDADE. Ao renunciar à responsabilidade, renunciamos também à liberdade. E ficamos reduzidos a perpétuas crianças.

Maria representa a nova humanidade, feita de homens e mulheres livres e responsáveis, conscientes de que Deus pôs este mundo em nossas mãos e que temos que cuidar dele e o melhorar, compartilhar com nossos irmãos e irmãs. Maria é, assim, FONTE DE ESPERANÇA. É possível uma humanidade nova, é possível um mundo diferente, se acolhemos como ela o fez, o anúncio do Reino em nossos corações, se assumirmos nossa liberdade com responsabilidade e maturidade.

Como vivo minha liberdade? Significa que posso fazer o que me dá vontade sem que me importe com as consequências? Ou assumo de forma responsável as consequências de minhas decisões?


VOLTAR


FONTES DE REFERÊNCIA


Fernando Torres - Missionários Claretianos (Ciudad Redonda)
Liturgia Diária – CNBB
Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos)


 

I Domingo do Advento (Ano A)

A liturgia do I Domingo do Advento apresenta um apelo veemente à VIGILÂNCIA. O cristão não deve instalar-se no comodismo, na passividade, no desleixo, na rotina, na indiferença; mas deve caminhar sempre atento e vigilante se preparado para acolher o Senhor que vem e para responder aos seus desafios.

A primeira leitura convida os homens - todos os homens, de todas as raças e nações - a dirigirem-se à montanha onde reside o Senhor. É do encontro com o Senhor e com a sua Palavra que resultará um mundo de concórdia, de harmonia, de paz sem fim.

A segunda leitura recomenda aos crentes que despertem da letargia que os mantêm presos ao mundo das trevas (o mundo do egoísmo, da injustiça, da mentira, do pecado), que se vistam da LUZ (a vida de Deus, que Cristo ofereceu a todos) e que caminhem, com alegria e esperança, ao encontro de Jesus, ao encontro da salvação.

O EVANGELHO APELA À VIGILÂNCIA. O crente ideal não vive mergulhado nos prazeres que alienam, nem se deixa sufocar pelo trabalho excessivo, nem adormecem numa passividade que rouba as oportunidades; o crente ideal está, a cada minuto, atento e vigilante, acolhendo o Senhor que vem, respondendo aos seus desafios, cumprindo o seu papel, empenhando-se na construção do “REINO”.  


 


Primeira leitura
Salmo Responsorial
Segunda Leitura
Evangelho
Comentário
Fontes de referencia 


Primeira Leitura
VAMOS SUBIR AO MONTE DO SENHOR,
PARA QUE ELE NOS MOSTRE SEUS CAMINHOS
Leitura do Livro do Profeta Isaías (2,1-5) 


1Visão de Isaías, filho de Amós,
sobre Judá e Jerusalém.
2Acontecerá, nos últimos tempos,
que o monte da casa do Senhor
estará firmemente estabelecido
no ponto mais alto das montanhas
e dominará as colinas.
A ele acorrerão todas as nações,
3para lá irão numerosos povos e dirão:
'Vamos subir ao monte do Senhor,
à casa do Deus de Jacó,
para que ele nos mostre seus caminhos
e nos ensine a cumprir seus preceitos';
porque de Sião provém a lei
e de Jerusalém, a palavra do Senhor.
4Ele há de julgar as nações
e argüir numerosos povos;
estes transformarão suas espadas em arados
e suas lanças em foices:
não pegarão em armas uns contra os outros
e não mais travarão combate.
5Vinde, todos da casa de Jacó,
e deixemo-nos guiar pela luz do Senhor.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da primeira leitura


01 - O sonho do profeta começa a realizar-se em Jesus. Ele é a Palavra viva de Deus, que Se fez carne e veio habitar no meio de nós, a fim de trazer a “PAZ AOS HOMENS” amados por Deus; da escuta dessa Palavra, nasce a comunidade universal da salvação, aberta a todos os povos da terra, de que fala a leitura que nos é proposta. Se é verdade que todo o processo tem a marca da iniciativa divina, também é verdade que o homem tem de responder positivamente à ação de Deus: tem de escutar essa proposta, acolhê-la no coração e na vida, partir ao encontro de Deus . Estamos começando o tempo do Advento, tempo de preparação para acolher Jesus  e a proposta de salvação que, através d’Ele, o Pai quer fazer aos homens: estamos dispostos a ir ao seu encontro, a escutar a sua Palavra, a aderir a essa proposta de vida que Ele veio fazer?

02 - Um olhar, ainda que desatento, do mundo que nos rodeia, revela que estamos muito longe dessa terra ideal de justiça e de paz, construída à volta de Deus e da sua Palavra. O que é que está a nos impedindo ou, pelo menos, atrapalhando a chegada desse mundo de justiça e de paz? Nisso, eu não terei a minha parte de responsabilidade? Que posso eu fazer para que o sonho de Isaías – o sonho de todos os homens de boa vontade – se concretize?


VOLTAR


Salmo Responsorial
QUE ALEGRIA, QUANDO ME DISSERAM: VAMOS À CASA DO SENHOR!
Sl 121, 1-2.4-5.6-7.8-9 (R. Cf. 1)


1Que alegria, quando ouvi que me disseram: *
'Vamos à casa do Senhor!'
2E agora nossos pés já se detêm, *
Jerusalém, em tuas portas. 

QUE ALEGRIA, QUANDO ME DISSERAM: VAMOS À CASA DO SENHOR!

4para lá sobem as tribos de Israel, *
as tribos do Senhor.
Para louvar, segundo a lei de Israel, *
o nome do Senhor.*
5A sede da justiça lá está *
e o trono de Davi.

QUE ALEGRIA, QUANDO ME DISSERAM: VAMOS À CASA DO SENHOR!

6Rogai que viva em paz Jerusalém, *
e em segurança os que te amam!
7Que a paz habite dentro de teus muros, *
tranqüilidade em teus palácios!

QUE ALEGRIA, QUANDO ME DISSERAM: VAMOS À CASA DO SENHOR!

8Por amor a meus irmãos e meus amigos, *
peço: 'A paz esteja em ti!'
9Pelo amor que tenho à casa do Senhor, *
eu te desejo todo bem!

QUE ALEGRIA, QUANDO ME DISSERAM: VAMOS À CASA DO SENHOR!


VOLTAR


Segunda Leitura
A SALVAÇÃO ESTÁ MAIS PERTO DE NÓS.
Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos (13,11-14ª)


Irmãos:
11Vós sabeis em que tempo estamos,
pois já é hora de despertar.
Com efeito, agora a salvação está mais perto de nós
do que quando abraçamos a fé.
12A noite já vai adiantada,
o dia vem chegando:
despojemo-nos das ações das trevas
e vistamos as armas da luz.
13Procedamos honestamente, como em pleno dia:
nada de glutonerias e bebedeiras,
nem de orgias sexuais e imoralidades,
nem de brigas e rivalidades.
14Pelo contrário, revesti-vos do Senhor Jesus Cristo.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da segunda leitura


01 - A questão fundamental que está em jogo neste texto é a da CONVERSÃO: os crentes são convidados a deixar a vida das trevas e embarcar, decididamente, na vida da luz… As “trevas” caracterizam essa realidade negativa que produz mentira, injustiça, opressão, medo, cobardia, materialismo (e que é uma realidade que toca tantas vezes, direta ou indiretamente, a nossa existência); a “LUZ” é a realidade de quem vive na dinâmica de Deus… Falar de “CONVERSÃO” implica falar de uma transformação profunda das estruturas e dos corações… Quais são, na sociedade, as estruturas que são responsáveis pelas “trevas” que envolvem a vida de tantos homens? O que é que na Igreja é menos “luminoso” e necessita de conversão? O que é que em mim próprio é necessário transformar com urgência?

02 - Quase todos nós somos pessoas razoáveis e sérias e não andamos todos os dias em bebedeiras, devassidões, libertinagens e discórdias; mas, apesar da nossa bondade e seriedade, é possível que o cansaço, a monotonia, a preguiça nos adormeçam, que caiamos na indiferença, na inércia, na passividade, no comodismo; é possível que deixemos correr as coisas e que esqueçamos os compromissos que um dia assumimos com Jesus e com o “Reino”… É para nós que Paulo grita: “acordai; renovai o vosso entusiasmo pelos valores do Evangelho; é preciso estar preparado para acolher o Senhor que vem”.

03 - Há também, neste texto, um convite à esperança: “O SENHOR VEM! A NOITE VAI ADIANTADA E O DIA ESTÁ PRÓXIMO”. Deus não nos abandona; Ele continua a vir ao nosso encontro e a construir conosco esse mundo novo de justiça e de paz… Por muito que nos assustem as trevas que envolvem o mundo, a presença de Deus garante-nos que a injustiça, a exploração, a morte não são o final inevitável: A ÚLTIMA PALAVRA QUE A HISTÓRIA VAI OUVIR É A PALAVRA LIBERTADORA E SALVADORA DE DEUS.


VOLTAR


Evangelho
FICAI ATENTOS E PREPARADOS!
Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus (24,37-44)


Naquele tempo, Jesus disse aos seus discípulos:
37'A vinda do Filho do Homem será como no tempo de Noé.
38Pois nos dias, antes do dilúvio, todos comiam e bebiam,
casavam-se e davam-se em casamento,
até o dia em que Noé entrou na arca.
39E eles nada perceberam
até que veio o dilúvio e arrastou a todos.
Assim acontecerá também na vinda do Filho do Homem.
40Dois homens estarão trabalhando no campo:
um será levado e o outro será deixado.
41Duas mulheres estarão moendo no moinho:
uma será levada e a outra será deixada.
42Portanto, ficai atentos!
porque não sabeis em que dia virá o Senhor.
43Compreendei bem isso: se o dono da casa
soubesse a que horas viria o ladrão,
certamente vigiaria e não deixaria
que a sua casa fosse arrombada.
44Por isso, também vós ficai preparados!
Porque na hora em que menos pensais,
o Filho do Homem virá.
Palavra da Salvação.


Referencias para reflexão do Evangelho


01 - O que é que significa para nós “estar VIGILANTES, ATENTOS, PREPARADOS” para acolher o Senhor? Significa, fundamentalmente, acolher todas as oportunidades de salvação que Deus nos oferece continuamente… Se Ele vem ao meu encontro, me desafia a cumprir uma determinada missão e eu prefiro continuar a viver a minha “vidinha” fácil e sem compromisso, estou perdendo uma oportunidade de dar sentido à minha vida; se Ele vem ao meu encontro, me convida a partilhar algo com os meus irmãos mais pobres e eu escolho a avareza e o egoísmo, estou perdendo uma oportunidade de abrir o meu coração ao amor, à alegria, à felicidade…

02 - O Evangelho que nos é proposto apresenta alguns dos motivos que impedem o homem de “acolher o Senhor que vem”… Fala da opção por “gozar a vida”, sem ter tempo nem espaço para compromissos sérios; quanta gente, no domingo, tem todo o tempo do mundo para dormir até ao meio dia, mas não para celebrar a fé com a sua comunidade cristã… Fala do viver obcecado com o trabalho, esquecendo tudo mais; quanta gente trabalha quinze horas por dia e esquece que tem uma família e que os filhos precisam de amor… Fala do adormecer, do instalar-se, não prestando atenção às realidades mais essenciais; quanta gente encolhe os ombros diante do sofrimento dos irmãos e diz que não tem nada com isso, pois é o governo ou o Papa que têm que resolver a situação… E eu: o que é que na minha vida me afasta do essencial e me impede, tantas vezes, de estar atento ao Senhor que vem?

03 - Neste tempo de preparação para a celebração do nascimento de Jesus, sou convidado a centrar a minha vida no essencial, a redescobrir aquilo que é importante, a estar atento às oportunidades que o Senhor, dia a dia, me oferece, acordar para os compromissos que assumi para com Deus e para com os irmãos, a empenhar-me na construção do “REINO”… É essa a melhor forma – ou melhor, a única forma – de preparar a vinda do Senhor.


VOLTAR


Comentário
ESTEJAM PREPARADOS!


Há pessoas que vivem a vida inteira em um mesmo local, na mesma cidade. Às vezes nem sequer saem do bairro. Dizem de um filósofo alemão que durante muitíssimos anos os vizinhos acertavam os relógios na hora em que ele sai de sua casa para dar seu passeio de todas as tardes. Não é assim a vida do cristão. Nós sabemos que estamos de passagem. Colocamos nossas moradas aqui por um momento, mas chegará outro momento em que teremos que partir. Quando? QUANDO VIER O SENHOR. E, quando vai ser isso? Pois não o sabemos. Mas sabemos que devemos estar sempre preparados porque a qualquer momento chegará o Senhor em nossas vidas. Então devemos saber o acolher e o seguir e acompanhá-lo para onde nos convide a ir. Este é o significado do ADVENTO que hoje começamos. Preparamo-nos para celebrar a vinda do Senhor no Natal, mas também nos preparamos para a outra vinda, a futura, a definitiva, a que não podemos perder porque perderíamos a oportunidade de nossa vida.

O Evangelho nos diz que a vinda do Senhor romperá todas as atividades habituais, aquilo que acontece ordinariamente em nossos dias. Deixar-se-á de fazer pão, de cultivar os campos, de ir ao trabalho, de se casar. Porque nesse dia começará algo radicalmente novo. Algo tão novo que é possível que sigamos fazendo pão e cultivando os campos e indo ao trabalho, mas tudo terá um sentido novo e diferente porque o SENHOR ESTARÁ NO MEIO DE NÓS. Sua presença curará nossas feridas e fará com que a justiça e a paz reinem entre as pessoas e os povos. Sua presença fará com que nossa vida seja diferente. Por isso, devemos estar atentos. Não podemos deixar que o Senhor nos encontre despreparados.  

É tempo de prestar atenção ao que nos diz são Paulo na carta aos Romanos. Já é hora de acordar porque a salvação está perto. Não sabemos como, nem quando virá Jesus, mas sabemos que temos que estar preparados. E para estar preparados, ele nos dá os melhores conselhos: vamos deixar de lado as obras da escuridão, não nos deixar ser levados pela inveja, a cobiça e o desamor. Vamos viver como se Jesus já estivesse aqui, pois, está e a melhor forma de estar preparados. Trata-se de viver à luz do Evangelho, deixando-nos levar pelo amor de Deus que cuida de seus filhos, de sua família, de nós. Voltemos os olhos para aqueles com os quais vivemos. Com eles, nunca sem eles nem contra eles, é como construiremos a solidariedade e a justiça que farão com que nosso Senhor nos encontre preparados quando chegar.

Se o Senhor chegasse hoje a minha casa, me encontraria preparado para sua vinda? Que coisas teria que tirar de minha vida? Que coisas teria que melhorar em minha vida? Que teria que fazer em minha vida de família, em minha relação com os amigos e no trabalho? Há aí coisas para mudar ou melhorar?


VOLTAR


FONTES DE REFERÊNCIA


Fernando Torres - Missionários Claretianos (Ciudad Redonda)
Liturgia Diária – CNBB
Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos)


 

Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo (Ano C)

A Palavra de Deus, neste último domingo do ano litúrgico, convida-nos a tomar consciência da realeza de Jesus. Deixa claro, no entanto, que essa realeza não pode ser entendida à maneira dos reis deste mundo: É UMA REALEZA QUE SE EXERCE NO AMOR, NO SERVIÇO, NO PERDÃO, NO DOM DA VIDA.

A primeira leitura apresenta-nos o momento em que Davi se tornou rei de todo o Israel. Com ele, iniciou-se um tempo de felicidade, de abundância, de paz, que ficou na memória de todo o Povo de Deus. Nos séculos seguintes, o Povo sonhava com o regresso a essa era de felicidade e com a restauração do reino de Davi; e os profetas prometeram a chegada de um descendente de Davi que iria realizar esse sonho.

O Evangelho apresenta-nos a realização dessa promessa: JESUS É O MESSIAS (REI) enviado por Deus, que veio tornar realidade o velho sonho do Povo de Deus e apresentar aos homens o “Reino”; no entanto, o “Reino” que Jesus propôs não é um Reino construído sobre a força, a violência, a imposição, mas sobre o amor, o perdão, o dom da vida.

A segunda leitura apresenta um hino que celebra a realeza e a soberania de Cristo sobre toda a criação; além disso, põe em relevo o seu papel fundamental como fonte de vida para o homem.


 


Primeira Leitura
Salmo Responsorial
Segunda Leitura
Evangelho
Comentário
Referencias


Primeira Leitura
ELES UNGIRAM DAVI COMO REI DE ISRAEL.
Leitura do Segundo Livro de Samuel (5,1-3) 


Naqueles dias:
1Todas as tribos de Israel vieram
encontrar-se com Davi em Hebron e disseram-lhe:
Aqui estamos. Somos teus ossos e tua carne.
2Tempo atrás, quando Saul era nosso rei,
eras tu que dirigias os negócios de Israel.
E o Senhor te disse: Tu apascentarás o meu povo Israel
e serás o seu chefe'.
3Vieram, pois, todos os anciãos de Israel
até ao rei em Hebron.
O rei Davi fez com eles uma aliança em Hebron,
na presença do Senhor, e eles o ungiram rei de Israel.

Palavra do Senhor.

Referencias para reflexão da primeira leitura


01 - O que é que a história de Davi tem a ver com a Festa de Jesus Cristo, Rei do Universo? Jesus Cristo, o Messias, Rei de Israel, descendente de Davi, é considerado no Novo Testamento a resposta de Jahwéh aos sonhos e expectativas do Povo de Deus. Ele veio para restaurar, ao jeito de Deus e na lógica de Deus, o reino de Davi. Jesus é, portanto, o Rei que, à imagem do que Davi fez com Israel, apascenta o novo Povo de Deus (veremos, mais à frente, como deve ser entendida a realeza de Jesus). Que significa, para mim, dizer que Jesus é Rei?
02 - O reinado de Davi é apresentado com um tempo ideal de unidade, de paz e de felicidade; no entanto, conheceu, também, tudo aquilo que costuma caracterizar os reinados humanos: tronos, riquezas, exércitos, batalhas, injustiças, intrigas de corte, lutas pelo poder, assassínios, corrupção… Falar do “Reino” de Jesus terá algo a ver com isto? Estes esquemas cabem de alguma forma, na lógica de Deus?


Voltar


Salmo Responsorial
QUANTA ALEGRIA E FELICIDADE: VAMOS À CASA DO SENHOR!
Sl 121,1-2.4-5 (R. Cf.1)


1Que alegria, quando ouvi que me disseram:*
'Vamos à casa do Senhor!'
2E agora nossos pés já se detêm,*
Jerusalém, em tuas portas.
QUANTA ALEGRIA E FELICIDADE: VAMOS À CASA DO SENHOR!
4para lá sobem as tribos de Israel,*
as tribos do Senhor.
Para louvar, segundo a lei de Israel,
o nome do Senhor.*
5A sede da justiça lá está e o trono de Davi.
QUANTA ALEGRIA E FELICIDADE: VAMOS À CASA DO SENHOR!


Voltar


Segunda Leitura
RECEBEU-NOS NO REINO DE SEU FILHO AMADO.
Leitura da Carta de São Paulo aos Colossenses (1,12-20)


Irmãos:

12Com alegria dai graças ao Pai,
que vos tornou capazes de participar da luz,
que é a herança dos santos.
13Ele nos libertou do poder das trevas
e nos recebeu no reino de seu Filho amado,
14por quem temos a redenção, o perdão dos pecados.
15Ele é a imagem do Deus invisível,
o primogênito de toda a criação,
16pois por causa dele foram criadas todas as coisas
no céu e na terra,
as visíveis e as invisíveis,
tronos e dominações, soberanias e poderes.
Tudo foi criado por meio dele e para ele.
17Ele existe antes de todas as coisas
e todas têm nele a sua consistência.
18Ele é a Cabeça do corpo, isto é, da Igreja.
Ele é o Princípio,
o Primogênito dentre os mortos;
de sorte que em tudo ele tem a primazia,
19porque Deus quis habitar nele com toda a sua plenitude
20e por ele reconciliar consigo todos os seres,
os que estão na terra e no céu,
realizando a paz pelo sangue da sua cruz.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da segunda leitura


01 - A festa de Cristo Rei, que encerra o ano litúrgico, celebra a soberania e o poder de Cristo sobre toda a criação. A leitura que acabámos de ler diz, a este propósito, que em Cristo, Deus revela-Se; que Ele tem a supremacia e autoridade sobre todos os seres criados; que Ele é o centro de todo o universo e que tudo tende e converge para Ele… Isto equivale a definir CRISTO COMO O CENTRO DA VIDA E DA HISTÓRIA, a coordenada fundamental à volta da qual tudo se constrói. Cristo tem, de fato, esta centralidade na vida dos homens e mulheres do nosso tempo, ou há outros deuses e referências que usurparam o seu lugar? Quais são esses outros “reis” que ocuparam o “trono” que pertence a Cristo? Esses “reis” trouxeram alguma “valia” à vida dos homens, ou apenas criaram escravidão e desumanização? O que podemos fazer para que a nossa sociedade reconheça em Cristo o seu “rei”?

02 - Em termos pessoais: Cristo é o centro, referência fundamental à volta da qual a minha vida se articula e se constrói? O que é que Ele significa para mim, não em termos de definição teórica, mas em termos existenciais?

03 - A Festa de Cristo Rei é, também, a festa da soberania de Cristo sobre a comunidade cristã. A Igreja é um corpo, do qual Cristo é a cabeça; é Cristo que reúne os vários membros numa comunidade de irmãos que vivem no amor; é Cristo que a todos alimenta e dá vida; é Cristo o termo dessa caminhada que os crentes fazem ao encontro da vida em plenitude. Esta centralidade de Cristo tem estado sempre presente na reflexão, na catequese e na vida da Igreja? É que muitas vezes falamos mais de autoridade e de obediência do que de Cristo; de castidade, de celibato e de leis canônicas, do que do Evangelho; de dinheiro, de poder e de direitos da Igreja, do que do “Reino”… Cristo é, não em teoria, mas de fato, o centro de referência da Igreja no seu todo e de cada uma das nossas comunidades cristãs em particular? Não damos, às vezes, mais importância às leis feitas pelos homens do que a Cristo? Não há, tantas vezes, “santos”, “santinhos” e “santões” que assumem um valor exagerado na vivência de certos cristãos, e que ocultam ou fazem esquecer o essencial?


Voltar


Evangelho
É SENHOR, LEMBRA-TE DE MIM, QUANDO
ENTRARES NO TEU REINADO.
Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas (23,35-43)


Naquele tempo:
35Os chefes zombavam de Jesus dizendo:
'A outros ele salvou. Salve-se a si mesmo,
se, de fato, é o Cristo de Deus, o Escolhido!'
36Os soldados também caçoavam dele;
aproximavam-se, ofereciam-lhe vinagre,
37e diziam: 'Se és o rei dos judeus,
salva-te a ti mesmo!'
38Acima dele havia um letreiro:
'Este é o Rei dos Judeus.'
39Um dos malfeitores crucificados o insultava, dizendo:
'Tu não és o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós!'
40Mas o outro o repreendeu, dizendo:
'Nem sequer temes a Deus,
tu que sofres a mesma condenação?
41Para nós, é justo,
porque estamos recebendo o que merecemos;
mas ele não fez nada de mal.'
42E acrescentou: 'Jesus, lembra-te de mim,
quando entrares no teu reinado.'
43Jesus lhe respondeu: 'Em verdade eu te digo:
ainda hoje estarás comigo no Paraíso.'
Palavra da Salvação.


Referencias para reflexão do Evangelho


01 - Celebrar a Festa de Cristo Rei do Universo NÃO é celebrar um Deus forte, dominador que Se impõe aos homens do alto da sua omnipotência e que os assusta com gestos espetaculares; mas é celebrar um Deus que serve, que acolhe e que reina nos corações com a força desarmada do amor. A cruz – ponto de chegada de uma vida gasta construindo o “Reino de Deus” – é o trono de um Deus que recusa qualquer poder e escolhe reinar no coração dos homens através do amor e do dom da vida.

02 - Em termos pessoais, a Festa de Cristo Rei convida-nos, também, a repensar a nossa existência e os nossos valores. Diante deste “rei” despojado de tudo e pregado numa cruz, não nos parecem completamente ridículas as nossas pretensões de honras, de glórias, de títulos, de aplausos, de reconhecimentos? Diante deste “rei” que dá a vida por amor, não nos parecem completamente sem sentido as nossas manias de grandeza, as lutas para conseguirmos mais poder, as invejas mesquinhas, as rivalidades que nos magoam e separam dos irmãos? Diante deste “rei” que se dá sem guardar nada para si, não nos sentimos convidados a fazer da vida um dom?


Voltar


Comentário
JESUS REI? ESTÁ VOCÊ SEGURO?


A leitura do Evangelho que a Igreja nos propõe para este dia nos deixa um pouco confuso. É o último domingo do ano e a liturgia dedica-o a Cristo Rei. A Igreja quer que lhe vejamos em triunfo, como aquele em quem chega a plenitude em todas as coisas. Com ele, o Reino de Deus deixará de ser um sonho para começar a ser realidade plena. Como é possível que o Evangelho nos apresente a Jesus na cruz? Os condenados a morte não triunfaram nunca ao longo da história. Quando muito conseguiram que alguns nostálgicos derramassem algumas lágrimas por eles. Mas nada mais. Os governantes de qualquer país sabem que o melhor que pode ser feito com a oposição é a eliminar.

Porém, o caso de Jesus é diferente. Dá a impressão de que seu reinado não é exatamente igual aos dos governos e reinos deste mundo. Jesus é um homem que, a ponto de morrer na cruz, ainda desperta paixões opostas. Uns riem dele e outros afirmam sua inocência. Mais ainda. No momento da cruz o mesmo Jesus é capaz de prometer o paraíso ao homem que está crucificado a seu lado.

É que seu reino não é deste mundo. Seu reino é o reinado de Deus que junta e recolhe a todos seus filhos e filhas dispersos para convertê-los em uma família. No reino de Deus não somos súditos. Também não somos cidadãos. SOMOS FILHOS. Absolutamente diferente.     

Desde essa perspectiva entendemos melhor a plenitude a que se refere a leitura da carta aos Colossenses. Quando aí se afirma a superioridade de Jesus sobre todas as coisas e sobre todas as pessoas, quando nos diz que nele o Reino de Deus vai chegar a sua plenitude, não significa que em seu tempo esse reino vá ser próspero economicamente. Também não significa que farão grandiosas obras e monumentos como costumam fazer nossos governantes para perpetuar sua memória. Nem sequer terá o maior e mais poderosos exércitos do mundo. Nenhuma dessas coisas. Em um reino onde todos somos irmãos e Deus, o centro e origem de tudo, é nosso pai, a plenitude se verá ao se realizar para valer a fraternidade, a solidariedade e a justiça entre todos e todas. A plenitude chegará porque, como em uma boa família, todos porão a confiança no pai de quem procedemos e em quem encontramos o amor que nos faz falta para viver e chegar à nossa própria plenitude. E tudo isso sem fronteiras, sem divisões por razão de raça, cultura, religião ou nacionalidade, porque toda a humanidade, junto de toda a criação será chamada a participar dessa plenitude. JESUS É O REI DESSE REINO. Precisamente por isso morreu na cruz. Precisamente por isso, Deus, o Pai que ama a vida, o ressuscitou e hoje mantemos viva a esperança do Reino.

Estamos todos, que formamos nossa comunidade, a serviço uns de outros? Esforçamo-nos para que entre nós reine a fraternidade, a solidariedade e a justiça? Mantemos a esperança apesar das dificuldades que encontramos no caminho?


Voltar


FONTES DE REFERÊNCIA


Fernando Torres - Missionários Claretianos (Ciudad Redonda) 
Liturgia Diária – CNBB 
Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos)


 

XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano C)

A liturgia do XXXIII Domingo do Tempo Comum reflete sobre o sentido da história da salvação e nos diz que a meta final para onde Deus nos conduz é o novo céu e a nova terra da felicidade plena, da vida definitiva. Este quadro (que deve ser o horizonte que os nossos olhos contemplam em cada dia da nossa caminhada neste mundo) faz nascer em nós a esperança; e da esperança brota a coragem para enfrentar a adversidade e para lutar pelo advento do Reino.

Na primeira leitura, um “MENSAGEIRO DE DEUS” anuncia a uma comunidade desanimada, céptica e apática que Jahwéh não abandonou o seu Povo. O Deus libertador vai intervir no mundo, vai derrotar o que oprime e rouba a vida e vai fazer com que nasça esse “sol da justiça” que traz a salvação.

O Evangelho oferece-nos uma reflexão sobre o percurso que a Igreja é chamada a percorrer, até à segunda vinda de Jesus. A missão dos discípulos em caminhada na história é comprometer-se na transformação do mundo, de forma a que a velha realidade desapareça e nasça o Reino. Esse “CAMINHO” será percorrido no meio de dificuldades e perseguições; mas os discípulos terão sempre a ajuda e a força de Deus.

A segunda leitura reforça a idéia de que, enquanto esperamos a vida definitiva, não temos o direito de nos instalarmos na preguiça e no comodismo, alheando-nos das grandes questões do mundo e evitando dar o nosso contributo na construção do Reino.


 


Primeira Leitura
Salmo Responsorial
Segunda Leitura
Evangelho
Comentário
Referencias


Primeira Leitura
NASCERÁ PARA VÓS O SOL DA JUSTIÇA.
Leitura da Profecia de Malaquias (3,19-20a)


19Eis que virá o dia, abrasador como fornalha,
em que todos os soberbos e ímpios serão como palha;
e esse dia vindouro haverá de queimá-los,
diz o Senhor dos exércitos,
tal que não lhes deixará raiz nem ramo.
20aPara vós, que temeis o meu nome,
nascerá o sol da justiça,
trazendo salvação em suas asas.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da primeira leitura


01 - Muitas vezes temos a sensação de que o nosso mundo caminha para o abismo e que nada o pode deter. Olhamos para o mapa dos conflitos bélicos e vemos pintados de sangue o presente e o futuro de tantos povos; olhamos para a natureza e a vemos devorados pelos interesses das multinacionais da indústria; olhamos para as pessoas e as vemos fechadas no seu cantinho, desinteressadas das grandes questões, sem grandes idéias que possam mudar este quadro... A questão é: a esperança ainda faz sentido? Este mundo tem saída? Um profeta anônimo de há 2450 anos dá voz à esperança e garante-nos: DEUS NÃO NOS ABANDONOU; ELE VAI INTERVIR – ELE ESTÁ SEMPRE A INTERVIR – NO MUNDO…

02 - É preciso ter consciência de que a intervenção libertadora de Deus não deve ser projetada apenas para o “último dia” do mundo… Ela acontece a cada instante; e nós devemos estar numa espera vigilante e ativa, a fim de sabermos reconhecer e acolher de braços abertos a intervenção salvadora e libertadora de Deus na nossa história e na nossa vida.

03 - Muitas vezes esta profecia e outras semelhantes são usadas para incutir medo: “está chegando o fim do mundo e quem, até lá, não ganhar juízo, irá sofrer castigos pavorosos e ser atirado para o inferno”… Interpretar estes textos desta forma é distorcer gravemente a Palavra de Deus: eles não pretendem amedrontar-nos, mas fortalecer a nossa esperança no Deus libertador e nos dar a coragem necessária para enfrentar os dramas da vida e da história.


Voltar


Salmo Responsorial
O SENHOR VIRÁ JULGAR A TERRA INTEIRA;
COM JUSTIÇA JULGARÁ.
Sl 97,5-6.7-8.9a.9bc (R. cf. 9)


5Cantai salmos ao Senhor ao som da harpa*
e da cítara suave!
6Aclamai, com os clarins e as trombetas,*
ao Senhor, o nosso Rei! 

O SENHOR VIRÁ JULGAR A TERRA INTEIRA;
COM JUSTIÇA JULGARÁ.

7Aplauda o mar com todo ser que nele vive,*
o mundo inteiro e toda gente!
8As montanhas e os rios batam palmas*
e exultem de alegria. 

O SENHOR VIRÁ JULGAR A TERRA INTEIRA;
COM JUSTIÇA JULGARÁ.

9aExultem na presença do Senhor, pois ele vem,*
vem julgar a terra inteira.
9bJulgará o universo com justiça*
9ce as nações com eqüidade.

O SENHOR VIRÁ JULGAR A TERRA INTEIRA;
COM JUSTIÇA JULGARÁ.


Voltar


Segunda Leitura
QUEM NÃO QUER TRABALHAR, TAMBÉM NÃO DEVE COMER.
Leitura da Carta de São Paulo aos Tessalonicenses (3,7-12)


Irmãos:
7Bem sabeis como deveis seguir o nosso exemplo,
pois não temos vivido entre vós na ociosidade.
8De ninguém recebemos de graça o pão que comemos.
Pelo contrário, trabalhamos com esforço e cansaço,
de dia e de noite,
para não sermos pesados a ninguém.
9Não que não tivéssemos o direito de fazê-lo, mas
queríamos apresentar-nos como exemplo a ser imitado.
10Com efeito, quando estávamos entre vós,
demos esta regra:
'Quem não quer trabalhar, também não deve comer'.
11Ora, ouvimos dizer que entre vós há alguns que vivem à
toa, muito ocupados em não fazer nada.
12Em nome do Senhor Jesus Cristo,
ordenamos e exortamos a estas pessoas que,
trabalhando, comam na tranqüilidade o seu próprio pão.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da segunda leitura


01 - Ao contrário do que dizem alguns “iluminados”, o cristianismo não fomenta a evasão deste mundo, nem pretende fazer alienados que vivam de olhos postos no céu e passem ao lado das lutas dos outros homens… Pelo contrário, o cristianismo vivido com verdade, seriedade e coerência, fortalece o empenho na construção de um mundo mais justo e mais fraterno, todos os dias, vinte e quatro horas por dia. O “REINO DE DEUS” é uma realidade que atingirá o ponto culminante na vida futura; mas começa a construir-se aqui e agora e exige o esforço e o empenho de todos. A minha atitude é a de quem se comprometeu com o “Reino” e procura construí-lo em cada instante da sua existência?

02 - Nas comunidades cristãs encontramos, com frequência, pessoas que falam muito e mandam muito, mas fazem muito pouco e, muitas vezes, ainda se aproveitam dos trabalhos dos outros para se enfeitar de louros… Também encontramos aqueles que são apenas “consumidores passivos” daquilo que a comunidade constrói, mas não se esforçam minimamente por colaborar. Qual é a minha atitude em face disto? Dou o meu contributo na construção da comunidade? Ponho a render os meus dons?

03 - A Palavra interpela também as comunidades religiosas… A vida religiosa pode ser apenas uma vida cômoda para pessoas que gostam de viver sem ambições… É preciso cuidado para não nos tornarmos parasitas da sociedade (e, muitas vezes, de pessoas que vivem muito pior do que nós e que ainda partilham conosco o pouco que têm): a nossa missão é tornarmo-nos “SINAIS” que anunciam o mundo novo e trabalhar para que esse mundo novo seja uma realidade.


Voltar


Evangelho
É PERMANECENDO FIRMES QUE IREIS GANHAR A VIDA!
Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas (21,5-19)


Naquele tempo:
5Algumas pessoas comentavam a respeito do Templo
que era enfeitado com belas pedras
e com ofertas votivas.
Jesus disse:
6'Vós admirais estas coisas?
Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra.
Tudo será destruído.'
7Mas eles perguntaram:
'Mestre, quando acontecerá isto? E qual vai ser o sinal
de que estas coisas estão para acontecer?
8Jesus respondeu: 'Cuidado para não serdes enganados,
porque muitos virão em meu nome, dizendo:
'Sou eu!' e ainda: 'O tempo está próximo.'
Não sigais essa gente!
9Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções,
não fiqueis apavorados.
É preciso que estas coisas aconteçam primeiro,
mas não será logo o fim.'
10E Jesus continuou:
'Um povo se levantará contra outro povo,
um país atacará outro país.
11Haverá grandes terremotos,
fomes e pestes em muitos lugares;
acontecerão coisas pavorosas
e grandes sinais serão vistos no céu.
12Antes, porém, que estas coisas aconteçam,
sereis presos e perseguidos;
sereis entregues às sinagogas e postos na prisão;
sereis levados diante de reis e governadores
por causa do meu nome.
13Esta será a ocasião em que testemunhareis a vossa fé.
14Fazei o firme propósito
de não planejar com antecedência a própria defesa;
15porque eu vos darei palavras tão acertadas,
que nenhum dos inimigos vos poderá resistir ou rebater.
16Sereis entregues até mesmo pelos próprios pais,
irmãos, parentes e amigos.
E eles matarão alguns de vós.
17Todos vos odiarão por causa do meu nome.
18Mas vós não perdereis
um só fio de cabelo da vossa cabeça.
19É permanecendo firmes que ireis ganhar a vida!
Palavra da Salvação.


Referencias para reflexão do Evangelho


01 - O que parece, aqui, fundamental, não é o discurso sobre o “fim do mundo”, mas sim o discurso sobre o percurso que devemos percorrer, até chegarmos à plenitude da história humana… Trata-se de uma caminhada que não nos leva ao aniquilamento, à destruição absoluta, ao fracasso total, mas à vida nova, à vida plena; por isso, deve ser uma caminhada que devemos percorrer de cabeça levantada, cheios de alegria e de esperança.

02 - É, sem dúvida, uma caminhada contaminada de dificuldades, de lutas, onde o bem e o mal se confrontarão sem cessar; mas é um percurso onde o mundo novo irá surgindo – embora com avanços e recuos – e onde a semente do “REINO” irá germinando. Aos crentes pede-se que reconheçam os “sinais” do “Reino”, que se alegrem porque o “Reino” está presente e que se esforcem por tornar possível essa nova realidade. A nossa vida não pode ser um ficar de braços cruzados olhando para o céu, mas um compromisso sério e empenhado, de forma a que floresça o mundo novo da justiça, do amor e da paz. Quais são os sinais de esperança que eu contemplo e que me fazem acreditar na chegada iminente do “Reino”? O que posso fazer, no dia a dia, para apressar a chegada do “Reino”? Nessa caminhada, os crentes sabem que não estão sós, mas que Deus vai com eles… É essa presença constante e amorosa que lhes permitirá enfrentar as forças da morte; é essa força de Deus que permitirá aos discípulos de Jesus vencer o desânimo, a adversidade, o medo.

03 - Alguns sinais de desagregação do mundo velho, que todos os dias contemplamos, não devem assustar-nos: eles são, apenas, sinais de que estamos nascendo para algo novo e melhor. Perder certas referências pode nos assustar e desarrumar os nossos esquemas e certezas; mas todos sabem que é impossível construir algo melhor, sem a destruição do que é velho e caduco.


Voltar


Comentário
APROXIMA-SE O FINAL?


Os meios de comunicação atuais nos oferecem imagens de todo mundo em tempo real, isto é, ao vivo. Em um mesmo noticiário de televisão podemos ver as imagens de enormes inundações na China, os incêndios em alguma região de nosso país e os confrontos brutais dos manifestantes com a polícia em algum local do Mundo, passando pela maré negra em algumas praias, a última crise entre israelenses e palestinos, a marginalização a que estão submetidas as mulheres ou a fome quase crônica e terrível em algum local da África. E muitas outras notícias que enchem a tela de nosso televisor de más notícias, de desastres naturais e humanos que não sabemos bem como vamos ser capazes de enfrentar. APROXIMA-SE O FINAL? Será capaz nosso mundo de aguentar a investida da contaminação que nós mesmos provocamos? Será capaz nossa sociedade humana de ser mais justa e de promover os direitos de todos os homens e mulheres sem exceção?

Temos de reconhecer que às vezes ficamos na dúvida. Temos a sensação de que o fim está perto e ficamos com medo. A final todas essas coisas acontecem a outros, passam em outros locais. Nós temos nosso pequeno recanto de paz. E nos dá medo perdê-lo. Sentimos que todas essas coisas ameaçam nossa tranquilidade.

Chega Jesus e no diz que não nos preocupemos, tranquilidade. Diz Jesus que certamente vão acontecer muitas coisas, e coisas más: guerras, insurgências, terremotos, fomes e pragas. Inclusive sinais extraordinários no céu. Com tudo isso, devemos seguir tranquilos. Porque há mais: os crentes serão entregues à autoridade. Seremos tratados como criminosos. Porém, tudo isso não será mais que uma oportunidade para dar testemunho de nossa fé. MAS VÓS NÃO PERDEREIS UM SÓ FIO DE CABELO DA VOSSA CABEÇA.

Por tanto, a mensagem de hoje é clara: TRANQUILIDADE E CONFIANÇA. Como nos diz são Paulo na segunda leitura: é tempo para trabalhar com normalidade, para viver uma vida decente atendendo a nossos próprios assuntos e sem nos inquietar nem a nós mesmos nem aos demais. É tempo de dar depoimento de nossa fé cristã, uma fé que sabe construir a comunidade, a família de todos os filhos de Deus no meio de todas essas coisas que passam em nosso mundo. Não devemos ficar nervosos pensando no que vai acontecer no futuro e esquecer de viver o presente, nosso presente, dia-a-dia, minuto a minuto, como cristão.

O que você pensa quando assistes o noticiário da televisão e ouve todas as más notícias? Como você testemunha sua fé aqui e agora? Você comunica serenidade, paz e fé àqueles que vivem com você? O que você faz para ajudar a edificar o Reino, a família de Deus com aqueles que estão ao seu redor?


Voltar


FONTES DE REFERÊNCIA


Fernando Torres - Missionários Claretianos (Ciudad Redonda)
Liturgia Diária – CNBB
Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos)

 

XXXII Domingo do Tempo Comum (Ano C)

A liturgia deste XXXII domingo do Tempo Comum propõe-nos uma reflexão sobre os horizontes últimos do homem e garante-nos a vida que não acaba.

Na primeira leitura, temos o testemunho de sete irmãos que deram a vida pela sua fé, durante a perseguição movida contra os judeus por Antíoco IV Epifanes. Aquilo que motivou os sete irmãos mártires, que lhes deu força para enfrentar a tortura e a morte foi, precisamente, a certeza de que Deus reserva a vida eterna àqueles que, neste mundo, percorrem, com fidelidade, os seus caminhos.

No Evangelho, JESUS GARANTE QUE A RESSURREIÇÃO É A REALIDADE QUE NOS ESPERA. No entanto, não vale a pena julgar e imaginar essa realidade à luz das categorias que marcam a nossa existência finita e limitada neste mundo; a nossa existência de ressuscitados será uma existência plena, total, nova. A forma como isso acontecerá é um mistério; mas a ressurreição é uma certeza absoluta no horizonte do crente.

Na segunda leitura temos um convite para manter o diálogo e a comunhão com Deus, enquanto esperamos que chegue a segunda vinda de Cristo e a vida nova que Deus nos reserva. Só com a oração será possível nos manter fiéis ao Evangelho e ter a coragem de anunciar a todos os homens a Boa Nova da salvação.


 

 


Primeira Leitura
Salmo Responsorial
Segunda Leitura
Evangelho
Comentário
Referencias


Primeira Leitura
O REI DO UNIVERSO NOS RESSUSCITARÁ PARA UMA VIDA ETERNA.
Leitura do Segundo Livro dos Macabeus (7,1-2.9-14)


Naqueles dias:
1Aconteceu que foram presos
sete irmãos, com sua mãe,
aos quais o rei,
por meio de golpes de chicote e de nervos de boi,
quis obrigar a comer carne de porco,
que lhes era proibida.
2Um deles, tomando a palavra
em nome de todos, falou assim:
'Que pretendes?
E que procuras saber de nós?
Estamos prontos a morrer,
antes que violar as leis de nossos pais'.
9O segundo, prestes a dar o último suspiro, disse:
'Tu, ó malvado,
nos tiras desta vida presente.
Mas o Rei do universo nos ressuscitará
para uma vida eterna,
a nós que morremos por suas leis'.
10Depois deste, começaram a torturar o terceiro.
Apresentou a língua logo que o intimidaram
e estendeu corajosamente as mãos.
11E disse, cheio de confiança:
'Do Céu recebi estes membros;
por causa de suas leis os desprezo,
pois do Céu espero recebê-los de novo'.
12O próprio rei e os que o acompanhavam
ficaram impressionados
com a coragem desse adolescente,
que considerava os sofrimentos como se nada fossem.
13Morto também este,
submeteram o quarto irmão aos mesmos suplícios,
desfigurando-o.
14Estando quase a expirar, ele disse:
'Prefiro ser morto pelos homens
tendo em vista a esperança dada por Deus,
que um dia nos ressuscitará.
Para ti, porém, ó rei,
não haverá ressurreição para a vida!'
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da primeira leitura


01 - Como é que termina a nossa vida? Os sonhos que procuramos concretizar, as nossas realizações mais queridas, do que nos valem se nos espera um dia, inevitavelmente, a morte? Estamos condenados a deixar e a perder tudo aquilo que amamos? A nossa morte é uma viagem fatal em direção ao nada? Estas perguntas são eternas; e um catequista de Israel já as colocava… A sua fé ditou-lhe, no entanto, a certeza de que a vida continua para além desta terra. É essa certeza que ele nos deixa, neste texto; e é essa experiência de fé que ele nos convida a fazer.

02 - Quem acredita na ressurreição não pode deixar-se paralisar pelo medo… Pode comprometer-se na luta pela justiça e pela verdade, na certeza de que as forças da morte não o podem vencer ou destruir. É essa certeza que animou o testemunho de tantos mártires de ontem e de hoje… É essa certeza que anima a minha luta e que dá força ao meu compromisso?

03 - É, sem dúvida, inspiradora a “teimosia” com que estes irmãos defendem os valores em que acreditam. Num mundo em que o que é verdade de manhã, deixou de ser verdade à tarde, em que o partido dos oportunistas tem cada vez mais simpatizantes e em que todos os meios são legítimos para alcançar certos fins, o testemunho destes mártires é uma poderosa interpelação… Somos capazes de defender, com verdade e verticalidade aquilo em que acreditamos? Somos capazes de lutar, ainda que contra a corrente, pelos valores que nos parecem mais significativos e duradouros?


Voltar


Salmo Responsorial
AO DESPERTAR, ME SACIARÁ VOSSA PRESENÇAE VEREI A VOSSA FACE!
Sl 16,1.5-6.8b.15 (R. 15)


1Ó Senhor, ouvi a minha justa causa,*
escutai-me e atendei o meu clamor!
Inclinai o vosso ouvido à minha prece,*
pois não existe falsidade nos meus lábios! 
AO DESPERTAR, ME SACIARÁ VOSSA PRESENÇAE VEREI A VOSSA FACE!

5Os meus passos eu firmei na vossa estrada,*
e por isso os meus pés não vacilaram.
6Eu vos chamo, ó meu Deus, porque me ouvis,*
inclinai o vosso ouvido e escutai-me!
AO DESPERTAR, ME SACIARÁ VOSSA PRESENÇAE VEREI A VOSSA FACE!

8Protegei-me qual dos olhos a pupila*
e guardai-me, à proteção de vossas asas.
15Mas eu verei, justificado, a vossa face*
e ao despertar me saciará vossa presença.
AO DESPERTAR, ME SACIARÁ VOSSA PRESENÇAE VEREI A VOSSA FACE!


Voltar


Segunda Leitura
O SENHOR VOS CONFIRME EM TODA A BOA AÇÃO E PALAVRA.
Leitura da Carta de São Paulo aos Tessalonicenses (2,16 - 3,5)


Irmãos:
16Nosso Senhor Jesus Cristo
e Deus nosso Pai, que nos amou em sua graça
e nos proporcionou uma consolação eterna
e feliz esperança,
17animem os vossos corações
e vos confirmem em toda boa ação e palavra.
3,1Quanto ao mais, irmãos, rezai por nós,
para que a palavra do Senhor seja divulgada
e glorificada como foi entre vós.
2Rezai também para que sejamos livres
dos homens maus e perversos
pois nem todos têm a fé!
3Mas o Senhor é fiel;
ele vos confirmará e vos guardará do mal.
4O Senhor nos dá a certeza
de que vós estais seguindo
e sempre seguireis as nossas instruções.
5Que o Senhor dirija os vossos corações ao amor de Deus
e à firme esperança em Cristo.
Palavra do Senhor.


Referencias para reflexão da segunda leitura


01 - Este texto obriga-me a tomar consciência de que é com a ajuda de Deus que o crente consegue viver na fidelidade ao Evangelho, enquanto espera a vinda do Senhor. Tenho consciência de que é d’Ele que brota a minha fidelidade ao Evangelho, ou considero que as minhas vitórias e conquistas, neste campo, se devem apenas a mim, aos meus méritos e qualidades?

02- É com a ajuda de Deus que o missionário tem a coragem de anunciar fielmente o Evangelho e de vencer as dificuldades, as injustiças, as incompreensões, as oposições que são obstáculo ao seu trabalho e ao seu testemunho. Tenho consciência de que é na oração, minha e dos meus irmãos, que encontro a força de Deus? Quando, como apóstolo, tenho de enfrentar a oposição e a incompreensão do mundo, confio em Deus, peço-Lhe ajuda, ou deixo que o medo e o desânimo tomem conta do meu coração e me levem a desistir da missão que Deus me confiou?

03 - O pedido de rezar “UNS PELOS OUTROS” convida-nos a tomar consciência da solidariedade que deve marcar a experiência comunitária. O cristão nunca é uma pessoa isolada, mas Membro de uma família de irmãos, chamados a viver no amor, na partilha, na entrega da vida, como membros de um único corpo – o corpo de Cristo. É preciso tomar consciência dos laços que nos unem, sentirmo-nos responsáveis pelos nossos irmãos, partilhar as suas dores e alegrias, fazer nossos os seus problemas e, no nosso diálogo com Deus, ter presente as necessidades de todos.


Voltar


Evangelho
DEUS NÃO É DEUS DOS MORTOS, MAS DOS VIVOS.
Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas (20,27.34-38)


Naquele tempo:
27Aproximaram-se alguns saduceus,
que negam a ressurreição, e interrogaram a Jesus.
34Jesus respondeu:
'Nesta vida, os homens e as mulheres casam-se,
35mas os que forem julgados dignos
da ressurreição dos mortos
e de participar da vida futura,
nem eles se casam nem elas se dão em casamento;
36e já não poderão morrer, pois serão iguais aos anjos,
serão filhos de Deus, porque ressuscitaram.
37Que os mortos ressuscitam,
Moisés também o indicou na passagem da sarça,
quando chama o Senhor de 'o Deus de Abraão,
o Deus de Isaac e o Deus de Jacó'.
38Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos,
pois todos vivem para ele.'
Palavra da Salvação.


Referencias para reflexão do Evangelho


01 - A questão da ressurreição não é uma questão pacífica e clara para a maioria dos homens do nosso tempo. Há quem veja na esperança da ressurreição apenas um “ópio do povo”, destinado a adormecer a justa vontade de lutar pela construção de um mundo mais justo; há quem veja na ressurreição uma forma de evasão, face aos problemas que a vida apresenta; há quem veja na ressurreição uma ilusão onde o homem projeta os seus desejos insatisfeitos… Convencidos de que a vida se resume aos 70/80 anos que vivemos neste mundo, muitos dos nossos contemporâneos constroem a sua existência tendo apenas em conta os valores deste mundo, sem quaisquer horizontes futuros. Que sentido é que isto faz, na perspectiva da nossa fé?

02 - A ressurreição é, no entanto, a esperança que dá sentido à nossa caminhada de cristão. A fé cristã torna a esperança da ressurreição uma certeza absoluta, pois Cristo ressuscitou e quem se identifica com Cristo nascerá com Ele para a vida nova e definitiva. A nossa vida presente deve ser, pois, uma caminhada tranquila, confiante, alegre em direção a essa nova realidade.

03 - A ressurreição não é a revivificação dos nossos corpos e a continuação da vida que vivemos neste mundo; mas é a passagem para uma vida nova onde, sem deixarmos de sermos nós próprios, seremos totalmente outros… É a plenitude de todas as nossas capacidades, a meta final do nosso crescimento, a realização da utopia da vida plena. Sendo assim, há alguma razão para temermos a morte ou para vermos nela algo que nos priva de alguma coisa importante (principalmente em relação com aqueles que amamos)?

04 - A certeza da ressurreição não deve ser, apenas, uma realidade que esperamos; mas deve ser uma realidade que influencia, desde já, a nossa existência terrena. É o horizonte da ressurreição que deve influenciar as nossas opções, os nossos valores, as nossas atitudes; é a certeza da ressurreição que nos dá a coragem de enfrentar as forças da morte que dominam o mundo, de forma a que o novo céu e a nova terra que nos esperam comecem a desenhar-se desde já.  


Voltar


Comentário
O QUE É A RESSURREIÇÃO?


O ano litúrgico esta terminando e antes de começar o Advento, que nos encaminha diretamente ao encontro do mistério do Natal, a Igreja nos propõe meditar nas verdades eternas. QUAIS SÃO? São as que às vezes não gostamos de pensar, mas que são das poucas coisas que sabemos com segurança de nossa vida. A primeira é que todos nos vamos MORRER e a segunda é que vamos RESSUSCITAR. Seguro que dentro de nós já apareceram algumas dúvidas. A RESSURREIÇÃO não é fácil de entender. Claro que não, ninguém disse que o seja. Também não é fácil entender o amor de uma mãe por seu filho com algum problema, mais o amor aí está. Também não é fácil de entender, que duas pessoas se comprometam a viver juntas e, o que é mais importante e difícil, se amar e se entregar totalmente uma à outra até que a morte lhes separe.

A ressurreição é algo muito parecido a esse amor eterno que se prometem os que se casam. O que acontece é que o amor que prometem os que se casam às vezes não é na realidade eterno, como se desejaria. Termina, acaba. Às vezes as pessoas não são capazes de manter suas promessas. Não se trata de pensar em quem é o culpado. A verdade é que somos muito limitados e às vezes não podemos dar mais do que damos. A RESSURREIÇÃO, diferentemente, é a PROMESSA DE DEUS. E ele sim pode fazer essas promessas. E mantê-las. E cumpri-las. Ele nos prometeu a nós, seus filhos, a vida eterna. Disse-nos que vamos viver para sempre. Porque não nos criou para a morte senão para que vivamos e tenhamos vida em abundância.

EM QUE VAI CONSISTI A RESSURREIÇÃO? Não sabemos com certeza. Mas vamos confiar em Deus, nosso Pai, porque tudo o que vem dele será bom para nós. E dele não pode vir mais que a vida. Isso é o que diz Jesus aos saduceus que lhe perguntam por esse complicado caso no Evangelho: Por que temos que supor que a vida eterna vai ser como esta, assim limitada, assim pobre? Não é Deus um Deus de vivos? O que criou este mundo, não será capaz de criar mil mundos diferentes onde a vida possa ser desenvolvida em plenitude, em uma plenitude que nós, com nossa mente limitada pelas fronteiras deste universo, não podemos nem sequer imaginar? Uma confiança assim é a que manifestou a família de que nos fala a primeira leitura. Não sabem nem o como nem o quando nem o onde, mas estão seguros de que Deus os levantará dentre os mortos. E que fará boas todas suas promessas. Também nós cremos nele e estamos convencidos de que Deus fará eterna nossa vida e eterno nosso amor.

A fé convida-nos a crer para além do que vemos, cremos verdadeiramente na promessa de que Deus nos vai ressuscitar? Deixamos que a idéia da morte nos perturbe ou pensamos que é apenas um passo necessário para encontrar o Deus Pai que nos ama tanto?


Voltar


FONTES DE REFERÊNCIA


Fernando Torres - Missionários Claretianos (Ciudad Redonda) 
Liturgia Diária – CNBB
Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos)


 

: