Últimas
I Dia Mundial dos Pobres
1. «Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a boca, mas c
Assunção de Nossa Senhora (Solenidade)
Bendita és tu, Maria! Hoje, Jesus ressuscitado acolhe a sua mãe n
São Tarcísio
Tarcísio
Deus Pai: o mistério maior da vida e do amor
O Dia dos Pais é sempre um momento propício para refletir sobre a
XIX Domingo do Tempo Comum - 'A'
A liturgia do XIX Domingo do Tempo Comum tem como tema fundamental
Mais Lidas

Destaque

Próximos Eventos

Qui Ago 24 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Ago 24 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Ago 31 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia
Qui Ago 31 @ 8:00PM -
Grupo de Oração
Qui Set 07 @ 3:00PM -
Terço da Misericórdia

Semana Santa - Orações


Segunda-feira


Pela manhã

Temos entrada livre, Jesus, a este caminho novo de teu sangue. Pode fazê-lo ou retirar-te. Mas chegou o momento da decisão, a última etapa do caminho. Temos longos momentos contigo, cheios de aventuras, surpresas e transformações. E eu estou na véspera de ser testemunha da surpresa maior: teu passo decidido para o ocaso de tua carne, para iluminar desde a humilhação de tua morte no dia da luz definitiva. Não vais voltar atrás; não desertará nem recusará esta HORA definitiva, embora saiba que te vão pisotear até te matar. E porque morre dá-nos a vida aos que, por nossa condição de mortais, não tínhamos possibilidade de viver. "Sabendo Jesus que chegava sua hora, tendo amado aos seus, os amou até o extremo”. Como dizia são Paulo, Deus nos livre de gloriarmos se não é na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo. Tua cruz adoramos, Senhor, e veneramos tua paixão gloriosa. Tenha piedade de nós, tu que morreste por nós.

Pela noite

Naqueles dias primeiros, recém iluminados, os cristãos, os discípulos de Jesus suportavam combates e sofrimentos; expunham-se publicamente a insultos e tormentos, ou faziam-se solidários dos que assim eram tratados. Compartilhavam o sofrimento dos encarcerados, aceitavam com alegria que lhes confiscassem os bens, convencidos que tinham bens melhores e permanentes. Hoje talvez, seguramente, falta-nos constância para cumprir a vontade de Deus. Não vivemos tão intensamente de fé; acovardamo-nos com frequência. Que o Senhor nos conceda essa fé e que nos faça pessoas decididas, que nunca voltemos atrás (cf. Hebreus 10,35-39). Que realmente sejamos valentes até no sangue, para cumprir tua vontade, Pai Deus. Levanta nossa débil esperança; e com a força da paixão de teu Filho protege nossa fragilidade, fragilidade de humanos pequenos e covardes.


Terça-feira


Pela manhã

Que possa me tirar o que me estorva e o pecado que me ata, para correr o caminho que pertence, sem me render, sem abandonar, com os olhos fixos em ti, Jesus que já percorreste o caminho, e que inicia e completas nossa fé. Você mesmo, renunciando ao desfruto imediato que sempre o mundo oferece, suportou com integridade a cruz, sem importar-se com o descrédito e o desprezo dos importantes. Que não me canse eu nem perca o ânimo; ainda não cheguei ao sangue em minha briga contra o pecado. Aceito com gosto a correção que vem de ti, Pai Deus, embora me doa, porque o único que pretende me presentear, como fruto de minha conversão, é uma vida ressuscitada, semelhante à de teu Filho. Fortalece, Senhor, minhas mãos débeis e faça fortes meus joelhos vacilantes, para que caminhe seguro por tua senda.

Quero imitar-te, Jesus Cristo, para poder chegar e viver na familiaridade com Deus, teu Pai e nosso Pai. Encurta minha vida anterior, radicalmente, para que seja possível o começo de uma vida nova. Ajuda-me a pôr entre o anterior e o que vem uma morte necessária. Que as águas do batismo, nas que Você mesmo me batize: as águas de teu sangue, sepultem meu corpo de pecado e despojem minha vida dos baixos instintos e de todas as obras da carne; para emergir depois, com Você,  dessas mesmas águas como se me levantasse da morte, lavado e purificado, ressuscitado, convertido em espiga de mil grãos.

Pela noite

Conduz a tua Igreja, que é teu povo novo, conduz à humanidade inteira a essa Páscoa da vida. Atravessado pela lança de um soldado anônimo sabe agora, soube sempre sanar nossas feridas. E para fazer-nos saber que Tu perdoavas quando se deixou fincar em uma cruz, perdoa outra vez àquela adúltera, só, desprezada, mais arrependida; perdoa de novo àquele publicano do templo de olhos quase na terra, suplicando; perdoa outra vez Zaqueu, tão pequeno e que tanto roubava; perdoa outra vez ao ladrão que morre a Teu lado; perdoa aos que durante Tua agonia debocharam de ti e blasfemaram... Perdoa-os, porque de todos eles a muito de cada um em nós. E se os perdoou, foi para nos dizer que também a nós quer nos perdoar.


Quarta-feira


Pela manhã

Por qual porta posso entrar para te abraçar, Deus? Pela que está elevada sobre a terra e tem forma de cruz; pela porta do ferimento aberto pela lança. O que assim está convertido em porta absoluta, com seu corpo ferido, nos atrai para ti. Buscou a paz para nós. Tirou a raiz amarga que nos fazia tanto dano: a morte. Colocou em nosso prato de cada dia outra comida: a dos filhos já reconciliados e reunidos em sua festa, para escutar a voz de quem nos convocava. Deus nos teve desde sempre inscritos no registro de seu fogo e quis sempre nos fazer partícipes da plenitude de seu amor. Porque nunca terá amor maior aquele  que da a vida por aqueles a quem se ama.

Estou convidado a fazer o mesmo: convidado a amar como fui amado; convidado a dar minha vida pelos irmãos. Cristo meu, tu não resistes nem volta atrás na hora de cumprir esta missão de nos amar até o extremo. Ofereceu teu corpo todo aos que quiseram o destroçar. Não escondestes o rosto para evitar os ultrajes que te fizeram. O Senhor era tua ajuda; sabia com certeza que, com Ele a teu favor, não ficaria defraudado. Teu sangue, que correu abundante acusando, mas ao mesmo tempo fecundando a terra, apura nossa consciência das obras da morte e nos prepara para nos apresentar ao Deus vivo.

Tudo isto já o sei. E a cada dia, através desta oração redundante, recordo-o e faço-o presente e desejo assimilá-lo. Mas não tenho que inventar coisas novas para falar contigo ou para comunicar a meus irmãos, tentando talvez mais que orar de verdade ante os demais com este exercício diário, mas vaidoso, das entregas que lhes faço. Disseste-o tudo já com tua própria vida; só temos que olhar e querer repetir com a nossa aquilo que Tu foste para todos. Deve ser uma opção minha, da cada um, em liberdade completa escolher  ser imitador de Deus e viver como Ele no amor. Quero vestir-me com teus sentimentos, para que a força de repetir e repetir, de recordar e recordar, o que Tu és vá insensivelmente acabando com o que eu sou antes de chegar à fé e te conhecer. E a força de querer que vivas em mim, chegue o momento de que já não seja eu quem vive, senão Tu em mim, meu Cristo. Que como Paulo, possa eu repetir que para mim a vida é Cristo, e um ganho morrer.

Pela noite

Minhas mãos estão estendidas para ti, Deus de todos e mais ainda dos humildes, como oferenda agradecida. Porque quando recordo a história de minha vida, descubro que segue sendo o que acolhe a qualquer hora, ao não saber nunca recusar a quem a Ti chega. É misericórdia que não se esgota, o Deus que nunca esquece sua bondade e mantém sua promessa para sempre. A cólera não te pertence; é algo exclusivamente nosso. Entranha de misericórdia é o que és.  Hoje segue realizando proezas, portentos, façanhas de amor incalculáveis. Abraça-me com teus com laços de bondade; escolhe-me como amigo e confidente. Pelo sangue de teu Filho, faz-me entrar em uma doce intimidade contigo. Comunica a meus olhos a luz e a alegria que Tu mesmo és. Minhas mãos estendidas expressam tudo isso: qual deus é grande como nosso Deus?

Teu poder é o perdão; por isso te sobram todos os exércitos, polícias ou tribunais constitucionais. Teu braço resgata-nos com a vida, jamais com a força da violência, algo também exclusivamente nosso. Só em Ti descanso e tenho paz; só de Ti vem minha salvação; só Tu és a rocha de minha esperança. Deixa-me, Senhor, estremecer-me ante o que és. Permite-me, apesar das nuvens que escurecem minha vida, me permite me ajoelhar e desafogar em Ti meu coração. Possa adorar-te e acolher-te para que me dê a vida, e saiba te agradecer com toda a alma o que fizestes a Cristo para mim, para nós, para todos sabedoria, justiça, santificação e redenção. E que por Ele, por seu sangue, recebo o perdão dos pecados. Por Ele nos reconciliaste, e fizeste a paz pelo sangue de sua cruz.



Quinta-feira


Pela manhã

Sentaste-te à mesa da eterna festa da fraternidade. Sabes muito bem o que há dentro da cada um de nós, os teus convidados. Por isso Tu, que na tua angústia ante a morte clamaste a Deus e, sofrendo, aprendeste a obedecer, quiseste fazer tuas as paixões e sofrimentos humanos. Derrotaste a morte derrotando a iniquidade e a injustiça...  Compadeces-te tanto das nossas debilidades, que queres ficar para sempre conosco e assim poder nos dar sua mão quando seja necessário. Converteste-te para os que obedecem a Deus em autor de salvação. E a nossa salvação, Senhor, é querer-te e amar-te.

Tens sentado à mesa, e tens convidado como comensal a todo mundo. Acabou-se a negativa de compartilhar; a divisão entre os irmãos já não faz sentido; o desprezo pelos pobres converte-se em acolhimento e serviço ao lavar-lhes os pés com gestos reais de entrega radical. Sim, tens sentado à mesa e nos dizes de coração que desejas comer esta comida pascal conosco, antes de padecer. Consciente de que chegava a tua hora, Jesus, nos tendo amado, amou até o extremo. E com o pão na mão, abençoas e repartes entre nós, nos animando a que o comamos porque é o teu corpo. E sem ter podido sair ainda do nosso assombro, encheste o copo de vinho e nos passa, para que também bebamos, porque é o Teu sangue. Depois que fores, quando nos reunamos e repitamos este gesto do pão e do vinho, Tu estarás ao nosso lado para que possamos anunciar ao mundo a tua morte e ressurreição.

Cristo maravilhoso, obrigado por nos ensinar a descobrir o irmão, a estender a mão, a apresentar a outra face, a compartilhar o pão e o lar. Obrigado por esse pedaço de pão nas tuas mãos e esse copo de vinho, com os quais nos dizes como se vence o pecado, a fome, a morte. Que agora nós continuemos a tua luta para que todo o homem e mulher sejam queridos e respeitados, para que ninguém lhes negue o pão e o trabalho, para que as crianças possam rir encantadas. Sim, continuaremos a tua luta para que ninguém se enriqueça com o trabalho dos demais e para que ninguém tenha medo de nada.

Pela noite

Hoje, dia do amor fraterno, partilha o teu pão com o faminto, hospeda aos pobres sem teto, veste ao que está nu e não te feches à tua própria carne. Na última ceia, Jesus, disseste-nos com a tua própria vida entregue à morte, que o único que vale é o amor aos irmãos, até ser capazes de dar a vida por eles. "Quem perde a sua vida, a ganha para sempre". Hoje, a véspera de padecer pela nossa salvação e de toda a humanidade, toma o pão e dizes: TOMEM E COMAM, ISTO É O MEU CORPO. Pega depois o copo de vinho, e acrescentas: TOMEM E BEBAM, PORQUE ESSE É O MEU SANGUE. Por favor, nos suplica Jesus, façam sempre e onde estejam o que acabo de fazer.

Graças, Pai Deus, por tanto amor. Graças, Jesus, porque na última ceia criastes a missa; porque na Quinta-Feira Santa ensinaste-nos a servir. Obrigado, Jesus, porque inclusive chamaste amigo ao traidor Judas; porque nos deste um Mandamento Novo; porque nos deste um coração parecido ao teu.

SEXTA-FEIRA


Pela manhã

A inocência da Verdade contrasta com o escárnio recebido. É o dia da ousadia, do arranque e da vertigem. No dia da verdade: o momento da entrega está-se produzindo em totalidade. Cristo sai de si mesmo por completo. Aí está a Verdade nua, crucificada. Regando amor, mas em forma de sangue que escapa de si mesmo. É o sacrifício de sua vida, mistério do maior amor. Jesus entardece-se..., Jesus inclina a cabeça e morre. Compaixão, Tu, para nossas vidas rompidas. Servo, Tu, que entende o ofício, Toda a beleza que há na vida, Tu a oferece ao Pai desde a desnudes e a monstruosidade de teu corpo destroçado, o faz assim porque estás convencido de que Tua mensagem de amor e justiça é possível e que o projeto de Deus sobre o mundo chegará.

Acontece como sempre: muita gente que fala, que grita, que murmura; muita gente que se esconde, que nunca dá a cara. Vozes na contramão, mas que falamos? Que gritamos? Por que nos escondemos? Se recolhêssemos todas as palavras que pronunciamos na vida, se salvaria alguma? E dos gritos que fica? Em quanta inutilidade nos empregamos, quanto tempo vivido só ao nível dos instintos. Enquanto, os que sofrem ficam sem voz, sem justiça, sem pão, sem defensor. Deus, como o menor dos humanos, morre na cruz fora da cidade para não a contaminá-la.

Às três da tarde

Cristo por nós se submeteu inclusive à morte, e uma morte de cruz. Deu sua vida pelos irmãos: ensina-nos a nos amar mutuamente com um amor semelhante ao teu. Sou como um inválido, tenho minha cama entre os mortos, como arrancado de Tua mão. Olhem e vejam se há dor como a minha. Assim estás, meu Cristo, como uma ovelha que perdeu o caminho, como alguém que carrega com crimes que não são seus, como um inválido golpeado. Perseguido até a morte, empurram sua vida ao sepulcro. Quem? Entre eles estou eu? Deus parece que se esconde e que lhe abandona. É hora do desamparo. Mas Cristo confia em seu Pai e a suas mãos encomenda-se como um carente como muitos que povoam a terra. Como o maior dos escravos, reclina sua cabeça na miséria de uma morte ignominiosa. Deus sustenta a fortaleza de seu Filho. Deus prepara a vitória: o ódio fincou a Cristo na cruz; o amor deve aliviar sua dor.

Cristo paciente, que carregado com nossos pecados subiu ao céu, nos deixou um exemplo para que sigamos seus passos. Apesar de como te trataram, nunca proferias ameaça alguma. Capacite-nos para imitar-te; que vivamos para a justiça e que, como Tu, nos ponhas nas mãos do que julga justamente: nas mãos de Deus, pai e mãe sem medida. Que possamos te oferecer uma vida sem mentira, sem fraude. Mantém, Senhor, a unidade da Igreja, protege a teu povo santo. Congrega aos cristãos na unidade. Carrega sobre Teus ombros de Pastor a quem não crê em ti nem em teu Filho Jesus; abre-lhes os olhos e o coração. Guia os pensamentos e decisões dos governantes para que no mundo tenha paz. Concede teu consolo aos atribulados.

Pela noite

Esta árvore da cruz cujo fruto humano és Tu, Cristo Jesus, reparou o dano que o pecado causou em nós. Quando te vais, a esta hora de tua amarga morte, é o momento de te dizer: obrigado pelas Bem-aventuranças; obrigado por teu sangue derramado; obrigado por tua vida dada; obrigado por tua justiça, tua paz, teu amor inesgotável para nós. É a hora de tua generosidade: a de mostrar-nos teu amor até o extremo; a hora de dar Tua vida. É hora do amor e da generosidade, porque só o amor salva. E com o amor a fraternidade, a justiça, a verdade e o serviço fazem-se efetivos. O ódio nos diz desde a cruz, embora não fale, que a violência, as injustiças levam à morte. Diz-nos que se alguém quer amar, que o faça como Tu que nos amou: sem limites. Que se alguém compreende o que está fazendo, que não se encerre já em si mesmo senão que abra os braços para estreitar ao irmão.

O caminho da cruz chegou a seu fim. Tudo fica terminado, consumado. Por isso, "reclinando a cabeça, entregou o Espírito". Ante este Cristo morto quero descobrir, viver, celebrar e experimentar que Deus é amor, e que Ele nos amou primeiro. Agora tenho razões para amar, porque fui testemunha de que o amor existe, de que o amor é verdade, de que o amor é Deus que nos amou sem excluir a ninguém. Toca-me agora, dando-me, me fazendo pequeno, perdoando, pondo a outra face, que é o contrário de pisar, humilhar, ferir, recusar.

Deixa-me que a Teu lado ponha minha cruz, oh Cristo. Deixa que meu sangue se misture com o Teu. Que nunca desde minha cruz blasfeme, pensando que são estéreis a dor e a morte que me une a ela. Que não esbanje minha dor e minhas horas. Que descubra que Tua morte é minha vida.



Sábado Santo


Pela manhã

"Sepultado o Senhor, selaram a pedra e puseram a guarda para custodiá-lo". Afastou-se nosso Pastor, fonte de água viva. Um grande silêncio envolve a terra, uma grande solidão. Dorme e descansa em paz, Jesus Nazareno. Deus, teu defensor, vai restituir-te a honra que os homens te arrebataram; amanhã a falsidade e o engano ficarão ao descoberto. Está agora deitado no leito da terra; dorme e descansa em paz, que amanhã Deus te acordará para que amanheça a alegria de teu coração vivo, rompendo a pedra do sepulcro, se mostrará vencedor ante os irmãos. Teu Senhor e nosso Deus te fará viver tranquilo. Descansa em paz e dorme agora. Ponha Tua sorte nessas mãos, que não vacilará. Que Tua carne descanse serena até a alvorada. E manhã... ensina a todos nós o caminho da vida; enche com Tua presença de alegria para sempre. Mas agora, dorme e descansa em paz. Permita que Teu Pai prepare a grande festa de manhã, porque Tu, Salvador nosso, que já destruíste o poder do inimigo. Nós tentaremos lavar um pouco mais o coração, preparando-o para Te receber e escutar Tua voz. Manhã... toma pela mão a todos, nos levanta, diga: "Acordem, os que dormem, levantem dentre os mortos, que eu serei vossa luz". Que Teu sonho, Senhor, nos tire do sonho do abismo.

Junto a Tua cruz e Teu sepulcro teve a Tua Mãe dolorosa, participando em Tua aflição: faça com que Teu povo, nós, saibamos acompanhar. E como Tu, grão que caíste na terra para morrer e dar fruto, como Tu, também nós saibamos morrer para o pecado e viver para Deus. Que Te seguindo, caminhemos sempre em uma vida nova. Muda nosso luto em dança; muda nosso traje de presidiários e veste-nos para a festa. Voltemos ao Senhor; que Ele nos cure, que Ele nos cubra, que Ele nos ressuscite. Com o preço do sangue de Cristo fomos resgatados. "Cristo, por nós, se submeteu inclusive à morte, e uma morte de cruz. Por isso Deus o levantou, sobretudo e lhe concedeu o Nome sobre todos os nomes”.

Pela noite

Aleluia! Nesta noite começa nossa nova vida. O Senhor ressurge na terra, convertida em sepulcro. Deus preserva a seu Inocente, Deus protege a seu Humilhado, Deus liberta a seu Filho assassinado. Triunfa a inocência que é, Jesus; triunfa tua vida. Sim, triunfa, surge, é luz, vive. Esta Ressurreição Tua é um acontecimento concedido à comunidade para a alegria e o desfruto. Nos os cristãos estamos despertos ESPERANDO no meio da noite consagrada ao sonho. Temos um desejo enorme de encontrar-nos o quanto antes contigo, Jesus ressuscitado. Esta é uma noite iluminada pelo DIA: Cristo vive. Nosso homem velho morreu em nós; chegamos à beira da liberdade. Cristo vive; nós também vivemos contigo. A tumba que era Tua prisão se abre e sais ressuscitado.

Mas este fato da ressurreição é graça para nós, só e exclusivamente graça. Tem Tu que sair ao encontro de teus desolados e desconsolados discípulos, para que possamos Te reconhecer e Te adorar. Vai diante no caminho; vai para encontrar-te com os teus. Só a partir deste encontro contigo podemos construir caminhos que sejam sinais de vida e esperança. Deus acompanhou-te, Jesus, durante toda a Tua caminhada. Agora Tu nos acompanharás com Tua ressurreição, que se converterá para nós no primeiro dia de uma nova criação, de uma história diferente. "Ressuscitou minha esperança!". Aí, esta vai ser uma experiência de fé: te verão e experimentarão ressuscitado só os que crêem.

Vive Senhor, não estás morto. Vive em Deus, Teu Pai. Vive em cada um dos que Te amam e seguem teu caminho. Vive Senhor. Vive na justiça e na bondade de todos os justos da terra. Vive, não estás morto! A vida não pode ser morta; a vida é mais forte que a morte. Tua morte, Jesus, é o triunfo sobre todos os que Te matam. Ensina-nos a proteger e cultivar contigo a vida, oferecendo a todos em nossas mãos bondade, pão e ternura. Vive Senhor, não estás morto! Queremos ser testemunhas de Alguém que vive.



Domingo da Ressurreição


Pela manhã, pela tarde, pela noite... sempre!

E quando fugia desesperançado, me fez voltar sobre meus passos. "É verdade: ressuscitou o Senhor!". Fez-me voltar jubiloso ao grupo de meus irmãos, para unir-me de novo a eles e celebrar todos juntos a alegria da PÁSCOA: celebrar Tua presença, Senhor, entre nós. Porque segue abençoando o pão, partindo-o, dando-te a ti mesmo e sendo o centro de nossa comunidade, que contigo ressuscita. São a vida, a fraternidade e a esperança o que celebramos. Outra vez a vida, a inocência, a verdade, a luz. Tua PÁSCOA é uma maneira nova de ver, abraçar e construir o mundo; uma maneira nova de fazer a história desde a luz sempre nova e recém feita do dia supremo de Tua Ressurreição. Sim, que o Amor e a Vida sejam a última palavra no livro da história de todos os povos da terra, porque não nascemos para o ódio.

 

 

: