Últimas
12 motivos para confiar nossas súplicas a São José
Amado São José!        Do
II Domingo da Quaresma (Ano C)
As leituras deste domingo convidam-nos a refletir sobre a nossa TRA
Via Crucis - Caminho da Cruz
A Via Crucis é uma pratica piedos
Documentário especial produzido pela CNBB aborda o processo das políticas públicas
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) preparou um doc
Dízimo é Partilha
Dízimo é um ato de gratidão a Deus, do qual recebemos tudo o que
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qui Mar 28 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Mar 28 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Abr 04 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Abr 04 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qua Abr 10 @ 8:00PM -
Terço dos Homens

Orações para a Quarta Semana do Advento

Domingo - Confiemo-nos a Maria, Mulher do Advento


Maria, Mãe da Esperança, caminha conosco! Ensina-nos a proclamar o Deus vivo; ajuda-nos a testemunhar Jesus, o único Salvador; torna-nos disponíveis para servir o próximo,
zelosos pelo Reino.

Rainha da Paz, protege a humanidade deste século; protege todos os cristãos para que caminhem na unidade e sejam fermento de concórdia no mundo; protege os jovens, esperança do futuro, para que respondam generosamente ao chamamento do Teu Filho.

Maria, dá-nos Jesus, faz que O sigamos e O amemos. Contigo dizemos: Vem Senhor Jesus!


Segunda-feira - Hoje proponho ao leitor, e que ele escolha, varias possibilidades.


1 - “Hoje sabereis todos vocês que vem o Senhor, e amanhã contemplareis sua glória”. Amanhã será apagada a maldade da terra, e será nosso rei o Salvador do mundo (cf. Dn 9, 24). “Romperá tua luz como a aurora, surgirá tua luz das trevas, tua escuridão será meio dia” (Is 58, 8ª. 10b).

Apressa-te e põe-te de pé, que o Senhor te leva na mão. Deus mesmo defende-te. “Quão formosos sobre os montes são os pés do que anuncia as boas-novas, que proclama a paz, que anuncia coisas boas, que proclama a salvação, que diz a Sião: O teu Deus reina!” (Is 52, 7). O vigia grita-me que viu já cara a cara o Senhor e que ele vem já. Que rompa a cantar porque chega, porque à porta está. E que cante, porque o Senhor chega para consolar, e que nele veremos todos a vitória de nosso Deus (cf. Is 52, 2. 7-10).

Tivesse eu morto para sempre, se Ele não tivesse nascido. Uma inacabável miséria tivesse se apoderado de mim, se não se tivesse levado a cabo esta misericórdia de nascer para nós. Nunca tivesse voltado à vida, se Ele não tivesse vindo ao encontro de minha morte. Tivesse-me derrubado, se Ele não me tivesse apoiado. Tivesse perecido, se Ele não tivesse vindo (cf. Santo Agostinho).

Sim, levantemos-nos, alcemos bem a cabeça, pois se acerca nossa libertação. Amanhã será o dia de nossa salvação. Amanhã ficará apagada a iniqüidade da terra. Senhor Jesus, olha nossa pequenez e prepara-nos pára que saibamos te receber. “Apressa-te, Senhor Jesus, e não tardes, para que tua vinda console e fortaleça aos que esperam tudo de teu amor”.

2 - Outra vez quisesse dialogar com Maria antes que o Menino nasça. Sabes Maria? - digo-lhe -, neste ano com minhas mãos quero fazer-te uma casa diferente na qual caibam todos, todos meus vizinhos. Eles e eu queremos que esta casa dure para sempre. Sabes Maria? queremos fazê-la como a tua. Porque tu mesma és a casa de Deus: santas tuas paredes e forno de LUZ teu ventre, no qual Jesus bate como fruto daquele “sim” que pronunciaste.

Ai, ai, ai! - muito humilde respondes-me, Maria -. Pobre casa a minha na qual Deus vive; doce liberdade a sua que em mim quis se encerrar.

Ai, ai, ai! - volto a repetir-te eu -. Nossos dias tão cheios de batalhas; em nossos dias encadeados a violências tão contrárias ao presépio de Luz no qual Jesus nasce. É verdade, Maria: escondemos-nos depois das paredes que construímos para não ver passar a vida ao nosso lado, tão ligeira sempre e sorridente. Não permitimos que o amor seja um canto de esperança e o berço a essência onde nasça Jesus em nosso solo.

Hoje, no entanto, com nossas mãos entrelaçadas, quiséssemos para valer ser mãe - como tu - da Criatura que salvará o mundo. Desejaríamos - como tu - nos fiarmos de Deus completamente, e lhe dizer - também como tu - com inteira confiança: “Conta comigo, conta conosco”. Se assim fora, conseguir-se-ia que sucedessem coisas maravilhosas entre nós, ali ou aqui: sempre onde cada um viva. Assim, o “nascimento” que cada um ponha neste ano em sua casa será real e definitivo.

3. A propósito do “nascimento” que todos queremos pôr em nossa casa, me permita que vos conte uma coisa? Pois vereis... Jesus Deus nunca entrou na imensa, cara e desconcertante casa que lhe fizemos. Preferiu recolher-se à comunidade gentil dos lugares da cidade onde estão as pessoas que não tem casa ou que, por mil motivos, tem que ausentar-se dela. Jesus “não tinha onde reclinar a cabeça” e, no entanto está buscando casa, não para Ele que lhe sobram todas, mais para aqueles que não as têm. E sabeis outra coisa? Neste ano - como nos anteriores e nos que virão - Jesus mesmo colou seu anúncio em mercados, cárceres, hospitais, esquinas, paredes e encruzilhadas da cidade: “Tereis uma surpresa, porque hoje é NATAL”.

Tem perguntado pelas meninas e meninos que têm AIDS, porque quer encarregar-lhes - como aos anjos do primeiro Nascimento - que anunciem sua vinda. Não traz asas para eles, nem raios laser para efeitos especiais; mas não importa. E Jesus mesmo quer ver como está o Portal e se chegaram já os pastores. Quem vão ser hoje esses pastores? Os imaginemos? Ciranças e adultos deficientes; também, os que não têm trabalho, doentes incuráveis e outros parecidos. E podeis crê-lo? Jesus empenhou-se que sua mãe seja este ano uma austera idosa, abandonada, recolhida na Residência da esquina. E As ovelhas, claro. Quem serão as ovelhas?, pergunto-me já totalmente desconcertado. Jesus responde-me que todos os demais, isto é: nós, me repetindo somos dóceis e permitamos que os pastores, que Ele mesmo escolheu, nos guiem até o Portal..

Não podemos encerrar Deus no templo, porque seu verdadeiro templo são os caminhos que percorremos, as coisas que vivemos e as pessoas que encontramos. Se no Nascimento de Jesus aprendemos esta mensagem, nos sentiremos para sempre agradecidos e firmes na convicção de que Deus e a vida que temos são para a ternura, a misericórdia, o perdão e a acolhida de uns por outros.

4. Oh santa noite! Hoje Cristo nasce em mísero portal. Podemos cantar que vem nosso Senhor, porque se tem compadecido de nós. E porque Ele vem, ficará apagada a maldade da terra.

Seu corpo que em palhas jaz, seu pranto, sua pobreza... colocarão paz em tanta guerra. Quis Deus submeter-se à brevidade e debilidade de uma vida como a nossa, para experimentar as limitações que as pessoas padecem nesta terra. Esse Menino vem viver e descobrir quais são nossas grandezas e quais nossas misérias.

Deus menino, vida minha, os habitantes do mundo se surpreenderam ao comprovar que te tinhas feito tão pequeno. E, no entanto, nascido pobre num portal, conseguiste que a misericórdia e a fidelidade se encontrassem, e empurraste eficazmente a justiça e a paz para que se abraçassem e beijassem.

Que a compaixão regresse ao coração humano, a alegria também. Que teu nascimento, Senhor, traga a paz a todos os habitantes desta terra. E que na terra volte a ter amor, que todos possamos ser teu berço. Que sempre estejas nascendo em na cada um de nós. Que hoje morram os ódios. Que as ternuras regressem à terra e recuperem seu espaço perdido em nossas vidas... Que aquele que está perdido ou só, saiba com certeza que Alguém que há séculos lhe procurava, hoje por fim já o encontrou.

Porque é Deus quem, Menino,
nasceu entre palhas, 
eu lhes juro que é hoje
a noite mais santa,
a noite mais menina,
a noite mais casta,
a noite mais bela,
a noite mais alva”
(Antonio Murciano).

A Cristo, que por nós nasceu, vamos todos adorar. Que Deus nos abençoe e nos guarde; ilumine seu rosto sobre nós e nos conceda seu favor. Que Deus nos mostre seu rosto e nos conceda a paz (cf. Nm 6, 24-26).


Terça-feira - Nascimento do Senhor.


“O anjo disse aos pastores: Anuncio-vos uma grande alegria: hoje nasceu o Salvador do mundo”. E perguntamos aos pastores a quem viram; contai-nos quem apareceu hoje na terra. “Vimos o recém nascido e aos coros de anjos louvando ao Senhor”. Sim, num bairro deste solo nasceu Deus. E nascerá onde tenha um coração quente. Nascerá em mim, em qualquer um nascerá, se há amor. Nascerá onde tenha verdadeiro entendimento. Baixou do céu um orvalho bem-feito, que traz nova vida ao mundo pecador.

Não pode ter lugar para a tristeza, quando acaba de nascer a vida. Ninguém tem que se sentir afastado da participação de semelhante alegria, a todos é comum a razão para a alegria: porque o Senhor, destruidor do pecado e da morte, veio para liberar-nos a todos.

Alegremos-nos e animemos-nos, porque aproxima-se a vitória, somos convidados ao perdão, chamados à vida.”Glória a Deus no céu e na terra paz ao homem que ama o Senhor”. Que se alegre a pequenez humana ante a obra da misericórdia que a converte em nova criatura, nova criação (São Leão Magno).

Deus nasceu sobre um presépio. Hoje morrem os ódios e nascem as ternuras. O céu já não está só, a terra já não está às escuras.

A bondade, a ternura, a caricia, a brisa, as lágrimas, a chuva mansa: coisas débeis todas elas, sem importância; mas nelas, Deus de nossa vida, se mostra e se entrega para nós. “Apareceu a bondade de Deus e seu amor aos homens” (Tito 3, 4). No Menino que nasceu te vemos bom Deus; nele descobrimos todo teu mistério. Quanta bondade e quanto amor! Que intensidade de ternura! Quanto perdão e paciência experimentam e aprendem. Fazes-nos entender, Deus menino, que o forte e mais belo está no amor e na bondade, que não há nada mais consistente que viver e morrer pelos demais, que não há nada mais formoso que fazer da vida um poema de teu AMOR.


 

: